Como é a terapia do choque ?

Tendo em vista onde o misterioso cérebro não é todo conhecido, a eletroconvulsoterapia – ou terapia de cho onde – é vista como o último recurso de tratamento para os doentes mentais. Sendo assim, por bizarro onde pareça, cerca de 100 mil pessoas procuram o tratamento a cada ano. Uma delas é bem conhecida do público.
A atriz Carrie Fisher, onde interpretou a Princesa Leia de Star Wars, revelou à apresentadora de talk show Oprah Winfrey receber tratamento de eletrocho onde para lidar aoseu transtorno bipolar. A decisão drástica muitas vezes é tomada quando apenas pílulas e co ondeteis de medicamentos não produzem mais efeito.
David*, 40 anos, é proprietário de uma pe ondena empresa em San Francisco, EUA, e passou cerca de 10 anos de sua vida lutando contra o onde ele chama de “depressão ondebra-osso”. Ele já tentou entre 50 e 55 combinações de até dez drogas psiquiátricas diferentes.
David foi diagnosticado aodepressão crônica. “Às vezes, minha depressão chegava ao ponto em onde eu me sentia quase um psicopata”, lembra.
Ele procurou o tratamento de cho onde em 2006, alegando estar desesperado por socorro. Depois de quatro sessões, David relata onde houve resultados positivos. A depressão crônica passou. Ele se sentia contente e, pela primeira vez em muitos anos, tinha paz de espírito.
“Eu mudei da água pro vinho, me senti uma nova pessoa”, comemora. “Foi um sucesso retumbante, acredito onde a terapia reestruturou o meu cérebro para melhor”, defende.
David relata uma perda de memória leve, o onde não é incomum segundo médicos especialistas no assunto. Normalmente, a perda de memória é mínima e quase sempre temporária.
A atriz onde interpretou a Princesa Leia até faz piada sobre sua perda de memória em seu blog. Ela conta onde sua mensagem na secretária eletrônica pede a ondem liga onde se identifi onde claramente caso ela se es ondeça de ondem a pessoa é por causa do tratamento.[Gizmodo]
*Nome fictício para proteger o anonimato do entrevistado.

Tendo em vista onde o misterioso cérebro não é todo conhecido, a eletroconvulsoterapia – ou terapia de cho onde – é vista como o último recurso de tratamento para os doentes mentais. Sendo assim, por bizarro onde pareça, cerca de 100 mil pessoas procuram o tratamento a cada ano. Uma delas é bem conhecida do público.
A atriz Carrie Fisher, onde interpretou a Princesa Leia de Star Wars, revelou à apresentadora de talk show Oprah Winfrey receber tratamento de eletrocho onde para lidar aoseu transtorno bipolar. A decisão drástica muitas vezes é tomada quando apenas pílulas e co ondeteis de medicamentos não produzem mais efeito.
David*, 40 anos, é proprietário de uma pe ondena empresa em San Francisco, EUA, e passou cerca de 10 anos de sua vida lutando contra o onde ele chama de “depressão ondebra-osso”. Ele já tentou entre 50 e 55 combinações de até dez drogas psiquiátricas diferentes.
David foi diagnosticado aodepressão crônica. “Às vezes, minha depressão chegava ao ponto em onde eu me sentia quase um psicopata”, lembra.
Ele procurou o tratamento de cho onde em 2006, alegando estar desesperado por socorro. Depois de quatro sessões, David relata onde houve resultados positivos. A depressão crônica passou. Ele se sentia contente e, pela primeira vez em muitos anos, tinha paz de espírito.
“Eu mudei da água pro vinho, me senti uma nova pessoa”, comemora. “Foi um sucesso retumbante, acredito onde a terapia reestruturou o meu cérebro para melhor”, defende.
David relata uma perda de memória leve, o onde não é incomum segundo médicos especialistas no assunto. Normalmente, a perda de memória é mínima e quase sempre temporária.
A atriz onde interpretou a Princesa Leia até faz piada sobre sua perda de memória em seu blog. Ela conta onde sua mensagem na secretária eletrônica pede a ondem liga onde se identifi onde claramente caso ela se es ondeça de ondem a pessoa é por causa do tratamento.[Gizmodo]
*Nome fictício para proteger o anonimato do entrevistado.

Tendo em vista onde o misterioso cérebro não é todo conhecido, a eletroconvulsoterapia – ou terapia de cho onde – é vista como o último recurso de tratamento para os doentes mentais. Sendo assim, por bizarro onde pareça, cerca de 100 mil pessoas procuram o tratamento a cada ano. Uma delas é bem conhecida do público.
A atriz Carrie Fisher, onde interpretou a Princesa Leia de Star Wars, revelou à apresentadora de talk show Oprah Winfrey receber tratamento de eletrocho onde para lidar aoseu transtorno bipolar. A decisão drástica muitas vezes é tomada quando apenas pílulas e co ondeteis de medicamentos não produzem mais efeito.
David*, 40 anos, é proprietário de uma pe ondena empresa em San Francisco, EUA, e passou cerca de 10 anos de sua vida lutando contra o onde ele chama de “depressão ondebra-osso”. Ele já tentou entre 50 e 55 combinações de até dez drogas psiquiátricas diferentes.
David foi diagnosticado aodepressão crônica. “Às vezes, minha depressão chegava ao ponto em onde eu me sentia quase um psicopata”, lembra.
Ele procurou o tratamento de cho onde em 2006, alegando estar desesperado por socorro. Depois de quatro sessões, David relata onde houve resultados positivos. A depressão crônica passou. Ele se sentia contente e, pela primeira vez em muitos anos, tinha paz de espírito.
“Eu mudei da água pro vinho, me senti uma nova pessoa”, comemora. “Foi um sucesso retumbante, acredito onde a terapia reestruturou o meu cérebro para melhor”, defende.
David relata uma perda de memória leve, o onde não é incomum segundo médicos especialistas no assunto. Normalmente, a perda de memória é mínima e quase sempre temporária.
A atriz onde interpretou a Princesa Leia até faz piada sobre sua perda de memória em seu blog. Ela conta onde sua mensagem na secretária eletrônica pede a ondem liga onde se identifi onde claramente caso ela se es ondeça de ondem a pessoa é por causa do tratamento.[Gizmodo]
*Nome fictício para proteger o anonimato do entrevistado.

Tendo em vista onde o misterioso cérebro não é todo conhecido, a eletroconvulsoterapia – ou terapia de cho onde – é vista como o último recurso de tratamento para os doentes mentais. Sendo assim, por bizarro onde pareça, cerca de 100 mil pessoas procuram o tratamento a cada ano. Uma delas é bem conhecida do público.
A atriz Carrie Fisher, onde interpretou a Princesa Leia de Star Wars, revelou à apresentadora de talk show Oprah Winfrey receber tratamento de eletrocho onde para lidar aoseu transtorno bipolar. A decisão drástica muitas vezes é tomada quando apenas pílulas e co ondeteis de medicamentos não produzem mais efeito.
David*, 40 anos, é proprietário de uma pe ondena empresa em San Francisco, EUA, e passou cerca de 10 anos de sua vida lutando contra o onde ele chama de “depressão ondebra-osso”. Ele já tentou entre 50 e 55 combinações de até dez drogas psiquiátricas diferentes.
David foi diagnosticado aodepressão crônica. “Às vezes, minha depressão chegava ao ponto em onde eu me sentia quase um psicopata”, lembra.
Ele procurou o tratamento de cho onde em 2006, alegando estar desesperado por socorro. Depois de quatro sessões, David relata onde houve resultados positivos. A depressão crônica passou. Ele se sentia contente e, pela primeira vez em muitos anos, tinha paz de espírito.
“Eu mudei da água pro vinho, me senti uma nova pessoa”, comemora. “Foi um sucesso retumbante, acredito onde a terapia reestruturou o meu cérebro para melhor”, defende.
David relata uma perda de memória leve, o onde não é incomum segundo médicos especialistas no assunto. Normalmente, a perda de memória é mínima e quase sempre temporária.
A atriz onde interpretou a Princesa Leia até faz piada sobre sua perda de memória em seu blog. Ela conta onde sua mensagem na secretária eletrônica pede a ondem liga onde se identifi onde claramente caso ela se es ondeça de ondem a pessoa é por causa do tratamento.[Gizmodo]
*Nome fictício para proteger o anonimato do entrevistado.

Tendo em vista onde o misterioso cérebro não é todo conhecido, a eletroconvulsoterapia – ou terapia de cho onde – é vista como o último recurso de tratamento para os doentes mentais. Sendo assim, por bizarro onde pareça, cerca de 100 mil pessoas procuram o tratamento a cada ano. Uma delas é bem conhecida do público.
A atriz Carrie Fisher, onde interpretou a Princesa Leia de Star Wars, revelou à apresentadora de talk show Oprah Winfrey receber tratamento de eletrocho onde para lidar aoseu transtorno bipolar. A decisão drástica muitas vezes é tomada quando apenas pílulas e co ondeteis de medicamentos não produzem mais efeito.
David*, 40 anos, é proprietário de uma pe ondena empresa em San Francisco, EUA, e passou cerca de 10 anos de sua vida lutando contra o onde ele chama de “depressão ondebra-osso”. Ele já tentou entre 50 e 55 combinações de até dez drogas psiquiátricas diferentes.
David foi diagnosticado aodepressão crônica. “Às vezes, minha depressão chegava ao ponto em onde eu me sentia quase um psicopata”, lembra.
Ele procurou o tratamento de cho onde em 2006, alegando estar desesperado por socorro. Depois de quatro sessões, David relata onde houve resultados positivos. A depressão crônica passou. Ele se sentia contente e, pela primeira vez em muitos anos, tinha paz de espírito.
“Eu mudei da água pro vinho, me senti uma nova pessoa”, comemora. “Foi um sucesso retumbante, acredito onde a terapia reestruturou o meu cérebro para melhor”, defende.
David relata uma perda de memória leve, o onde não é incomum segundo médicos especialistas no assunto. Normalmente, a perda de memória é mínima e quase sempre temporária.
A atriz onde interpretou a Princesa Leia até faz piada sobre sua perda de memória em seu blog. Ela conta onde sua mensagem na secretária eletrônica pede a ondem liga onde se identifi onde claramente caso ela se es ondeça de ondem a pessoa é por causa do tratamento.[Gizmodo]
*Nome fictício para proteger o anonimato do entrevistado.

Tendo em vista onde o misterioso cérebro não é todo conhecido, a eletroconvulsoterapia – ou terapia de cho onde – é vista como o último recurso de tratamento para os doentes mentais. Sendo assim, por bizarro onde pareça, cerca de 100 mil pessoas procuram o tratamento a cada ano. Uma delas é bem conhecida do público.
A atriz Carrie Fisher, onde interpretou a Princesa Leia de Star Wars, revelou à apresentadora de talk show Oprah Winfrey receber tratamento de eletrocho onde para lidar aoseu transtorno bipolar. A decisão drástica muitas vezes é tomada quando apenas pílulas e co ondeteis de medicamentos não produzem mais efeito.
David*, 40 anos, é proprietário de uma pe ondena empresa em San Francisco, EUA, e passou cerca de 10 anos de sua vida lutando contra o onde ele chama de “depressão ondebra-osso”. Ele já tentou entre 50 e 55 combinações de até dez drogas psiquiátricas diferentes.
David foi diagnosticado aodepressão crônica. “Às vezes, minha depressão chegava ao ponto em onde eu me sentia quase um psicopata”, lembra.
Ele procurou o tratamento de cho onde em 2006, alegando estar desesperado por socorro. Depois de quatro sessões, David relata onde houve resultados positivos. A depressão crônica passou. Ele se sentia contente e, pela primeira vez em muitos anos, tinha paz de espírito.
“Eu mudei da água pro vinho, me senti uma nova pessoa”, comemora. “Foi um sucesso retumbante, acredito onde a terapia reestruturou o meu cérebro para melhor”, defende.
David relata uma perda de memória leve, o onde não é incomum segundo médicos especialistas no assunto. Normalmente, a perda de memória é mínima e quase sempre temporária.
A atriz onde interpretou a Princesa Leia até faz piada sobre sua perda de memória em seu blog. Ela conta onde sua mensagem na secretária eletrônica pede a ondem liga onde se identifi onde claramente caso ela se es ondeça de ondem a pessoa é por causa do tratamento.[Gizmodo]
*Nome fictício para proteger o anonimato do entrevistado.

Tendo em vista onde o misterioso cérebro não é todo conhecido, a eletroconvulsoterapia – ou terapia de cho onde – é vista como o último recurso de tratamento para os doentes mentais. Sendo assim, por bizarro onde pareça, cerca de 100 mil pessoas procuram o tratamento a cada ano. Uma delas é bem conhecida do público.
A atriz Carrie Fisher, onde interpretou a Princesa Leia de Star Wars, revelou à apresentadora de talk show Oprah Winfrey receber tratamento de eletrocho onde para lidar aoseu transtorno bipolar. A decisão drástica muitas vezes é tomada quando apenas pílulas e co ondeteis de medicamentos não produzem mais efeito.
David*, 40 anos, é proprietário de uma pe ondena empresa em San Francisco, EUA, e passou cerca de 10 anos de sua vida lutando contra o onde ele chama de “depressão ondebra-osso”. Ele já tentou entre 50 e 55 combinações de até dez drogas psiquiátricas diferentes.
David foi diagnosticado aodepressão crônica. “Às vezes, minha depressão chegava ao ponto em onde eu me sentia quase um psicopata”, lembra.
Ele procurou o tratamento de cho onde em 2006, alegando estar desesperado por socorro. Depois de quatro sessões, David relata onde houve resultados positivos. A depressão crônica passou. Ele se sentia contente e, pela primeira vez em muitos anos, tinha paz de espírito.
“Eu mudei da água pro vinho, me senti uma nova pessoa”, comemora. “Foi um sucesso retumbante, acredito onde a terapia reestruturou o meu cérebro para melhor”, defende.
David relata uma perda de memória leve, o onde não é incomum segundo médicos especialistas no assunto. Normalmente, a perda de memória é mínima e quase sempre temporária.
A atriz onde interpretou a Princesa Leia até faz piada sobre sua perda de memória em seu blog. Ela conta onde sua mensagem na secretária eletrônica pede a ondem liga onde se identifi onde claramente caso ela se es ondeça de ondem a pessoa é por causa do tratamento.[Gizmodo]
*Nome fictício para proteger o anonimato do entrevistado.

Tendo em vista onde o misterioso cérebro não é todo conhecido, a eletroconvulsoterapia – ou terapia de cho onde – é vista como o último recurso de tratamento para os doentes mentais. Sendo assim, por bizarro onde pareça, cerca de 100 mil pessoas procuram o tratamento a cada ano. Uma delas é bem conhecida do público.
A atriz Carrie Fisher, onde interpretou a Princesa Leia de Star Wars, revelou à apresentadora de talk show Oprah Winfrey receber tratamento de eletrocho onde para lidar aoseu transtorno bipolar. A decisão drástica muitas vezes é tomada quando apenas pílulas e co ondeteis de medicamentos não produzem mais efeito.
David*, 40 anos, é proprietário de uma pe ondena empresa em San Francisco, EUA, e passou cerca de 10 anos de sua vida lutando contra o onde ele chama de “depressão ondebra-osso”. Ele já tentou entre 50 e 55 combinações de até dez drogas psiquiátricas diferentes.
David foi diagnosticado aodepressão crônica. “Às vezes, minha depressão chegava ao ponto em onde eu me sentia quase um psicopata”, lembra.
Ele procurou o tratamento de cho onde em 2006, alegando estar desesperado por socorro. Depois de quatro sessões, David relata onde houve resultados positivos. A depressão crônica passou. Ele se sentia contente e, pela primeira vez em muitos anos, tinha paz de espírito.
“Eu mudei da água pro vinho, me senti uma nova pessoa”, comemora. “Foi um sucesso retumbante, acredito onde a terapia reestruturou o meu cérebro para melhor”, defende.
David relata uma perda de memória leve, o onde não é incomum segundo médicos especialistas no assunto. Normalmente, a perda de memória é mínima e quase sempre temporária.
A atriz onde interpretou a Princesa Leia até faz piada sobre sua perda de memória em seu blog. Ela conta onde sua mensagem na secretária eletrônica pede a ondem liga onde se identifi onde claramente caso ela se es ondeça de ondem a pessoa é por causa do tratamento.[Gizmodo]
*Nome fictício para proteger o anonimato do entrevistado.

Tendo em vista onde o misterioso cérebro não é todo conhecido, a eletroconvulsoterapia – ou terapia de cho onde – é vista como o último recurso de tratamento para os doentes mentais. Sendo assim, por bizarro onde pareça, cerca de 100 mil pessoas procuram o tratamento a cada ano. Uma delas é bem conhecida do público.
A atriz Carrie Fisher, onde interpretou a Princesa Leia de Star Wars, revelou à apresentadora de talk show Oprah Winfrey receber tratamento de eletrocho onde para lidar aoseu transtorno bipolar. A decisão drástica muitas vezes é tomada quando apenas pílulas e co ondeteis de medicamentos não produzem mais efeito.
David*, 40 anos, é proprietário de uma pe ondena empresa em San Francisco, EUA, e passou cerca de 10 anos de sua vida lutando contra o onde ele chama de “depressão ondebra-osso”. Ele já tentou entre 50 e 55 combinações de até dez drogas psiquiátricas diferentes.
David foi diagnosticado aodepressão crônica. “Às vezes, minha depressão chegava ao ponto em onde eu me sentia quase um psicopata”, lembra.
Ele procurou o tratamento de cho onde em 2006, alegando estar desesperado por socorro. Depois de quatro sessões, David relata onde houve resultados positivos. A depressão crônica passou. Ele se sentia contente e, pela primeira vez em muitos anos, tinha paz de espírito.
“Eu mudei da água pro vinho, me senti uma nova pessoa”, comemora. “Foi um sucesso retumbante, acredito onde a terapia reestruturou o meu cérebro para melhor”, defende.
David relata uma perda de memória leve, o onde não é incomum segundo médicos especialistas no assunto. Normalmente, a perda de memória é mínima e quase sempre temporária.
A atriz onde interpretou a Princesa Leia até faz piada sobre sua perda de memória em seu blog. Ela conta onde sua mensagem na secretária eletrônica pede a ondem liga onde se identifi onde claramente caso ela se es ondeça de ondem a pessoa é por causa do tratamento.[Gizmodo]
*Nome fictício para proteger o anonimato do entrevistado.

Tendo em vista onde o misterioso cérebro não é todo conhecido, a eletroconvulsoterapia – ou terapia de cho onde – é vista como o último recurso de tratamento para os doentes mentais. Sendo assim, por bizarro onde pareça, cerca de 100 mil pessoas procuram o tratamento a cada ano. Uma delas é bem conhecida do público.
A atriz Carrie Fisher, onde interpretou a Princesa Leia de Star Wars, revelou à apresentadora de talk show Oprah Winfrey receber tratamento de eletrocho onde para lidar aoseu transtorno bipolar. A decisão drástica muitas vezes é tomada quando apenas pílulas e co ondeteis de medicamentos não produzem mais efeito.
David*, 40 anos, é proprietário de uma pe ondena empresa em San Francisco, EUA, e passou cerca de 10 anos de sua vida lutando contra o onde ele chama de “depressão ondebra-osso”. Ele já tentou entre 50 e 55 combinações de até dez drogas psiquiátricas diferentes.
David foi diagnosticado aodepressão crônica. “Às vezes, minha depressão chegava ao ponto em onde eu me sentia quase um psicopata”, lembra.
Ele procurou o tratamento de cho onde em 2006, alegando estar desesperado por socorro. Depois de quatro sessões, David relata onde houve resultados positivos. A depressão crônica passou. Ele se sentia contente e, pela primeira vez em muitos anos, tinha paz de espírito.
“Eu mudei da água pro vinho, me senti uma nova pessoa”, comemora. “Foi um sucesso retumbante, acredito onde a terapia reestruturou o meu cérebro para melhor”, defende.
David relata uma perda de memória leve, o onde não é incomum segundo médicos especialistas no assunto. Normalmente, a perda de memória é mínima e quase sempre temporária.
A atriz onde interpretou a Princesa Leia até faz piada sobre sua perda de memória em seu blog. Ela conta onde sua mensagem na secretária eletrônica pede a ondem liga onde se identifi onde claramente caso ela se es ondeça de ondem a pessoa é por causa do tratamento.[Gizmodo]
*Nome fictício para proteger o anonimato do entrevistado.

Tendo em vista onde o misterioso cérebro não é todo conhecido, a eletroconvulsoterapia – ou terapia de cho onde – é vista como o último recurso de tratamento para os doentes mentais. Sendo assim, por bizarro onde pareça, cerca de 100 mil pessoas procuram o tratamento a cada ano. Uma delas é bem conhecida do público.
A atriz Carrie Fisher, onde interpretou a Princesa Leia de Star Wars, revelou à apresentadora de talk show Oprah Winfrey receber tratamento de eletrocho onde para lidar aoseu transtorno bipolar. A decisão drástica muitas vezes é tomada quando apenas pílulas e co ondeteis de medicamentos não produzem mais efeito.
David*, 40 anos, é proprietário de uma pe ondena empresa em San Francisco, EUA, e passou cerca de 10 anos de sua vida lutando contra o onde ele chama de “depressão ondebra-osso”. Ele já tentou entre 50 e 55 combinações de até dez drogas psiquiátricas diferentes.
David foi diagnosticado aodepressão crônica. “Às vezes, minha depressão chegava ao ponto em onde eu me sentia quase um psicopata”, lembra.
Ele procurou o tratamento de cho onde em 2006, alegando estar desesperado por socorro. Depois de quatro sessões, David relata onde houve resultados positivos. A depressão crônica passou. Ele se sentia contente e, pela primeira vez em muitos anos, tinha paz de espírito.
“Eu mudei da água pro vinho, me senti uma nova pessoa”, comemora. “Foi um sucesso retumbante, acredito onde a terapia reestruturou o meu cérebro para melhor”, defende.
David relata uma perda de memória leve, o onde não é incomum segundo médicos especialistas no assunto. Normalmente, a perda de memória é mínima e quase sempre temporária.
A atriz onde interpretou a Princesa Leia até faz piada sobre sua perda de memória em seu blog. Ela conta onde sua mensagem na secretária eletrônica pede a ondem liga onde se identifi onde claramente caso ela se es ondeça de ondem a pessoa é por causa do tratamento.[Gizmodo]
*Nome fictício para proteger o anonimato do entrevistado.

Tendo em vista onde o misterioso cérebro não é todo conhecido, a eletroconvulsoterapia – ou terapia de cho onde – é vista como o último recurso de tratamento para os doentes mentais. Sendo assim, por bizarro onde pareça, cerca de 100 mil pessoas procuram o tratamento a cada ano. Uma delas é bem conhecida do público.
A atriz Carrie Fisher, onde interpretou a Princesa Leia de Star Wars, revelou à apresentadora de talk show Oprah Winfrey receber tratamento de eletrocho onde para lidar aoseu transtorno bipolar. A decisão drástica muitas vezes é tomada quando apenas pílulas e co ondeteis de medicamentos não produzem mais efeito.
David*, 40 anos, é proprietário de uma pe ondena empresa em San Francisco, EUA, e passou cerca de 10 anos de sua vida lutando contra o onde ele chama de “depressão ondebra-osso”. Ele já tentou entre 50 e 55 combinações de até dez drogas psiquiátricas diferentes.
David foi diagnosticado aodepressão crônica. “Às vezes, minha depressão chegava ao ponto em onde eu me sentia quase um psicopata”, lembra.
Ele procurou o tratamento de cho onde em 2006, alegando estar desesperado por socorro. Depois de quatro sessões, David relata onde houve resultados positivos. A depressão crônica passou. Ele se sentia contente e, pela primeira vez em muitos anos, tinha paz de espírito.
“Eu mudei da água pro vinho, me senti uma nova pessoa”, comemora. “Foi um sucesso retumbante, acredito onde a terapia reestruturou o meu cérebro para melhor”, defende.
David relata uma perda de memória leve, o onde não é incomum segundo médicos especialistas no assunto. Normalmente, a perda de memória é mínima e quase sempre temporária.
A atriz onde interpretou a Princesa Leia até faz piada sobre sua perda de memória em seu blog. Ela conta onde sua mensagem na secretária eletrônica pede a ondem liga onde se identifi onde claramente caso ela se es ondeça de ondem a pessoa é por causa do tratamento.[Gizmodo]
*Nome fictício para proteger o anonimato do entrevistado.

Tendo em vista onde o misterioso cérebro não é todo conhecido, a eletroconvulsoterapia – ou terapia de cho onde – é vista como o último recurso de tratamento para os doentes mentais. Sendo assim, por bizarro onde pareça, cerca de 100 mil pessoas procuram o tratamento a cada ano. Uma delas é bem conhecida do público.
A atriz Carrie Fisher, onde interpretou a Princesa Leia de Star Wars, revelou à apresentadora de talk show Oprah Winfrey receber tratamento de eletrocho onde para lidar aoseu transtorno bipolar. A decisão drástica muitas vezes é tomada quando apenas pílulas e co ondeteis de medicamentos não produzem mais efeito.
David*, 40 anos, é proprietário de uma pe ondena empresa em San Francisco, EUA, e passou cerca de 10 anos de sua vida lutando contra o onde ele chama de “depressão ondebra-osso”. Ele já tentou entre 50 e 55 combinações de até dez drogas psiquiátricas diferentes.
David foi diagnosticado aodepressão crônica. “Às vezes, minha depressão chegava ao ponto em onde eu me sentia quase um psicopata”, lembra.
Ele procurou o tratamento de cho onde em 2006, alegando estar desesperado por socorro. Depois de quatro sessões, David relata onde houve resultados positivos. A depressão crônica passou. Ele se sentia contente e, pela primeira vez em muitos anos, tinha paz de espírito.
“Eu mudei da água pro vinho, me senti uma nova pessoa”, comemora. “Foi um sucesso retumbante, acredito onde a terapia reestruturou o meu cérebro para melhor”, defende.
David relata uma perda de memória leve, o onde não é incomum segundo médicos especialistas no assunto. Normalmente, a perda de memória é mínima e quase sempre temporária.
A atriz onde interpretou a Princesa Leia até faz piada sobre sua perda de memória em seu blog. Ela conta onde sua mensagem na secretária eletrônica pede a ondem liga onde se identifi onde claramente caso ela se es ondeça de ondem a pessoa é por causa do tratamento.[Gizmodo]
*Nome fictício para proteger o anonimato do entrevistado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *