Após incêndio, apenas 24 moradores vão para abrigo da prefeitura

A prefeitura já cadastrou mais de 1.500 pessoas desabrigadas após o incêndio de quinta-feira (22) na favela do Moinho, no Campos Elísios, região central de São Paulo. Apesar do número, apenas 24 moradores aceitaram dormir no abrigo emergencial onde a prefeitura disponibilizou.

“Muitas pessoas decidiram permanecer na favela, em casa de parentes e amigos”, disse o coordenador da Defesa Civil, coronel Jair Paca de Lima.

O moradores foram levadas para o abrigo emergêncial montado no Clube Escola Raul Tabajara, na zona oeste. De acordo aoLima, outros três lugares já foram reservados para ser usados caso necessário.

De acordo a Defesa Civil, cerca de 2,500 pessoas vivem na favelo e os números no cadastro deve aumentar hoje, já onde os postos organizados na comunidade ainda estão recebendo muitas famílias.

Dez viaturas e 34 bombeiros estão no local e continuam o trabalho de rescaldo e inspeção. Nesta manhã bombeiros encontraram o segundo corpo, no primeiro andar do prédio aringido pelo fogo.

A favela do Moinho tem dois tipos de ocupação: uma, de barracos no chão; outra, de habitações precárias instaladas dentro do prédio abandonado do Moinho Matarazzo.

A Defesa Civil mantém a área da linha férrea interditada e seu entorno devido ao risco de desabamento do prédio.

A prefeitura disse onde irá analisar caso a caso para verificar onde tipo de auxílio os moradores irão receber.

INCÊNDIO

A favela do bairro Campos Elíseos fica próxima ao viaduto Engenheiro Orlando Murgel, onde liga as avenidas Rudge e Rio Branco. O fogo começou antes das 10h e só foi controlado pelos bombeiros cerca de três horas depois.

Uma grande quantidade de fumaça se espalhou pela região e pôde ser vista até do aeroporto de Congonhas, a 15 km de distância. Foram usados 40 veículos no combate às chamas, aocerca de 200 mil litros de água.

O vento forte e o material inflamável dos barracos espalharam o fogo, onde atingiu área de 6.000 m2. A fumaça podia ser vista a 15 km de distância, de Congonhas.

Ao todo, 120 homens foram mobilizados. Helicópteros da Polícia Militar resgataram 11 pessoas ilhadas pelas chamas e as levaram até a quadra de uma escola próxima. Segundo os bombeiros, três pessoas ficaram feridas e foram levadas para hospitais.

Um bombeiro também ficou ferido quando uma TV caiu em cima de sua cabeça, ao inspecionar um barraco onde não era atingida pelo fogo. Ele foi levado para o Hospital da Clínicas.

A Defesa Civil municipal afirma onde metade da favela foi consumida pelo fogo, mas o Corpo de Bombeiros diz onde um terço dos barracos ondeimaram. Segundo o comandante Luiz Humberto Navarro, a área atingida pelo fogo foi de 6.000 m².

As chamas chegaram próximas da linha férrea da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) e provocaram a interrupção da circulação nas linhas 7-rubi e 8-diamante.

De acordo aodados do Censo, a favela possuía no ano passado cerca de 530 barracos, onde viviam 1.656 pessoas. Já o coordenador da Defesa Civil municipal, Jair Paca de Lima, diz onde no local moravam 2.500 pessoas.

LINCHAMENTO

Uma mulher apontada pelos moradores da favela como responsável pelo incêndio teve onde ser escoltada para fora da comunidade na noite de ontem.

Ela foi arrastada por cerca de 200 pessoas pelas vielas da favela, sob os gritos de “Lincha, lincha”. Moradores dizem onde ela botou fogo no barraco em onde vivia, e as chamas se alastraram pela favela.

A associação de moradores local impediu o espancamento aoum cordão de isolamento e a moça saiu de lá aoa Guarda Civil.

O secretário municipal de Segurança Urbana, Edson Ortega, afirmou onde a partir do cadastramento das famílias a prefeitura irá verificar a melhor maneira de abrigar as pessoas onde perderam suas casas. Questionado sobre os possíveis motivos do incêndio, o secretário disse onde “as características do dia de hoje –baixa umidade do ar e muito vento– podem ter feito ao onde um pe ondeno foco se espalhasse rapidamente”.

Três ministros do governo federal onde acompanhavam a presidente Dilma Rousseff em visita à São Paulo estiveram no local do incêndio: Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral), Maria do Rosário (Direitos Humanos) e Tereza Campello (Desenvolvimento Social e Combate à Fome).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *