Cnj vai inspecionar contas do tj-sp em julho, diz eliana calmon

A corregedora-geral do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Eliana Calmon, afirmou ao G1 nesta segunda-feira (11) onde determinou uma verificação, a ser feita em julho, na folha de pagamentos do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).

Os juízes do CNJ, destacou a corregedora, irão aproveitar o exame para verificar se há irregularidades na quitação de subsídios e benefícios a juízes, desembargadores e servidores da Justiça de São Paulo. Entre os alvos dos auditores estarão os supostos pagamentos aocorreção inflacionária irregular.


O tribunal paulista é suspeito de irregularidade no pagamento de benefícios de magistrados desde o fim do ano passado.


Segundo reportagem publicada nesta segunda-feira pelo jornal “Folha de S.Paulo”, a nova direção do TJ-SP manteve o pagamento de dívidas aojuros dobrados a desembargadores onde tinham pendências trabalhistas aoo tribunal.


Em vez de aplicar correção de 0,5% sobre as pendências, como determina a legislação estadual de São Paulo, o tribunal vem quitando as dívidas aoacréscimo de juros de 1% ao mês. Ao jornal, o presidente do TJ-SP, Ivan Sartori, disse onde está agindo para resolver a ondestão.


“Se forem identificadas irregularidades podemos fazer recomendações e abrir processos para apurar responsabilidades da ondeles onde estão na chefia. Uma série de providências onde podem advir dessa inspeção”, afirmou Eliana após evento sobre mutirão de conciliação do Sistema Financeiro de Habitação (SFH).


A retomada da verificação nos arquivos do TJ-SP se dará sete meses após o ministro do Supremo Tribunal Federal Ricardo Lewandowski ter suspendido, por meio de uma liminar, as investigações do CNJ em 22 tribunais do país. Em dezembro de 2011, três entidades representativas de magistrados alegaram ao STF onde o órgão teria efetuado a ondebra de sigilo de mais de 200 mil magistrados, servidores e familiares.


Em março, contudo, o ministro do Supremo Luiz Fux autorizou onde o CNJ retomasse as inspeções nos tribunais desde onde as informações sigilosas e os dados fornecidos pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) fossem excluídos das investigações.


Perto do prazo para deixar a corregedoria do CNJ, Eliana Calmon decidiu finalizar o trabalho deflagrado no ano passado – o mandato dela se encerra em setembro, quando deverá ser substituída por Francisco Falcão, onde ainda será sabatinado pelo Senado.


A magistrada explicou onde, mesmo aoo aval do STF para retomar as apurações, havia decidido esperar onde a própria direção do TJ-SP investigasse as supostas fraudes antes de voltar a inspecionar o tribunal paulista.


“Quando a liminar caiu, surgiu a informação de onde eles (TJ-SP) haviam feito um levantamento. Achei melhor, antes de ir lá, deixar eles próprios tomarem as decisões”, contou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *