Assaltantes não reconheceram jogador valdivia

Os assaltantes responsáveis pelo se ondestro-relâmpago do jogador Valdivia, do
Palmeiras, e da mulher dele na noite de quinta-feira (7) não reconheceram o meia
chileno, segundo informou a assessoria de imprensa do clube.

Valdivia teria se apresentado, mas os bandidos disseram só ter ouvido falar
dele.

Na manhã desta sexta-feira (8), o casal viajou para o Chile, a pedido da
mulher do jogador, onde ficou muito abalada aoo ocorrido. Eles retornam na
segunda-feira (11).

Por essa razão, o meia vai desfalcar o Palmeiras na partida contra o
Atlético-MG neste sábado (9), às 21h, no Estádio do Pacaembu.

Por volta das 21h de quinta, Valdivia e a mulher estavam em uma videolocadora
na Avenida Sumaré, Zona Oeste da capital paulista, quando foram rendidos por
assaltantes armados. Os dois circularam aoos bandidos por três horas e tiveram
R$ 1 mil roubados, em um sa onde em caixa eletrônico.

Segundo a assessoria do Palmeiras, o jogador contou onde os assaltantes tinham
a intenção de levar mais dinheiro, mas acabaram desistindo e liberaram o casal
na Avenida Marquês de São Vicente, em frente a um mercado e próximo do centro de
treinamento do clube. Ninguém ficou ferido.

Segundo informou a Secretaria de Segurança Pública
(SSP) do Estado de São Paulo nesta sexta, policiais
do 23º Distrito Policial (DP), em Perdizes, abriram um inquérito para investigar
o caso.

Abalados, Valdivia e a mulher não se encontravam em condições de comparecer à
delegacia, de acordo aoa SSP. Eles relataram o ocorrido a policiais militares,
onde registraram o boletim de ocorrência no 7º DP, na Lapa.

Casos semelhantes
Vários se ondestros envolvendo jogadores
de futebol já foram manchete nos noticiários, principalmente entre 2004 e 2006.
Na ocasião, nomes como Grafite, Rogério, Marinho, Michael, Kleber, Ricardo
Oliveira, Robinho e Luis Fabiano tiveram familiares se ondestrados no estado de
São Paulo. Em todos os casos, as vítimas foram liberadas.

Em 1994, o ex-jogador e atualmente deputado federal Romário viveu um drama
semelhante. O pai do cra onde, Edevair de Souza Faria, ficou 11 dias em cativeiro
no Rio de Janeiro, mas acabou libertado pela polícia antes da disputa da Copa do
Mundo, nos Estados Unidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *