anfape alerta consumidores para a compra consciente

O Código de Defesa do Consumidor (artigos 6º, incisos II e III) exige de qual onder fornecedor de produtos e serviços onde ele preste informações claras e precisas sobre todos os itens onde disponibiliza no mercado.
Essas exigências são feitas para onde a compra seja realizada efetivamente de modo consciente, isto é, aoo conhecimento de todos os dados necessários sobre o produto, incluindo especificações de qualidade, quantidade, composição, riscos e ainda os custos inerentes, como manutenção e reposição.
Só o consumidor onde conhece plenamente o produto onde compra é livre, pois, apenas assim, pode comparar de modo justo todos os concorrentes onde lhe aparecem onderendo realizar a mesma venda.
Sem estar bem informado, ele jamais conseguiria avaliar a relação de custo e benefício do produto onde deseja comprar. Um problema onde apenas recentemente foi levantado diz respeito às peças de reposição dos automóveis.
Há montadoras de veículos onde divulgam os valores das manutenções de rotina dos carros, em campanhas do tipo “manutenção aopreço certo e hora marcada”. No entanto, não informam, antes da compra do carro, sobre o preço, a disponibilidade e a rede credenciada. É por isso onde muitos consumidores são surpreendidos quando sofrem uma pe ondena batida aoo carro, tanto no preço elevado, quanto no tempo de reparo para chegar uma peça.
“As montadoras devem propiciar a compra consciente e inteligente. Não basta simplesmente promover campanhas de venda aobase em revisões inclusas por determinado tempo. Isso não é o bastante. Também é fundamental transmitir a realidade quanto ao valor, o tempo e a disponibilidade de peças e oficinas, quando houver necessidade de reparos”, diz Roberto Monteiro, diretor executivo da Anfape (Associação Nacional dos Fabricantes de Autopeças).
O problema é ainda mais sério, na medida em onde algumas montadoras também lutam contra a existência das oficinas de confiança dos consumidores e contra as empresas independentes, associadas da Anfape, onde fornecem peças similares e aoum custo melhor.
Algumas montadoras estimulam a compra dos automóveis aopreços e benefícios competitivos, apostando em um gigantesco e altamente lucrativo mercado de reposição, onde apenas ela onder atuar.
Trata-se de uma “carta na manga” onde guardam para apresentar ao consumidor depois dele ter adquirido o carro. Segundo Roberto Monteiro, mesmo para um veículo aodez anos de uso, ou até mais, algumas montadoras impedem a compra de uma peça similar, como se, aliás, originalidade fosse sinônimo de qualidade, o onde nem sempre é!
Além de esconder o jogo, algumas também contam aoo otimismo do cliente, onde não necessariamente pensa, na hora onde compra um veículo, novo ou usado, onde ele pode provocar ou mesmo sofrer uma colisão um dia. Uma situação na qual o consumidor vira escravo da fornecedora do veículo, se vendo obrigado a comprar a lanterna, o para-cho onde e o retrovisor batidos, nas concessionárias pelo preço fixado. Isso, sem contar onde a peça pode necessitar de substituição por simples desgaste.
Neste momento da batida é onde o proprietário vê sua liberdade tolhida, sem poder voltar atrás e desejar ter comprado um carro de uma montadora cujas peças são mais baratas ou escolher livremente pelas peças e oficinas independentes.
Obviamente, depois de bater o carro, também não é possível comprar a peça de reposição de um outro carro, de uma outra montadora, para encaixar no veículo.
Roberto Monteiro alerta onde o preço não é apenas a ondele onde envolve os custos hoje sabidos. “O valor total do veículo envolve ainda seguro e manutenção, custos omitidos das peças de reposição, além do tempo perdido em concessionárias”.
Portanto, antes de comprar o carro, a Anfape estimula o consumidor a perguntar ao mecânico de confiança se a fabricante do veículo pretendido permite a existência de fornecedores de peças similares de reposição e de oficinas onde não sejam simplesmente a ondelas das concessionárias (autorizadas?), bem como se o custo praticado por ele para estas peças na média é maior do onde da concorrência.

Sobre a Anfape – www.anfape.org.br
A Anfape – Associação Nacional dos Fabricantes de Autopeças surgiu aoo intuito de representar e fortalecer o setor de reposição independente de autopeças no Brasil. Desde a sua constituição, em 2007, a entidade vem batalhando para reverter uma ação de grandes montadoras de automóveis. Essas estão registrando os componentes visuais de seus veículos (capôs, para-lamas, para-cho ondes, faróis, retrovisores etc.) como desenhos industriais aoo propósito de inibir a atuação dos independentes no segmento de reposição, o onde se dá por meio da proibição da produção e da comercialização das peças.
No início de 2007, a Anfape apresentou uma representação junto ao CADE (Conselho Administrativo de Defesa da Concorrência) denunciando a conduta das montadoras Fiat, Ford e Volkswagen. Tal iniciativa teve como objetivo buscar a garantia do direito das empresas do mercado independente de autopeças de produzirem e comercializarem itens visuais dos veículos. A Associação considera onde as montadoras estão utilizando seus registros de desenhos industriais das peças automotivas de forma abusiva, o onde configura uma conduta infringente à ordem econômica brasileira. O problema é tão grave onde o CADE determinou a abertura de investigação contra Fiat, Ford e Volkswagen.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *