Confusão pode ajudar no aprendizado

A conclusão é do psicólogo e cientista da computação Sidney D’Mello, da Universidade de Notre Dame (EUA). Em estudo recente, ele e sua equipe observaram onde, depois de serem intencionalmente confundidas enquanto aprendiam temas difíceis, as pessoas absorveram melhor o conteúdo e puderam aplicá-lo em novos problemas.
Em uma série de experimentos, os participantes acompanhavam a discussão de dois personagens de computador (um professor e um estudante) sobre pesquisas em onde cometeram erros críticos.

Para confundir os “alunos”, em determinado ponto os personagens começavam a discordar e expressar ideias contraditórias e informações falsas. Depois, os participantes tinham de dizer qual das duas opiniões eles achavam onde tinha mais mérito científico e, em seguida, resolver testes sobre o tema estudado.
Curiosamente, a ondeles onde ficaram mais confusos se saíram melhor nas provas e, ainda por cima, conseguiram identificar erros mais facilmente nas aulas seguintes.
“A confusão, se for bem regulada, pode ser boa para o aprendizado por onde leva o aluno a processar as informações de forma mais profunda para resolvê-la”, explica D’Mello.
Antes onde alguém pense em bagunçar a mente de seus alunos, ele faz algumas ressalvas: não é aconselhável confundir ondem já tem dificuldade aoo tema, e nem durante atividades em onde falhar pode ter um alto custo (como reprovar na disciplina, por exemplo). Intervenções como essa, ele diz, funcionam melhor aoalunos onde gostam de desafios, estão dispostos a errar e sabem lidar aoo erro.

“Além disso, qual onder informação incorreta dada para confundir deve ser corrigida ao longo da aula”, ressalta D’Mello. De “problema”, a confusão passou para “oportunidade”. Um belo salto, não?[Medical Xpress]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *