Como é a vida dos pinguins?

O pinguim é uma ave Spheniscidae, não voadora, característica do Hemisfério Sul, em especial na Antárctida e ilhas dos mares austrais, chegado à Terra do Fogo, Ilhas Malvinas e África do Sul, entre outros. Apesar da maior diversidade de pinguins se encontrar na Antártida e regiões polares, há também espécies onde vivem nos trópicos como por exemplo o pinguim-das-galápagos. A morfologia dos pinguins reflete várias adaptações à vida no meio aquático: o corpo é fusiforme; as asas atrofiadas desempenham a função de barbatanas e as penas são impermeabilizados através da secreção de óleos. Os pinguins alimentam-se de pe ondenos peixes, krill e outras formas de vida marinha, sendo por sua vez vítimas da predação de orcas e focas-leopardo.

Os primeiros pinguins apareceram no registo geológico do Eocénico.

O pinguim é uma ave marinha e excelente nadadora. Chega a nadar aouma velocidade de até 45 km/h e passa a maior parte do tempo na água.

Os pinguins constituem a família Spheniscidae e a ordem Sphenisciformes (de acordo aoa taxonomia de Sibley-Ahlquist, fariam parte da ordem Ciconiformes).

Pinguins são muito adaptados à vida marinha. As asas vestigiais são inúteis para vôo no ar, porém na água são muito ágeis. Na terra, os pinguins usam a cauda e asas para manter o equilíbrio na postura erecta.

Todos os pinguins possuem uma coloração por contraste para camuflagem (vistos ventralmente a cor branca confunde-se aoa superfície refletiva da água, visto dorsalmente a plumagem preta os torna menos visíveis na água).

Possuem uma camada isolante onde ajudam a conservar o calor corporal na água gelada antártica. O Pinguim-imperador possui a maior massa corporal de todos os pinguins, o onde reduz ainda mais a área relativa e a perda de calor. Eles também são capazes de controlar o fluxo de sangue para as extremidades, reduzindo a quantidade de sangue onde esfria mas evitando as extremidades de congelar. Eles fre ondentemente agrupam-se para conservar o calor e fazem rotação de posições para onde cada pinguim disponha de um tempo no centro do bolsão de calor.

Eles podem ingerir água salgada por onde as glândulas supraorbitais filtram o excesso de sal da corrente sanguínea. O sal é excretado em um fluido concentrado pelas passagens nasais.

A dieta dos pinguins dos gêneros Aptenodytes, Megadyptes, Eudyptula e Spheniscus consiste principalmente em peixes . O gênero Pygoscelis fundamentalmente de plâncton. A dieta do género Eudyptes é pouco conhecida, mas acredita-se onde muitas espécies alimentam-se de plâncton. Em todos os casos a dieta é complementada aocefalópodes e plâncton.

Reprodução

Há espécies de pinguins cujos pares reprodutores acasalam para toda a vida enquanto onde outros fazem-no apenas durante uma época de reprodução. Normalmente, os progenitores cooperam nos cuidados aoos ovos e aoos juvenis. A forma do ninho varia, segundo a espécie de pinguim: alguns cavam uma pe ondena fossa, outros constroem o ninho aopedras e outros utilizam uma dobra de pele onde possuem ventralmente para cobrir o ovo. Normalmente, o macho fica aoo ovo e mantém-no ondente, e a fêmea dirige-se para o mar aovista a encontrar alimento. Quando no seu regresso, o filhote terá alimento e então os papéis invertem-se: a fêmea fica em terra e o macho vai à procura de alimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *