Cyro dos anjos biografia

 

Cyro dos Anjos (C. Versiani dos A.), jornalista, professor, cronista, romancista, ensaísta e memorialista, nasceu em Montes Claros, MG, em 5 de outubro de 1906, e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 4 de agosto de 1994. Eleito em 1o de abril de 1969 para a Cadeira n. 24, na sucessão de Manuel Bandeira, foi recebido em 21 de outubro de 1969, pelo acadêmico Aurélio Buarque de Holanda.


Foi o 13o dos quatorze filhos do casal Antônio dos Anjos e Carlota Versiani dos Anjos. Fez o curso primário em Montes Claros e começou seus estudos secundários, aos 13 anos, na Escola Normal da mesma cidade. Em fins de 1923, foi para Belo Horizonte, a fim de estudar humanidades e fazer o curso de Direito na Universidade Federal de Minas Gerais, pela qual se formou em 1932. Durante os anos de faculdade, trabalhou como funcionário público e jornalista. Trabalhou no Diário da Tarde (1927); no Diário do Comércio (1928); no Diário da Manhã (1920); no Diário de Minas (1929-31); em A Tribuna (1933) e no Estado de Minas (1934-35).


Depois de formado, tentou a advocacia na sua cidade natal. Desistindo da profissão, voltou à imprensa e ao serviço público. Em Minas, exerceu os seguintes cargos: oficial de gabinete do secretário das Finanças (1931-35); oficial de gabinete do governador (1935-38); diretor da Imprensa Oficial (1938-40); membro do Conselho Administrativo do Estado (1940-42); presidente do mesmo Conselho (1942-45). Foi professor de Literatura Portuguesa na Faculdade de Filosofia de Minas Gerais (1940-46), na qualidade de fundador.


Em 1933, como redator de A Tribuna, publicou uma série de crônicas que seriam o germe do seu mais famoso romance, O amanuense Belmiro (1937), de análise psicológica, escrito na linha machadiana, explorando a vida de um funcionário público da capital mineira.


Em 1946, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde ocupou, durante o governo Dutra, as funções de assessor do ministro da Justiça, diretor do Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Estado IPASE (1946-51), e presidente do mesmo Instituto, em 1947. Colaborou também em diversos órgãos da imprensa carioca.


Convidado, em 1952, pelo Itamarati, a reger a cadeira de Estudos Brasileiros, junto à Universidade do México, residiu nesse país até 1954, quando foi transferido para igual posto na Universidade de Lisboa. Em Portugal publicou o ensaio A criação literária (1954).


Em fins de 1955 regressou ao Brasil, e, em 1957, foi nomeado subchefe do gabinete civil da Presidência da República. Com o governo Kubitschek, transferiu-se para Brasília, onde exerceu, depois, as funções de conselheiro do Tribunal de Contas e de professor da Universidade. Participou da Comissão designada pelo Governo Federal, em 1960, para planejar a Universidade Nacional do Brasília, vindo a ocupar a função de coordenador do Instituto de Letras da mesma Universidade. Ali regeu, na qualidade de professor titular extraordinário, em 1962, o curso “Oficina Literária”. Aposentado em 1976, voltou a residir no Rio. Não se desligou das atividades do ensino, continuando a ministrar, na Faculdade da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o curso “Oficina Literária”.


Recebeu os seguintes prêmios literários: da Academia Brasileira de Letras, pelo romance Abdias (1945); do PEN-Clube do Brasil e da Câmara Brasileira do Livro, pelos livros Explorações no tempo (1963) e A menina do sobrado (1979).


Obras: O amanuense Belmiro, romance (1937); Abdias, romance (1945); A criação literária, ensaio (1954); Montanha, romance (1956); Explorações no tempo, memórias (1963; com o texto revisto, passou a integrar A menina do sobrado, sob o título de “Santana do Rio Verde”); Poemas coronários (1964); A menina do sobrado, memórias (1979). Seu romance O amanuense Belmiro foi traduzido para o inglês e o francês.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *