Brasil é bicampeão mundial no chile

Copa do Chile


BRASIL É BICAMPEÃO MUNDIAL NO CHILE



Mesmo com Pelé contundido, seleção conquista o título
Ricardo Acampora


Em 1962, o Brasil repetiu o sucesso de 1958 e conquistou o bicampeonato mundial.


Na Copa do Chile houve um novo recorde de inscrições. Cinqüenta e seis países se inscreveram para disputar as 14 vagas do Mundial. O Brasil, como país campeão, e o Chile, como anfitrião, estavam automaticamente classificados.


O Brasil ficou no grupo 3, com México, Espanha e Tchecoslováquia. A surpresa ficou por conta da desclassificação da França, terceira colocada no mundial da Suécia.


Na Europa, o futebol se tornara um esporte cada vez mais físico, mas a técnica ainda prevalecia entre os jogadores sul-americanos.


Violências


A primeira fase da Copa de 1962 foi marcada por jogos truncados, por uma marcação rigorosa e violenta. Preocupado, o Comitê de Arbritragem da Fifa convocou uma reunião de emergência com todos os juízes e bandeirinhas do mundial, para que o jogo bruto fosse reprimido com mais rigor.


O Brasil teve uma estréia tranqüila, derrotando o México, em Viña del Mar, por 2 a 0, gols de Pelé e Zagalo.


O técnico campeão de 58, Vicente Feola, estava com problemas cardíacos e foi substituído por Aimoré Moreira. O novo dirigente conservou a base da seleção de 1958, trocando apenas o miolo da zaga. Mauro era o capitão no lugar de Belini e Zózimo, do Bangu, ficou com a vaga de Orlando.


No segundo jogo, contra a ótima equipe da Tchecoeslováquia, o Brasil perderia sua maior estrela. Pelé sofreu uma distensão no músculo da virilha e estava fora do restante da Copa.


Pelé continuou em campo mancando, pois na época não eram permitidas substituições durante os jogos. A partida terminou empatada sem gols.


O resultado fazia o Brasil decidir a classificação com a Espanha, que tinha vencido o México e perdido para os tchecos.


Garrincha


Sem Pelé, substituído por Amarildo, do Botafogo, o Brasil começou o jogo nervoso, permitindo o domínio dos espanhóis. Aos 35 minutos de jogo, Abelardo abriu o placar para os espanhóis.


No segundo tempo, o Brasil voltou melhor, e na ponta-direita começou a brilhar a genialidade de Garrincha, o craque de pernas tortas.


Garrincha aplicava dribles desconcertantes em seu marcador abrindo a defesa espanhola. Duas jogadas iniciadas por Mané Garrincha foram concluídas pelo garoto Amarildo, garantindo a vitória brasileira de virada.


A vitória classificou o Brasil e deu confiança à seleção que até então não tinha mostrado o futebol que a levara ao título na Suécia.


No grupo do Brasil, a Tchecoslováquia também se classificou para as quartas-de-final.


O Brasil enfrentaria a Inglaterra na tarde de 10 de junho. Na falta de Pelé, o talento de Garrincha brilhou mais do que nunca. Mané armou, driblou, deu passes, humilhou seus marcadores, foi à linha de fundo quantas vezes quis, fez um gol de cabeça e outro com um chute de curva no ângulo do goleiro Springett.


Placar: Brasil (Garrincha) 3, Inglaterra 1. O Brasil disputaria com os chilenos, os donos da casa, uma das vagas para a grande final.


Final


Os “olheiros” da delegação brasileira descobriram um plano dos chilenos para pertubar o time do Brasil na chegada da seleção à capital Santiago.


Seguindo o plano traçado pelo chefe da delegação, Paulo Machado de Carvalho, a seleção viajou de trem, evitou comer as refeições oferecidas a bordo, preferindo os sanduíches comprados em Viña del Mar.


Os jogadores desceram duas estações antes do destino final, seguindo de ônibus diretamente para o estádio Nacional, driblando a multidão que foi à estação de trem para hostilizar os brasileiros.


Diante de quase 80 mil espectadores, o Brasil se impôs com outro show de Garrincha, que marcou duas vezes no primeiro tempo. Pouco antes do fim da etapa inicial, Toro reacendeu a esperança da torcida local, descontando para o Chile.


Logo no começo do segundo tempo, Vavá restabeleceu a vantagem de dois gols para o Brasil.


Leonel Sanchez ainda diminuiria de pênalti aos 16 minutos, e aos 32, novamente Vavá balançaria a rede do Chile, que não encontrou forças para reagir.


Quase no final do jogo, Garrincha, cansado de apanhar do seu marcador Rojas, revidou uma entrada desleal com um pontapé no traseiro do lateral chileno. O árbitro peruano Arturo Yamasaki expulsou Garrincha, que ainda levou na saída uma pedrada de um torcedor.


Na outra semifinal a Tchecoslováquia venceu a Iugoslávia por 3 a 1 e se classificou para enfrentar os brasileiros na final.


Como em 1958, o adversário do Brasil saiu na frente, com um gol de Masopust, aos 14 minutos do primeiro tempo.


Mas o Brasil tinha Garrincha. Sempre que pegava na bola, Garrincha atraía a atenção de pelo menos três adversários. Assim, Amarildo, Zito e Vavá, tiveram espaço necessário parea marcar os gols que deram o bicampeonato mundial ao Brasil.


As atuações sensacionais de Garrincha não deixaram que o Brasil sentisse falta do rei Pelé. A artilharia do mundial de 62 ficou com o iugoslavo Jerkovic, com 5 gols.


A Copa do Chile foi marcada pela introdução do chamado futebol-força jogado pelos europeus que, através do preparo físico esmerado, nivelava por baixo os jogadores.


Dois jogadores tiveram a perna quebrada e seis foram expulsos durante o torneio, tendo sido marcadas oito penalidades máximas.


O jogo bruto dava uma idéia do que seria a próxima Copa do Mundo a ser disputada na Inglaterra, em 1966.


Seleção brasileira


Gilmar, Castilho, Djalma Santos, Jair Marinho, Belini, Mauro, Zózimo, Nilton Santos, Altair, Jurandir, Zito, Zequinha, Mengálvio, Didi, Jair da Costa, Garrincha, Amarildo, Coutinho, Pelé, Vavá, Pepe e Zagalo.


Resultados


Grupo 1


Uruguai 2 X 1 Colômbia


URSS 2 X 0 Iugoslávia


URSS 4 X 4 Colômbia


URSS 2 X 1 Uruguai


Iugoslávia 5 X 0 Colômbia


Grupo 2


Chile 3 X 1 Suíça


Alemanha Ocidental 0 X 0 Itália


Chile 2 X 0 Itália


Alemanha Ocidental 2 X 1 Suíça


Alemanha Ocidental 2 X 0 Chile


Itália 3 X 0 Suíça


Grupo 3


Brasil 2 X 0 México


Tchecoeslováquia 1 X 0 Espanha


Brasil 0 X 0 Tchecoslováquia


Espanha 1 X 0 México


Brasil 2 X 1 Espanha


México 3 X 1 Tchecoslováquia


Grupo 4


Argentina 1 X 0 Bulgária


Hungria 2 X 1 Inglaterra


Inglaterra 3 X 1 Argentina


Hungria 6 X 1 Bulgária


Hungria 0 X 0 Argentina


Inglaterra 0 X 0 Bulgária


Quartas-de-final


Chile 2 X 1 URSS


Tchecoeslováquia 1 X 0 Hungria


Iugoslávia 1 X 0 Alemanha Ocidental


Brasil 3 X 1 Inglaterra


Semifinais


Brasil 4 X 2 Chile


Tchecoslováquia 3 X 1 Iugoslávia


Disputa pelo terceiro lugar


Chile 1 X 0 Iugoslávia


Final


Brasil 3 X 1 Tchecoslováquia


Fonte: www.joaozinho10.com.br

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *