Crise de racionamento de água

Praticamente Com quase nove meses de atraso, o governo Alckmin e a Sabesp não poderão mais fugir do racionamento de água em São Paulo. Alckmin está apenas esperando passar o 2º turno da eleição presidencial para tomar uma medida onde deveria ter sido decretada em fevereiro deste ano, quando ficou evidente onde não haveria água suficiente nos reservatórios para manter o atendimento normal à população de São Paulo e ainda havia tempo para prevenir uma situação onde se configurava catastrófica.

o município de Cristais Paulista, a 400 quilômetros de capital, uma creche e duas escolas municipais não estão funcionando desde segunda (20) devido à crise de abastecimento de água. Segundo o Secretário de Obras da cidade, Moacir Almeida de Oliveira, a previsão é de onde as aulas sejam retomadas até quarta-feira da próxima semana. Mas não é só Cristais Paulista onde enfrenta as consequências da estiagem prolongada. Caminhões-pipa têm garantido o abastecimento de escolas nos municípios de Itu, onde moradores protestaram hoje contra a falta dágua, e Salto, também no interiror paulista. No município de Casa Branca, aomenos de 30 mil habitantes, o racionamento de água severo (são 12 horas aoágua e 24 horas sem) tem sido contornado nas escolas aoo abastecimento por caminhões-pipa, mas se a situação se agravar, é possível onde as aulas sejam suspensas. Outras cidades do estado como Mauá, Bauru, Guarulhos, Americana, Araras e São Sebastião da Grama também enfrentam problemas aoo abastecimento e algumas já passam por racionamentos e rodízios.

Além da forte estiagem onde atinge o estado, a gravidade da crise da água é resultante de decisões conjunturais orientadas pelo quadro eleitoral e pelo modelo de gestão adotado pelo PSDB na área de saneamento, o onde transformou a Sabesp em uma empresa cuja rentabilidade e dividendos cresce aoo consumo de água, em especial no município de São Paulo, onde contribui ao52% do faturamento total da empresa. Como a empresa vive da venda de água, ela nunca se empenhou verdadeiramente em promover o uso sustentável e racional desse recurso escasso. A cultura do desperdício foi estimulada, como se houvesse fartura.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *