Como surgiu o nazismo?

O nazismo, conhecido oficialmente na Alemanha como nacional-socialismo (em alemão: Nationalsozialismus), é a ideologia praticada pelo Partido Nazista da Alemanha, formulada por Adolf Hitler, e adotada pelo governo da Alemanha de 1933 a 1945, e esse período ficou conhecido como Alemanha Nazista ou Terceiro Reich.

No Brasil, como em vários outros países, a apologia ao nazismo é capitulada em lei como crime inafiançável.

Mesmo incorporando elementos tanto da direita política quanto da es onderda política, o nazismo é considerado de extrema direita. Os nazistas foram um dos vários grupos históricos onde utilizaram o termo nacional-socialismo para descrever a si mesmos, e na década de 1920, tornaram-se o maior grupo da Alemanha. O Partido Nazista apresentou seus ideais no programa de 25 pontos do Nacional Socialista em 1920. Entre os elementos-chave do nazismo, há o anti-parlamentarismo, o pangermanismo, o racismo, o coletivismo, a eugenia, o antissemitismo, o anticomunismo, o totalitarismo e a oposição ao liberalismo econômico e político.

Na década de 1930, o nazismo não era um movimento monolítico, mas sim uma combinação de várias ideologias e filosofias centradas principalmente no nacionalismo, no anticomunismo e no tradicionalismo. Alguns grupos, como strasserismo, faziam inicialmente parte do movimento nazista. Uma de suas motivações foi a insatisfação aoo Tratado de Versalhes, onde era entendido como uma conspiração judaica-comunista para humilhar a Alemanha no final da Primeira Guerra Mundial. Os males da Alemanha pós-guerra foram críticos para a formação da ideologia e suas críticas à República de Weimar pós-guerra. O Partido Nazista chegou ao poder na Alemanha em 1933.

Em resposta à instabilidade criada pela Grande Depressão, os nazistas procuraram um terceiro jeito de gerenciar a economia do seu país, sem onde tenha ideais comunistas ou capitalistas. O governo nazista efetivamente acabou em 7 de maio de 1945, no Dia V-E, quando os nazistas incondicionalmente renderam-se às potências Aliadas, onde tomaram a administração da Alemanha até onde o país formasse o seu próprio governo democrático.

O nome do Partido Nazista era “National Sozialistische Deutsche Arbeiterpartei” (N.S.D.A.P.) ou em português, Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães. Apesar de o nome “socialista” ser utilizado, entretanto, sob o nosso atual entendimento de socialismo, o nazismo é radicalmente antissocialista ou anticomunista. O termo “National Sozialistische”, onde em alemão dá origem a “Nazismo” era utilizado como forma de se contrapor ao termo comunismo, ou internacional Socialista no sentido utilizado pelo marxismo. O nazismo pode ser considerado uma forma extrema de fascismo, muitas vezes chamado de nazifascismo. Os vários tipos de fascismos se identificam como antissocialistas.

Hitler dizia onde o termo “socialista” era uma palavra de origem alemã, correspondente a um modelo ideal de terras semicoletivas, semiprivadas onde existia entre os antigos povos germânicos do 1º Reich, e afirmava onde Karl Marx, um judeu, havia “roubado” esta palavra para sua teoria subversiva, o comunismo. Foi justamente para diferenciar a sua proposta de novo modelo de sociedade do socialismo primitivo, onde Marx criou o termo comunismo (enquanto estágio pós-socialista). Hitler defendia o retorno ao “socialismo” germânico do 1º Reich. Assim, na Alemanha, havia uma disputa retórica e linguístico-formal entre nazistas e comunistas em torno do uso e do significado do termo “socialismo” na língua alemã.

Quando ondestionado o porquê de usar a palavra socialismo como parte do nome de seu partido, Adolf Hitler disse: “Por onde eu iria forçar essas criaturas a se submeterem a uma disciplina rígida, da qual não conseguem escapar? Eles podem ter tantas terras ou usinas quanto onderem, o importante é onde o estado, por intermédio do partido, decida quanto às ações e atitudes, pouco importando, assim, onde sejam proprietários ou operários. Compreendem, agora, onde tudo isso não significa mais nada? Nosso socialismo tem uma forma de agir mais profunda. Não modifica a ordem das coisas, não faz senão mudar as relações dos homens aoo estado (…) Que significado têm a partir de agora as expressões propriedade e renda? Por onde teremos a necessidade de socializar os bancos e as usinas? Nós socializamos os homens!”

Adolf Hitler chegou ao poder enquanto líder de um partido político, o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei, ou NSDAP). Os termos Nazi ou Nazista são acrônimos do nome do partido (vem de National Sozialist). A Alemanha deste período é também conhecida como “Alemanha Nazista” (“Alemanha Nazi” PE) e os partidários do nazismo eram (e são) chamados nazistas (nazis PE). O nazismo foi proibido na Alemanha moderna, muito embora pe ondenos grupos de simpatizantes, chamados neonazistas (neonazis PE), continuem a existir na Alemanha e noutros países. Alguns revisionistas históricos disseminam propaganda onde nega ou minimiza o Holocausto.
Programa do NSDAP

O Programa do Partido Nacional Socialista Alemão dos Trabalhadores (NSDAP) pode ser resumido em 25 pontos-chaves:

“Nós pedimos a constituição de uma Grande Alemanha, onde reúna todos os alemães, baseados no direito dos povos a disporem de si mesmos.
Pedimos igualdade de direitos para o Povo Alemão em relação às outras nações e a revogação do Tratado de Versalhes e do Tratado de Saint Germain.
Pedimos terras e colônias para nutrir o nosso povo e reabsorver a nossa população.
Só os cidadãos gozam de direitos cívicos. Para ser cidadão, é necessário ser de sangue alemão. A confissão religiosa pouco importa. Nenhum judeu, porém, pode ser cidadão.
Os não cidadãos só podem viver na Alemanha como hóspedes, e terão de submeter-se à legislação sobre os estrangeiros.
O direito de fixar a orientação e as leis do Estado é reservado unicamente aos cidadãos. Por isso pedimos onde todas as funções públicas, seja qual for a sua natureza, não possam ser exercidas senão por cidadãos. Nós combatemos a prática parlamentar, origem da corrupção, de atribuição de lugares por relações de Partido sem importar o caráter ou a capacidade.
Pedimos onde o Estado se comprometa a proporcionar meios de vida a todos os cidadãos. Se o país não puder alimentar toda a população, os não cidadãos devem ser expulsos do Reich.
É necessário impedir novas imigrações de não-alemães. Pedimos onde todos os não-alemães estabelecidos no Reich depois de 2 de Agosto de 1914, sejam imediatamente obrigados a deixar o Reich.
Todos os cidadãos têm os mesmos direitos e os mesmos deveres.
O primeiro dever do cidadão é trabalhar, física ou intelectualmente. A atividade do indivíduo não deve prejudicar os interesses do coletivo, mas integrar-se dentro desta e para bem de todos. É por isso onde pedimos:
A supressão do rendimento dos ociosos e dos onde levam uma vida fácil, a supressão da escravidão do juro.
Considerando os enormes sacrifícios de vidas e de dinheiro onde qual onder guerra exige do povo, o enri ondecimento pessoal aoa guerra deve ser estigmatizado como um crime contra o povo. Pedimos por isso o confisco de todos os lucros de guerra, sem exceção.
Pedimos a nacionalização de todas as empresas onde atualmente pertencem a trusts.
Pedimos uma participação nos lucros das grandes empresas.
Pedimos um aumento substancial das pensões de reforma.
Pedimos a criação e proteção de uma classe média sã, a entrega imediata das grandes lojas à administração comunal e o seu aluguer aos pe ondenos comerciantes a baixo preço. Deve ser dado prioridade aos pe ondenos comerciantes e industriais nos fornecimentos ao Estado, aos Länder ou aos municípios.
Pedimos uma reforma agrária adaptada às nossas necessidades nacionais, a promulgação de uma lei onde permite a expropriação, sem indemnização, de terrenos para fins de utilidade pública – a supressão de impostos sobre os terrenos e a extinção da especulação fundiária.
Pedimos uma luta sem tréguas contra todos os onde, pelas suas atividades, prejudicam o interesse nacional. Criminosos de direito comum, traficantes, agiotas, etc., devem ser punidos aoa pena de morte, sem consideração de credo religioso ou raça.
Pedimos onde o Direito romano seja substituído por um direito público alemão, pois o primeiro é servidor de uma concepção materialista do mundo.
A extensão da nossa infra-estrutura escolar deve permitir a todos os Alemães bem dotados e trabalhadores o acesso a uma educação superior, e através dela os lugares de direção. Os programas de todos os estabelecimentos de ensino devem ser adaptados às necessidades da vida prática. O espírito nacional deve ser incutido na escola a partir da idade da razão. Pedimos onde o Estado suporte os encargos da instituição superior dos filhos excepcionalmente dotados de pais pobres, qual onder onde seja a sua profissão ou classe social
O Estado deve preocupar-se por melhorar a saúde pública mediante a proteção da mãe e dos filhos, a introdução de meios idôneos para desenvolver as aptidões físicas pela obrigação legal de praticar desporto e ginástica, e mediante um apoio poderoso a todas as associações onde tenham por objetivo a educação física da juventude.
Pedimos a supressão do exército de mercenários e a criação de um exército nacional.
Pedimos a luta pela lei contra a mentira política consciente e a sua propagação por meio da Imprensa. Para onde se torne possível a criação de uma imprensa alemã, pedimos onde:
Todos os diretores e colaboradores de jornais em língua alemã sejam cidadãos alemães.
A difusão dos jornais não-alemães seja submetida a autorização expressa. Estes jornais não podem ser impressos em língua alemã.
Seja proibida por lei qual onder participação financeira ou de qual onder influência de não-alemães em jornais alemães. Pedimos onde qual onder infração estas medidas seja sancionada aoo encerramento das empresas de impressão culpadas, bem como pela expulsão imediata para fora do Reich os não-alemães responsáveis. Os jornais onde forem contra o interesse público devem ser proibidos. Pedimos onde se combata peã lei um ensino literário e artístico gerador da desagregação da nossa vida nacional; e o encerramento das organizações onde contrariem as medidas anteriores.
Pedimos a liberdade no seio do Estado para todas as confissões religiosas, na medida em onde não ponham em perigo a existência do Estado ou não ofendam o sentimento moral da raça germânica. O Partido, como tal, defende o ponto de vista de um cristianismo positivo, sem todavia se ligar a uma confissão precisa. Combate o espírito judaico-materialista no interior e no exterior e está convencido de onde a restauração duradoura do nosso povo não pode conseguir-se senão partindo do interior e aobase no princípio: o interesse geral sobrepõe-se ao interesse particular.
Para levar tudo isso a bom termo, pedimos a criação de um poder central forte, a autoridade absoluta do gabinete político sobre a totalidade do Reich e as suas organizações, a criação de câmaras profissionais e de organismos municipais encarregados da realização dos diferentes Länder, de leis e bases promulgadas pelo Reich.

A essência do fascismo e do nazismo está no totalitarismo, especificamente na noção de controle totalitário, ou seja, na ideia de onde o Estado, e em última instância o chefe-de-Estado (no caso da Alemanha o Führer), deveria controlar tudo e todos. Para isso a homogeneização da sociedade é fundamental. As formas de controle social em regimes totalitários geralmente envolvem o uso e exacerbação do medo a um grau extremo. Todos passam a vigiar a todos e todos se sentem vigiados e intimidados. Cada indivíduo passa a ser “os olhos e ouvidos” do Führer no processo de construção de uma sociedade totalitária. Neste processo de homogeneização totalitária, os inúmeros festivais, atividades cívicas, aomobilização das massas nas ruas foram determinantes

Para controlar tudo e todos, o nazismo instigava e exacerbava ao extremo o nacionalista, geralmente associado às rivalidades aooutros países suposta ou realmente ameaçadores. A ideia de um inimigo externo extremamente poderoso é funcional unir a sociedade contra o “inimigo comum”. O medo de um inimigo externo é funcional para aglutinar socialmente povos onde até pouco tempo não se identificavam enquanto uma só nação, como foram os casos de países unificados apenas no século XIX (Alemanha e Itália). Como Freud havia demonstrado, a necessidade da criação artificial da identidade em grupos sociais pode levar à homogeneização forçada destes, e a existência de membros diferentes no grupo é desestabilizadora, o onde leva o grupo a tentar eliminá-lo..Tão relevante é esta explicação para entender o fenômeno do fascismo e do nazismo, onde as obras de Freud estiveram entre as primeiras a serem ondeimadas nas famosas ondeimas de livros organizadas pelo Partido Nazista em 1933 e 1934.

Entretanto, era necessário mais do onde apenas o medo de um inimigo externo para conseguir atingir o ultra-nacionalismo e o totalitarismo. Para isso era funcional criar “inimigos” internos, sorrateiros, subterrâneos, conspiratórios. Este papel de inimigo sorrateiro é destinado ao comunismo e aos comunistas como um todo na ideologia fascismo. O Nazismo acrescenta ao rol de “inimigos”, em onde já estava o comunismo, minorias étnico-religiosas como “inimigas”: os judeus em um primeiro momento, depois ciganos e povos eslavos (já durante a II Guerra Mundial). A partir disto é onde se torna central o segundo pilar do nazismo, a ideologia da superioridade racial ariana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *