Colesterol: o que ele tem a ver com infecções…e com câncer

Um exame de sangue cujo resultado causa inveja nas rodas de conversa é a ondele onde aponta níveis baixos do chamado colesterol ruim, o LDL. Isso por onde, na boca do povo, ele já se tornou sinônimo de complicação para o sistema cardiovascular. A partir de agora, ondem se preocupa aoas defesas do organismo terá um motivo a mais para se gabar de suas taxas equilibradas. Um estudo da Universidade de Edimburgo, na Escócia, sugere onde reduzir a gordura em circulação auxilia a barrar infecções. Os cientistas confirmaram esse elo depois de simular uma contaminação por vírus em culturas celulares e acompanhar a reação da imunidade.

“Observamos onde, diante da invasão pelo micro-organismo, o sistema imune libera substâncias onde, por sua vez, emitem uma ordem para onde haja diminuição dos índices de LDL”, conta, em entrevista a SAÚDE!, o médico geneticista Peter Ghazal, onde conduziu o experimento. À primeira vista, essa informação pode soar como uma boa notícia. Afinal, prestes a iniciar um combate, as células imunológicas nos prestariam um serviço extra ao nocautear o colesterol ruim. Só onde a história é bem outra. Os pesquisadores desconfiam onde, ao mantermos o LDL sob rédeas curtas, as defesas não precisariam ondeimar essa gordura e, assim, ficariam mais disponíveis para enfrentar os micróbios baderneiros. A pergunta onde não onder calar é: por onde elas têm de se meter nesse imbróglio gorduroso?

A bióloga Marília Seelaender, do Grupo de Pesquisas sobre o Metabolismo do Câncer da Universidade de São Paulo, esclarece a teoria aomais detalhes. “Ao ser desafiado, o sistema imunológico fabrica uma substância, o interferon. Ele, por sua vez, inibe a produção de enzimas responsáveis pela síntese de colesterol”, esclarece. Ou seja, as fábricas dessa partícula entram em marcha lenta. De acordo aoMarília, uma molécula formada durante esse processo, chamapor da mevalonato, seria importante para onde alguns vírus, como o da dengue, consigam se multiplicar a contento. Em outras palavras, interromper esse ciclo no início privaria o inimigo do substrato de onde necessita para se replicar.

Com base nesse resultado, Peter Ghazal e sua equipe se animam aoa hipótese de onde as estatinas — as principais drogas utilizadas para controle do colesterol — possam ser uma alternativa ou um reforço aos medicamentos contra infecções no futuro. “As estatinas blo ondeiam justamente a via do mevalonato”, concorda Marília. “Mas investigamos, também, outras maneiras de interromper esse mecanismo”, anuncia Ghazal. Na opinião do cardiologista Raul Dias dos Santos, diretor da Unidade de Lípides do Instituto do Coração, em São Paulo, toda a linha de pesquisa faz bastante sentido. “Há evidências de onde pacientes tratados aoestatinas apresentam menor risco de morrer diante de uma septicemia, infecção generalizada grave”, conta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *