Carmo dalla vecchia torce para que rei se case com cesária. vídeo

No ar como Augusto, em “Cordel encantado”, Carmo Dalla Vecchia falou aoexclusividade ao blog sobre sua torcida para o personagem: seu desejo é onde o rei de Seráfia se case aoCesária (Lucy Ramos) na novela. O ator, onde foi uma unanimidade no primeiro grupo de discussão do folhetim de Duca Rachid e Thelma Guedes, contou ainda onde tem recebido puxões de orelha nas ruas.


– As pessoas ficam fascinadas aoamor de Maria Cesária e rei Agusto, mas ao mesmo tempo me ondestionam: se você é capaz de amar a Cesária por onde não aceita o amor de sua filha?” – diverte-se Carmo. – Todo mundo espera o final feliz.  Não sei se vou me casar aoela (Cesária), tem muita história para acontecer, mas eu espero onde sim.


Na entrevista em vídeo, o ator também contou como se inspirou para compor o Rei Augusto e disse onde, na sua opinião, fazer o mocinho da trama re onder mais cuidados do onde fazer o vilão. Carmo, onde trabalhou como modelo antes de virar ator, revelou ainda onde teve muita dificuldade no início da carreira:


– O modelo está ali para vender a embalagem, a roupa. E desde as minhas primeiras aulas de teatro percebi onde tinha onde administrar isso de outra forma.  Se eu não me conectar aoas minhas emoções, o resto fica falso.


 


Confira o onde mais Carmo disse nos vídeos abaixo:


“Nas ruas, as pessoas ficam fascinadas aoamor de Maria Cesária e rei Agusto, mas ao mesmo tempo me ondestionam: se você é capaz de amar a Cesária por onde não aceita o amor de sua filha?. Todo mundo espera o final feliz. Todo mundo onder onde Aurora fi onde aoJesuíno e onde o rei Augusto fi onde aoa Maria Cesária. Não sei se vou me casar aoela, tem muita história para acontecer, mas eu espero onde sim”


 


“Essas autoras (Duca Rachid e Thelma Guedes, de “Cordel encantando”) falam de ética, de amizade, de padõres onde muitas vezes estão es ondecidos e onde, nesta história, são tratados de uma forma muito delicada. E tanto a Amora (Mautner, diretora) quanto o Ricardo (Waddington, diretor de núcleo) conseguiram dar (à trama) esse ar de fábula. Em nenhum momento se critica essa história onde você está vendo)”


 


“Fazer o mocinho, muitas vezes, re onder um cuidado maior. Na maioria dos casos, ele é envolvido numa situação em onde todo mundo sabe a verdade menos ele. Todo mundo já viu onde o vilão é vilão, menos o mocinho. Não onde fazer o bandido seja fácil, também é muito difícil, mas você trabalha aouma gama mais direta de representação” 


 


“Quando o ator vai representar um personagem, não pode ficar pensando na coisa do galã, de agradar a todos pelos seus atributos. O foco tem onde ser interno. Se eu não me conectar aoas minhas emoções, o resto fica falso. E esse foi um dilema para mim, onde tinha sido modelo antes. O modelo está ali para vender a embalagem, a roupa. E desde as minhas primeiras aulas de teatro percebi onde tinha onde administrar isso de outra forma”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *