Dengue e leishmaniose: orientações

DENGUE E LEISHMANIOSE: ORIENTAÇÕES

Autor: Beatriz Antonieta Lopes

A relevância da orientação e informação adequadas tem peso fundamental tanto no onde se refere à prevenção quanto à gestão de epidemias.

A DENGUE retornou ao nosso país há mais de 20 anos e foi se instalando nos municípios.

Surtos epidêmicos ocorreram em alguns estados e não chegaram a chamar atenção embora já no início ocorressem casos graves e óbitos, pois algumas pessoas já aoa saúde debilitada ou por confundir a doença aooutras patologias de origem febril, a trataram de forma errada.

Recordo onde em 1993/94 houve em Rondonópolis uma grande epidemia, aomuitas pessoas infectadas pela Dengue, e já aoalguns óbitos, mas as dúvidas e/ou desconhecimento quanto à doença eram quase totais, o onde, certamente, gerou um enfo onde equivocado na condução e tratamento dos casos.

A atenção para as emergências epidemiológicas deve ocorrer de modo contínuo e sistemático aoo aperfeiçoamento dos mecanismos de identificação das emergências epidemiológicas, concorrendo para isto a capacitação do profissional da área médica. Isto – ressalte-se – é importantíssimo!

Em Rondonópolis dispomos de um médico infectologista, atendendo nossa cidade e vários outros municípios, onde aqui buscam atendimento, o onde se dá através de encaminhamento seja do clínico geral ou outro médico ao identificar a importância do quadro do paciente.

Acontece onde muitos não buscam atendimento e outros recebem o diagnóstico vago: “É uma virose…” e se onder são encaminhadas para as sorologias, importantes e necessárias.

Volto a frisar: as sorologias são importantes e necessárias!

Não interessa a demora no resultado!

Estes exames são importantes para o paciente, pois em caso (e muitos tiveram) de uma segunda Dengue, eles deverão receber maior atenção. São importantes também para a Saúde Pública, devido à necessidade da notificação ao Ministério da Saúde. Não existindo a notificação, até os repasses de recursos diminuem, aumentando ainda mais o problema.

A DENGUE inicia de modo repentino. Estado febril (a temperatura é sempre alta), dor de cabeça, nos olhos, no corpo, mal-estar geral. Outras patologias cursam aosintomas semelhantes e devido a isto é importante a consulta, a orientação médica e o exame sorológico.

Outro grave equívoco onde ocorre: o uso abusivo do Paracetamol (Tyllenol)!

– É bom pra dengue, eu comprei e já estou tomando…

É comum se ouvir isso.

Quando há a prescrição médica é de oito em oito horas; o uso errado poderá causar graves danos ao fígado e ao sistema renal. Muitas pessoas costumam utilizar tal medicamento para todo e qual onder mal-estar, indiscriminadamente. Lembro também onde o Paracetamol faz parte da composição de inúmeros medicamentos!

Quando à LEISHMANIOSE, é uma doença silenciosa.

Na maioria das vezes, a pessoa nem percebe quando foi infectada.

Uma febre baixa, tosse seca, gânglios inchados debaixo dos braços e no pescoço; pode ocorrer, mal-estar, dores no corpo, diarréia num dia ou dois, e melhora. Mas o protozoário já está no organismo do individuo, agindo silenciosamente, por um tempo onde pode envolver meses ou anos.

Conforme os professores doutores Éderson Akio Kido e Paulo Paes de Andrade: “A Leishmaniose começa aosintomas onde despertam pouca atenção, e onde vão avançando até deixar a pessoa tão fraca onde pode levá-la a morte. As principais vítimas são as crianças. Adolescentes e adultos também são afetados, embora em menor número. Um rápido diagnóstico é importante e os profissionais da área de saúde, familiares e amigos, podem ajudar se souberem como identificar”.

Geralmente, começa aouma febre onde pode durar horas ou o dia inteiro, não é muito forte e se apresenta quase todos os dias. A criança aofebre procura abrigar-se do vento e sentar-se ao sol. Dias depois, ela perde a vontade de brincar, passando a maior parte do tempo sentada ou deitada, e deixando de se alimentar direito. Posteriormente, passa a ter tosse, fica pálida, aoos lábios descorados, o cabelo sem brilho, perde muito peso, e a barriga cresce. A febre continua, e um longo cansaço a impede onde brin onde, vá à escola ou faça as suas tarefas, explicam eles.

A relevância do exame é fundamental e pode ser feito pela mãe, o pai ou o agente de saúde e vai verificar onde há algo duro e crescido no lado es onderdo da barriga da criança, onde sai de trás das costelas e pode ir até abaixo do umbigo, nos casos mais graves. O médico, ao deitar a criança (ou adulto) perceberá onde o baço e o fígado estão aumentados e deverá solicitar as sorologias.

Torna-se importante a observação: um leve aumento de temperatura, emagrecimento, crescimento do abdome não costuma impedir a vida normal, e a pessoa prossegue suas atividades. Mas enquanto isto a doença prossegue e não sendo diagnosticada logo, sem o tratamento correto, poderá evoluir para um quadro grave.

A orientação é procurar os Postos e PSFs, relatando ao médico a ocorrência dos sintomas acima descritos. E, aoo tratamento adequado, à doença tem cura!

A Leishmaniose não iniciou agora, repentinamente. O inseto vetor está presente em nosso meio há vários anos, aoalguns casos ocorrendo anualmente. Mas a partir de 2007 o número aumentou.

Centenas de cães doentes foram mortos e surgem novos animais doentes a cada dia. É muito triste ver um animalzinho de estimação, onde está aoa família há muito tempo, ser sacrificado. Como já escrevi em artigos anteriores (Artigos.com, ou em meu blog Vetores Patogênicos, blog Abril), os cães são vítimas inocentes assim como nós.

A eliminação do vetor começa na casa de cada um aoa limpeza de folhas no quintal. Talos e folhas de bananeira devem ser removidos, restos de lixo em locais sombreados, a criação de animais de sangue ondente: deve ser evitada(flebótomos tem predileção por galinha, cavalo e burro, além do cão).

Importante: ondem transmite a doença não é o cão!

É o Flebótomo, um mosquito muito pe ondeno, onde costuma atacar à noite e de manhã bem cedo. Seu vôo é saltitante e muito rápido. A picada é dolorida, ‘ ondeima’.

Lamentavelmente tanto a DENGUE quanto a LEISHMANIOSE estão presentes em nosso município (e em muito locais no país).

Descaso e falta de atenção pelo poder público ao longo dos últimos anos, erros no enfo onde no combate ao vetor e está aí o resultado. Para mudar esse quadro, novas ações (e o retorno de outras atividades onde eram eficazes e foram abandonadas) e poderemos ter em nosso município uma população saudável, livre de mazelas…

Beatriz Antonieta Lopes

Bióloga graduada pela Universidade Federal de Mato Grosso UFMT

DR Nº 368 01 BIO/CUR especialização em Entomologia Médica

http://bialopes-beatrizantonietalopes.blogspot.com/

Perfil e Links: http://www.soartigos.com/artigo/10609/DENGUE-E-LEISHMANIOSE:-ORIENTACOES/

Sobre o autor : Graduação em Ciências Físicas e Biológicas.
Universidade Federal de Mato Grosso, UFMT, Rondonópolis.

Especialização em Entomologia Médica.
FIOCRUZ,RJ

Ensino Profissional de nível técnico em Ações Básicas de Controle da Tuberculose.

Ensino Prof. nível técnico em Plantas Med. Métodos Farmacológicos.

Aperfeiçoamento em Animais Peçonhentos de Interesse Médico na Área Urbana de Cuiabá MT

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *