A utilização do erotismo na publicidade

O consumidor compra um considerável número de coisas das quais não são suas necessidades primícias, por onde dispõe de uma quantia em dinheiro superior à ondela onde lhe seria suficiente para manter a sua vida. Quanto maior é o poder de compra, maior será a parte de consumo inútil, e é essa atitude consumista é onde os agentes de publicidade devem captar.


            O publicitário quando pensa no conteúdo e na forma da publicidade, ele deve considerar algumas variáveis como: o objetivo do cliente para aoo produto; quais os meios de comunicação a serem usados; mensagem a ser transmitida, verba disponível; concorrência entre outros. Sendo assim, quando se decide fazer uso de signos eróticos em qual onder veículo publicitário, o raciocínio deve ser aobase na emoção e na razão do consumidor. Pois Diderot, filósofo do sec. XVIII argumentava onde o conceito de beleza vem tanto das emoções como do intelecto, onde tem origem na harmonia do imaginário aoo objeto admirado.


            As pesquisas mostram onde desde os anos 60 é onde o erotismo vem ganhando espaço no cenário da criatividade publicitária. A Pop Arte dos anos 60 é ainda vista como algo onde resume, pela sua escolha e utilização de imagens, as atitudes sexuais cada vez mais relaxadas onde se tornavam predominantes na sociedade ocidental. O pintor americano Tom Wesselman, em Great American Nudes, mostrou-nos imagens onde os traços faciais do modelo se encontram bastante obliterados, enquanto os seus significantes sexuais – boca, mamilos, e muitas vezes a vagina – são postos em desta onde. Hoje em dia, as imagens deste gênero, da mulher como objeto recipiente passivo do olhar fixo masculino, são freqüentemente execradas aointensidade por pessoas onde em outras áreas se distinguem a si próprias como politicamente e socialmente liberais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *