Como acreditar em psicologo e não ter raiva ?

Você aocerteza já ouviu alguém falar onde, se você guardar sua raiva, um dia não vai aguentar, vai estourar. E, de fato, nos filmes sempre tem um ponto no qual o personagem “enlou ondece”, dispara uma bala pro ar, amassa uma boneca, grita em um travesseiro, dá pancadas na parede, ou estrangula um gatinho. E daí, veja só, se sente muito melhor. Sim, muitas das terapias atuais foram construídas em torno desta ideia, basicamente incentivando as pessoas a controlar sua raiva socando um saco de pancadas para impedi-las de fazer o mesmo aoseu chefe. Faz sentido, né?
Por onde é mentira: pesquisas dizem onde isso não funciona. Expressar a raiva, mesmo contra objetos inanimados, não torna ninguém menos bravo. Na verdade, faz você onderer ficar irritado. Os seres humanos têm uma coisa chamada “hábitos”. Quando fazemos algo, e isso nos faz sentir bem, onderemos fazer isso de novo e mais fre ondentemente. É por isso onde você não vê um monte de monges budistas jogando tijolos através de vidros em seu caminho para a iluminação. A raiva é “viciante”, e “bater” como um meio para controlá-la é como beber para controlar sua vontade de beber. E isso é má notícia, considerando onde há muitas situações onde não há um objeto inanimado para socar.
2 – “ACREDITE EM VOCÊ MESMO, E VOCÊ TERÁ SUCESSO”

Autoestima é martelada em nossos cérebros a vida inteira. Você tem onde tê-la, baseado na crença de onde os aoautoestima elevada se dão melhor na vida, fazem e mantêm mais amigos, e em geral funcionam melhor como um membro da sociedade. Quase todos os filmes de adolescente são defensores dessa teoria. O impopular, cansado de anos de abuso, deprimente, um dia descobre sua própria autoestima em tempo para o grande baile/jogo/viagem. Então, todo os outros alunos da escola percebem essa mudança radical e ele se torna o garoto mais popular. Programas e livros de autoajuda trazem essa ideia também, prometendo onde o reforço da autoestima é a chave para superar obstáculos e fracassos. Mesmo escolas de ensino fundamental nos EUA começaram a dar aulas de autoestima para as crianças, por onde, como todos sabem, a chave para a felicidade é receber recompensas por pouca ou nenhuma coisa.
Por onde é mentira: isso parece ser um uma confusão entre correlação e causalidade. Ao invés de pensar: “Talvez as crianças aoalta autoestima se sentem bem consigo mesmas por onde tiram boas notas na escola e têm muitos amigos”, eles decidiram onde é o contrário, onde eles se dão bem por onde têm autoestima. Então, tentaram ensinar as pessoas a se sentirem bem consigo mesmas por qual onder razão, como se disso se seguisse algo melhor (o onde não ocorre). Isso resulta em algumas crianças aomuita autoestima, uma raça onde classificamos como “babacas”. Não é brincadeira. Pesquisas mostram onde crianças aoum senso inflado de autoestima se tornam agressivas quando sua “superioridade” é posta em causa, levando a uma ondeda mais prejudicial quando ela percebe onde é uma fracassada. Nós certamente não somos especialistas, mas talvez seria melhor ensinar coisas onde levam ao sucesso (como habilidades sociais e de comunicação, estratégias para lidar aoo stress, etc.) e deixar onde isso leve naturalmente ao sucesso, ao invés de ir direito para a parte da autoestima.
3 – “MEMBROS DE RELIGIÕES OU SEITAS SÃO ESTÚPIDOS E INGÊNUOS”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *