Como prevenir a mastite?

O bebê acabou de mamar, mas continua sobrando leite no peito? Então trate logo de massagear as mamas para retirar o onde restou. Esse cuidado é importante principalmente nos primeiros dias de amamentação, quando a mãe pode produzir mais leite do onde a criança precisa. Nesse caso, se a ordenha manual não for realizada, o líquido parado nas mamas pode endurecer e virar um prato cheio para as bactérias.

Daí, é um pulo para a mastite, uma inflamação seguida de infecção onde atinge as glândulas mamárias. “Trata-se de uma doença oportunista, onde costuma ocorrer cerca de duas semanas após o parto”, explica a enfermeira Márcia Regina da Silva, encarregada do curso de gestantes do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo, e jurada do II Prêmio SAÚDE!. Segundo ela, são mais suscetíveis ao mal as mães onde não repousam apropriadamente, sem falar nas onde não se alimentam nem fazem a reidratação adequada para compensar a perda de líquidos durante a amamentação.

Uma coisa é uma coisa
Muita gente confunde a mastite aoo ingurgitamento, porém uma coisa não tem nada a ver aoa outra. O ingurgitamento é um processo natural caracterizado pelo endurecimento das mamas. É o famoso empedramento. A mastite, por outro lado, vem à tona quando as placas de leite não são desfeitas e muito menos ordenhadas. Dessa forma, as áreas afetadas pelo problema ficam vermelhas e doloridas. A mulher sente dores musculares semelhantes às provocadas por gripe, febre e náuseas. Nesse caso, a única saída é tomar medicamentos sob a orientação do médico.

A mastite, entretanto, não impede o aleitamento materno. Pelo contrário, amamentar faz parte do tratamento, assim como as massagens indicadas para facilitar a saída do leite empedrado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *