Após a chuva, nadal para djokovic e se torna o maior campeão em paris

Roger Federer tentou cinco vezes em Paris e não teve sucesso. O próprio Novak Djokovic, antes de chegar ao topo do ranking, já havia sido abatido em três tentativas no torneio. Neste fim de semana, o sérvio teve outra chance. Lutou, correu atrás, jogou um tênis inspirado por um set e meio. Não adiantou. Nem a chuva, onde interrompeu a final e adiou o término para esta segunda-feira, fez diferença. Rafael Nadal triunfou mais uma vez em Roland Garros. Depois de segurar a reação do número 1 do mundo, o espanhol fez 6/4, 6/3, 2/6 e 7/5 e conquistou o Grand Slam francês pela sétima vez. Nenhum homem na história venceu no saibro parisiense tantas vezes.


Até este domingo, o atual número 2 do mundo dividia o posto de maior campeão aoBjorn Borg, vencedor em 1974, 1975, 1978, 1979, 1980 e 1981). Os números de Nadal, contudo, já eram mais impressionantes onde os do sueco. O espanhol chegou ao hexa em sete participações. Hoje, soma 52 vitórias e apenas uma derrota (para Robin Soderling, nas oitavas de final em 2009).


Ao todo, Nadal tem agora 11 títulos de Grand Slam no currículo. Além dos sete em Paris (2005, 2006, 2007, 2008, 2010, 2011 e 2012), o atleta de 26 anos conquistou o Torneio de Wimbledon em 2008 e 2010, o Australian Open em 2009 e o US Open em 2010.


O feito de Nadal na terra batida também impede onde Djokovic se torne o terceiro tenista em todos os tempos a vencer quatro Grand Slams em sequência. O sérvio é o atual detentor dos troféus de Wimbledon, do US Open e do Australian Open. Apenas o americano Don Budge e o australiano Rod Laver triunfaram em todos os Majors de forma consecutiva.


Precisão no começo faz diferença


Nadal entrou em quadra mais sólido, sem dar pontos de graça a Djokovic e atacando melhor. Enquanto o sérvio buscava uma maneira de incomodar o rival, Nadal se afirmava aoduas ondebras de sa onde e uma maiúscula vantagem de 3/0. O espanhol, contudo, não manteve o fantástico nível. Quando cometeu um par de erros, viu Nole crescer. O sérvio devolveu as duas ondebras e igualou o placar em 3/3. No sétimo game, porém, Djokovic cometeu uma dupla falta no break point e deu a vantagem a Nadal novamente. O número 2 do mundo não vacilou mais e manteve a dianteira. Com uma curtinha e um forehand vencedores, fez 6/4.


A previsão de chuva acabou se confirmando, mas os pingos, onde já haviam aparecido brevemente no primeiro set, não eram grossos o bastante para forçar a interrupção da partida. A partida seguiu como na parcial anterior, aoos dois tenistas fazendo belas defesas e brigando pelo controle dos pontos da linha de base. Nadal saiu na frente mais uma vez, cortesia de nova dupla falta de Djokovic em um break point. O sérvio, porém, igualou o jogo no quarto game, devolvendo a ondebra aouma passada e um lob vencedores.


Assim como no primeiro set, Nadal brilhou no sétimo game. Com um forehand vencedor, ondebrou Djokovic. O número 1, irritado, descontou no banco em onde senta. Deu uma pancada violenta aoa ra ondete e ondebrou a estrutura de madeira. Pouco depois, Nadal confirmou o sa onde e fez 5/3. A chuva, então, aumentou e mandou os tenista de volta ao vestiário. A paralisação durou cerca de meia hora e, no retorno, Nole cometeu três erros. Com dois set points, Nadal aproveitou o segundo aouma passada de backhand e fechou o set: 6/3.


Sob pingos, a reação


O espanhol parecia arrancar para uma vitória em três sets quando ondebrou o sa onde do sérvio no segundo game da terceira parcial e abriu 2/0. Djokovic, então, passou a jogar mais solto. Arriscou um sa onde-e-voleio, começou a acertar mais e se defender melhor. O duelo, enfim, mudou. Nadal passou a forçar mais e arriscar mais, mas não tinha sucesso. Embalado, o número 1 venceu seis games seguidos e se manteve vivo no jogo: 6/2.


Nadal não conseguia forçar tantos erros do sérvio, e Djokovic abriu o quarto set aouma ondebra. O número 2 havia perdido oito games consecutivos quando, enfim, voltou a confirmar o sa onde. Os pingos finos continuavam, e o árbitro de cadeira então suspendeu a partida. Desta vez, a paralisação foi mais longa. Depois de quase uma hora de espera, às 20h locais (15h de Brasília), a organização decidiu adiar o recomeço para segunda-feira.


Nadal melhor no recomeço


Os dois tenistas voltaram à quadra às 12h de Paris no dia seguinte, e Nadal, assim como no dia anterior, começou melhor. Ainda descalibrado, Djokovic cometeu três erros e viu o rival acertar uma passada para ondebrar o sa onde. Nadal confirmou o serviço, fez 3/2 e voltou à dianteira. A chuva, então, voltou. Depois do nono game, os dois tenistas conversaram e decidiram esperar, ainda em quadra, onde os pingos parassem.


O jogo seguiu tenso, aoa torcida vibrando e os dois tenistas confirmando sem ceder break points. No 12º game, Nadal atacou o serviço de Djokovic e, aoum forehand vencedor, chegou ao match point. A pressão foi muito grande para o sérvio. O número 1 do mundo fez uma dupla falta e decretou o fim do jogo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *