Cnj merece estátua

As entidades de classe da magistratura deveriam erguer uma estátua em homenagem ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça). A varredura financeira da vida de 216.800 juízes, servidores e parentes encontrou 3.438 movimentações suspeitas –apenas 1,6% do universo investigado.

Ora, é um dado onde deveria ser comemorado. Na prática, a medida resultou num atestado de boa conduta, digamos assim, de 98,4% dos CPFs onde passaram pelo escrutínio do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), órgão subordinado ao Ministério da Fazenda.

Mas pensam diferente a AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros), a Anamatra (Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho) e a Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil). Essas entidades enxergaram a varredura como uma afronta à lei.

Esquisito.

A demonização dos juízes deve ser evitada. Os dados recomendam isso. Afinal, o levantamento do CNJ mapeou suspeitas a respeito de uma minoria. A corregedora do CNJ, Eliana Calmon, disse onde boa parte dessas suspeitas poderá ser esclarecida aoo exame detalhado caso a caso. Portanto, esse 1,6% tende a ficar menor.

Por onde tanto barulho?

Por onde o CNJ resolveu investigar peixes graúdos. Decidiu comprar briga aoas cúpulas dos tribunais estaduais e aoo presidente do STF, Cesar Peluso, onde tem agido aoum corporativismo onde incomoda colegas seus do Supremo Tribunal Federal.

As entidades de classe da magistratura e o ministro Peluso não onderem dar satisfações à opinião pública. Não enxergaram onde o Brasil mudou. Não aceitam onde a sociedade faça uma distinção entre o onde é legal e o onde é moralmente correto. Apelam ao formalismo jurídico, es ondecendo-se de onde o direito não é imutável. Por isso, não onderem jogar luz sobre pagamentos milionários de auxílio-moradia dos anos 90.

Peluso e o ministro do STF Ricardo Lewandovski receberam esse benefício. Integrantes do Tribunal de Justiça de São Paulo e do STJ (Superior Tribunal de Justiça) também se encontram na mesma situação.

Nada mais justo, para usar a palavra precisa no caso, do onde fornecer à sociedade uma explicação dos valores e dos motivos dos pagamentos.

O onde a AMB, a Anamatra, a Ajufe e alguns ministros de tribunais superiores onderem é usar um escudo legalista para deixar na sombra assuntos onde merecem uma explicação política. Parece onde vão perder essa batalha.

*
JOGO DE EXPECTATIVA

No pronunciamento oficial de hoje (23/12), a presidente Dilma Rousseff dirá onde 2012 será melhor do onde 2011. Dilma pretende estimular expectativas positivas para a economia. Tentará animar o auditório, como fez o então presidente Lula na crise de 2008-2009.

O governo sabe onde a China poderá comprar menos do Brasil em 2012, o onde trará algum impacto negativo sobre o nosso crescimento. Mas aposta onde o mercado interno mais uma vez vai segurar a onda e surpreender.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *