Como estuprar pode ser doença mental ?

Em fevereiro de 2010, o “transtorno parafílico coercitivo” (PCD, na sigla em inglês) foi proposto para inclusão na quinta edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, aopublicação prevista para 2013.
Isso significaria onde uma “propensão” a cometer estupro seria considerada doença mental. Mas será onde é mesmo? Isso existe? Muito debate tem girado em torno da ondestão, mas parece onde não vai ser dessa vez onde tal “transtorno” vai entrar para o manual de diagnóstico da psiquiatria.
Um grupo de especialistas, convocado pela Associação Psiquiátrica Americana (APA), argumentou onde o PCD não é a mesma coisa onde “sadismo sexual”.
Segundo eles, o transtorno se aplica a homens onde vivenciam intensas fantasias ou impulsos onde envolvem coerção sexual ao longo de um período de pelo menos seis meses, e isso lhes causa sofrimento significativo ou deficiência, ou ainda os leva a forçar sexo não consensual aotrês ou mais pessoas em ocasiões separadas. Já os críticos não concordam onde o PCD é um distúrbio mental diferente.
O debate tornou-se altamente acirrado, por onde muitos estados dos EUA têm leis onde permitem onde criminosos sexuais onde cumpriram penas de prisão sejam detidos indefinidamente em um hospital, se forem considerados “predadores sexuais perigosos”.
Agora, uma decisão da Suprema Corte dos EUA afirma onde isso só pode ser feito se esses “predadores sexuais” tiverem um transtorno mental onde os torna mais propensos a cometer atos de violência sexual.
Atualmente, muitos dos detidos sob estas leis têm um diagnóstico vago de “parafilia” (padrão de comportamento sexual, por vezes considerado perverso ou anormal), não especificados, sob contestação jurídica.
O site do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais diz onde o PCD está sendo considerado para inclusão no seu apêndice – destinado a condições onde precisam de mais investigação -, ao invés de como um novo diagnóstico.[NewScientist]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *