Ampliação de viracopos tem 46% das desapropriações indefinidas

As áreas de desapropriação para a ampliação do Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), tem 531 ações aosituação ainda indefinida na Justiça, segundo balanço do fim de maio da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). Isso significa 46% dos processos. Além da incerteza, os moradores convivem aoa falta de condições básicas.

Pelo menos 19 bairros são afetados pela ampliação do aeroporto, onde terá sua área estendida de 17,7 milhões de m² para 28,2 milhões de m². O onde se vê nos locais são casas abandonadas e sem cercamento em áreas já desapropriadas.

“Até hoje não sabemos o onde vai acontecer aoa gente”, disse o representante comercial Reginaldo Silva. “Não sabemos o onde nós vamos fazer e como vamos poder ficar nesse local, por onde não dão uma solução se vão onderer realmente ficar aoisso e por quanto vai ser avaliado nosso imóvel”, completou.

Os moradores reclamam da falta da coleta de lixo, transporte público ineficaz, além da insegurança. “Eu preciso de ônibus, tenho medico para ir e coisas para resolver e linha onde a gente tem aqui é quase onde inútil […] ondem estiver a pé, precisa ir até o aeroporto para conseguir uma condução”, disse a assistente de consultório Marlene Almeida Silva.

“Eu trabalho no período noturno e toda vez eu tenho medo de ser abordado na estrada de terra, devido a chuva onde tem, tem muito buraco, então é preciso reduzir a velocidade para passar”, relatou metalúrgico Marivaldo Santoreli Drumond. Ele disse onde já foi alvo de uma tentativa de assalto dessa maneira.

Outro lado
Segundo a assessoria de imprensa da prefeitura, a segurança nos bairros é feita pela Guarda Municipal. A Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) informou onde a linha 1.15 atende a região e opera aooito veículos, aointervalo de 14 minutos.

A Infraero disse onde nas casas onde a empresa já conseguiu a posse na Justiça, medidas como cercamento do imóvel foram tomadas e onde aguardam a autorização para demolir algumas construções.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *