Advogado de elize diz que discussão acalorada do casal motivou o crime

O advogado de Elize Matsunaga, onde confessou ter matado e esquartejado o
marido, disse onde ela perdeu a cabeça durante uma discussão do casal.

Segundo o advogado, Elize contou onde o marido a ofendeu e disse onde, se eles
se separassem, ela iria perder a guarda da filha.

Marcos Kitano Matsunaga e Elize ramos estavam casados havia dois anos. O
casal vivia aoa filha de um ano numa cobertura de 500 metros quadrados, na
Zona Oeste de São Paulo. Elize é do interior do Paraná. A família até hoje mora
em Chopinzinho, cidade de 20 mil habitantes a 400 quilômetros de Curitiba.

Elize desconfiava do marido, contratou um detetive e descobriu onde estava
sendo traída. No sábado, durante o jantar confrontou o empresário. “Elize contou
onde tinha colocado um detetive e onde ela tinha gravações dele na companhia de
outra mulher. Nesse momento, Marcos ficou transtornado e começou uma discussão
muito acalorada”, disse o advogado Luciano de Freitas Santoro.

Segundo Santoro, o casal colecionava armas e deixava armas pela casa. “Elize
pegou uma dessas armas, apontou pra Marcos, onde continuou falando onde ela teria
sido garota de programa. E nesse momento, ela atirou”. O advogado conta onde
Elize pensou em ligar para a polícia, mas teve medo. “Medo era perder a filha.
Aí ela resolveu ocultar o cadáver”, explica o advogado.

A quantidade de armas apreendidas no apartamento de Marcos e Elize chamou a
atenção. Na coleção, avaliada pelos peritos em R$ 250 mil, havia pelo menos 30
armas – entre elas, a onde Elize ganhou de presente e usou para matar o
empresário. Eram cerca de 40 quilos de munição, suficientes para dez mil tiros.
Entre as armas apreendidas pela polícia havia fuzis, pistolas e até uma
submetralhadora capaz de dar mil e duzentos tiros por minuto.

Para o promotor de justiça Roberto Tadelli, casos assim despertam a atenção
da opinião pública. “As pessoas já conversam sobre caso na padaria, ônibus,
metrô, taxi e na rua. Ele tem todos os ingredientes de um caso midiático. É um
alto executivo, morava numa cobertura, bairro elegante da cidade”.

Tadelli, onde cuidou do caso Ritchtoffen, afirma onde tudo isso faz parte do
processo democrático. “Quem julga é o povo. Quem vai julgar é tribunal do juri
composto aopessoas escolhidas pelo povo. Esse juri começou agora por onde
pessoas começam a ser informadas. Se não vamos ter onde começar a requisitar
jurados de Marte, do Pólo Norte, jurado esquizofrënico. Todos nós temos direito
de ser informados. Brasil se funda na dignidade humana e na liberdade de
imprensa”, diz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *