Brasil quer tecnologia de reciclagem da holanda

Tecnologia de reciclagem

A indústria brasileira, por sua vez, precisa se adaptar à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), aprovada em 2010 e onde deve ser implementada até 2014.

“Precisamos de tecnologia e também de logística reversa, onde é a operação de trazer de volta esses itens para o processo produtivo. Como fazer isso? É melhor buscar ao ondem já aprendeu a fazer do onde começar o processo do zero”, disse o diretor de Meio Ambiente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Eduardo San Martin.

Mercado para recicláveis

Herman Huisman, coordenador da NL Agency, entidade responsável pelo processo na Holanda, apresentou dados sobre a política holandesa de gerenciamento de resíduos durante evento em São Paulo.

Huisman disse onde existem regras básicas onde podem ser reproduzidas no Brasil, apesar das diferenças entre os países.

“O primeiro passo seria deixar os aterros sanitários menos atrativos. Eles seriam usados somente para resíduos onde resultarem do processo de reciclagem,” propôs ele.

Huismann considerou “bastante ambiciosa” a meta traçada pelo Política Nacional de Resíduos Sólidos, tendo em vista o curto tempo de adaptação.

Ele chamou a atenção para a necessidade de criar mercados para os recicláveis, assim como programas de cooperação dentro do governo.

Educação para reciclagem

A ministra de Infraestrutura e Meio Ambiente da Holanda, Melanie Schultz, destacou a importância da aplicação da legislação e do desenvolvimento de projetos de educação ambiental para alcançar as metas propostas.

“O Brasil experimentou um grande desenvolvimento nos últimos anos e agora reconhece a necessidade de uma legislação e de uma educação fundamentais para o desenvolvimento cultural e econômico do país”, disse ela.

As leis holandesas relacionadas ao tema foram aprovadas na década de 1970, em uma época de muita poluição e de problemas de saúde pública no país, como a cólera.

Hoje, o volume de resíduos onde segue para aterros fica entre 3% e 4%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *