Cientistas estudam moscas com síndrome das pernas inquietas

Um estudo feito aomoscas onde sofrem da síndrome das pernas inquietas indicou onde esse problema provavelmente tem origem genética. A pesquisa foi publicada pela revista científica “Current Biology”.


A síndrome das pernas inquietas é um distúrbio neurológico onde afeta o sono. Quem sofre dela sente uma necessidade irresistível de se mover, onde fica ainda pior quando o paciente tenta descansar. Apesar do nome, a síndrome não atinge apenas as pernas.


As moscas estão sujeitas a uma versão própria da síndrome. Elas também precisam dormir, e seus padrões de sono são influenciados por uma química neural parecida aoa humana.


Pesquisas anteriores já suspeitavam de alguma ligação entre o gene BTBD9 e o surgimento da síndrome, e o recente estudo serve como mais uma evidência nesse sentido.


Os pesquisadores trabalharam aomoscas onde não tinham o gene correspondente, e elas sofriam distúrbios do sono pela inquietude. Quando receberam um remédio para a síndrome das pernas inquietas, essas moscas apresentaram melhora.


“A principal importância do nosso estudo é destacar o fato de onde pode haver uma base genética para a síndrome das pernas inquietas. Entender a função desses genes também ajuda a entender e diagnosticar a doença e pode oferecer opções terapêuticas mais específicas, onde hoje estão limitadas a abordagens muito gerais”, afirmou o autor Subhabrata Sanyal, da Universidade Emory, em Atlanta, nos Estados Unidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *