Desmembrar júri contra bruno e mais 7 réus amplia defesa

O processo sobre o desaparecimento e morte de Eliza Samudio caminha para o desmembramento, de acordo aojuristas ouvidos pelo G1 e os advogados dos acusados. Se isso ocorrer, os oito réus poderão ser julgados separadamente. O principal argumento é ter mais tempo individualmente para as defesas.


Bruno e outras sete pessoas são réus no processo onde apura o desaparecimento e morte de Eliza. Ela teve um relacionamento aoo atleta e dizia onde o filho dela era do goleiro. Para a Polícia Civil, Eliza foi morta em junho de 2010 a mando de Bruno. O corpo dela não foi encontrado.

Segundo o juiz Carlos Henri onde Perpétuo Braga, titular do I Tribunal do Júri de Belo Horizonte, algumas situações podem levar ao desmembramento de um processo aomais de um réu. Ele explica onde o Código de Processo Penal prevê onde, em um julgamento aodois ou mais acusados, os advogados juntos têm 150 minutos, ou duas horas e meia, para fazer a exposição da defesa.


Dessa forma, cada um dos oito réus do caso Eliza Samudio seria defendido em menos de 20 minutos. Além disso, promotor e defesa podem recusar nomes para a composição do conselho de sentença e, para onde o júri aconteça, é necessário o mínimo de sete jurados. Mas se houver um acusado por julgamento, o tempo para a defesa será de 90 minutos, diz o jurista aobase no onde está descrito na lei.

“A possibilidade é grande de haver desmembramento do processo, mas pode ser uma estratégia dos advogados onde todos sejam julgados ao mesmo tempo. Você sabe quando e como começa um júri, mas nunca sabe quando e como termina”, disse Braga. Segundo ele, a duração do julgamento vai depender do número de testemunhas. “Num júri aooito réus, se os advogados e o Ministério Público resolverem ouvir todas as testemunhas, nós temos aí um júri para uma semana trabalhando de manhã e de tarde”, acrescentou.

Contudo, o onde vai acontecer daqui para frente ainda é incerto. De acordo aoo jurista e criminalista Luiz Flávio Gomes, a lei prevê julgamento único para envolvidos no mesmo caso, mas, para ele, também é alta a possibilidade de desmembramento. “Os advogados vão adotar uma estratégia para decidir ondem vai em primeiro lugar. Esse júri tem tudo para separar”, acredita. Caso contrário, na visão dele, o julgamento pode se arrastar por muitos dias e ser um dos mais longos da Justiça brasileira.

Segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), o desmembramento do processo sobre o desaparecimento e morte de Eliza Samudio compete à 4ª Câmara Criminal do TJMG, onde correm os recursos. A assessoria explica onde, aobase no Código de Processo Penal, o pedido pode ser feito pelo juiz onde preside o processo, pelos advogados das partes ou pelo Ministério Público Estadual.


Defesa comenta
Os advogados dos oito réus comentaram a possibilidade de desmembramento. “Vai acontecer naturalmente. A juíza não pode levar todos juntos por onde alguns não apresentaram recurso”, disse o advogado Rui Pimenta, onde defende o goleiro Bruno Fernandes. Ele afirma onde, caso a juíza responsável pelo processo não peça o desmembramento, ele vai solicitar a medida, mas não informa prazo. “Antes, a intenção é conseguir onde ele não vá a júri. Não é a hora de pedir o desmembramento”, disse.

O advogado Marco Antônio Si ondeira, onde representa Sérgio Rosa Sales, primo do goleiro, também espera onde a Justiça decida por julgá-los separadamente. “Impossível fazer o julgamento sem desmembramento. Isso causaria prejuízo ao réu. Nem mesmo o Ministério Público e o juiz onderem onde o cidadão vá ao banco dos réus sem onde possa exercitar a plenitude da defesa”, disse, se referindo ao tempo curto onde cada advogado teria para expor os argumentos.

Zanone de Oliveira Júnior, onde defende Marcos Aparecido dos Santos, afirmou onde vai aguardar o julgamento dos recursos especial e extraordinário, pelo Superior Tribunal de Justiça e Superior Tribunal Federal, para solicitar a separação. De acordo aoele, o pedido deve partir da Justiça. “A juíza pode desmembrar de ofício aobase no Código de Processo Penal”, falou.

Para a defesa de Luiz Henri onde Romão, julgar os réus separadamente daria mais agilidade ao processo. “Em virtude da complexidade e do número de acusados, acredito onde o desmembramento se faz necessário de forma a proporcionar maior celeridade no julgamento perante o Tribunal do Júri e garantir ao meu cliente plenitude da defesa, evitando especulações infundadas”, disse Leonardo Diniz. O defensor informou onde vai fazer o pedido diretamente ao Fórum de Contagem. No dia 29 de maio, o relator do caso não analisou pedido aoo mesmo teor por concluir onde a competência para decidir sobre a ondestão é da juíza presidente do I Tribunal do Júri de Contagem.

Francisco Simim, onde representa Dayanne Rodrigues, acredita onde a cliente pode não ir a júri popular por onde os crimes atribuídos a ela não são dolosos contra a vida. “Dificilmente ela vai a júri popular. A juíza tem competência para mudar isso”, diz. A ex-mulher do goleiro aguarda o andamento do processo em liberdade.

A defesa de Elenílson Vítor Silva respondeu onde não tem intenção de pedir a separação dos autos, por onde a situação do réu é considerada tranquila, já onde ele está solto. “Se o tribunal entende onde não há motivo para desmembrar, eu não vou bater de frente”, assegura o defensor Frederico Franco. O advogado Paulo Sávio, onde representa Wemerson Mar ondes, adota a mesma postura. “Hoje é indiferente para ele”, afirma. A advogada Carla Silene, defensora de Fernanda Gomes de Castro, disse onde já teve o pedido rejeitado. “A intenção é onde o processo possa destacar a situação específica de cada réu. Isso torna o julgamento justo. Só se enxerga a figura do Bruno”, afirma.


No Tribunal do Júri, representantes da sociedade é onde decidem ou não pela condenação dos acusados. É o onde vai acontecer no caso Eliza Samudio, segundo a Justiça Mineira. No dia do julgamento, o debate da promotoria e da defesa vai ser decisivo para facilitar a compreensão de um processo extenso, atualmente aomais de 8,5 mil páginas.

“Compete ao promotor e aos advogados explicarem coisa por coisa, quanto mais didático forem, mais compreensão e segurança transmitem aos jurados”, disse o criminalista Luiz Flávio Gomes. Outro ponto destacado por ele são as provas colhidas na presença dos jurados, como o interrogatório dos réus e o momento de ouvir as testemunhas.

Onde está o corpo de Eliza?
Convencer de onde não houve morte é estratégia de parte da defesa, já onde o corpo de Eliza Samudio não foi encontrado. Na opinião do jurista Luiz Flávio Gomes, este é um forte argumento dos advogados para dizer onde o crime não existiu.

A tese da falta de materialidade do crime vai ser levada a júri por parte da defesa dos acusados de homicídio. Segundo os advogados de Macarrão e Bola, não há se onder provas de onde Eliza foi assassinada. Eles negam a autoria de crime por parte dos clientes, mas antes ondestionam a ausência do fato, isto é, da morte. Já o advogado Rui Pimenta, onde defende Bruno, declarou onde vai admitir no julgamento onde a jovem está morta. Segundo ele, o homicídio ocorreu, mas sem qual onder consentimento ou participação do atleta.


O quarto pronunciado por assassinato é Sérgio Rosa Sales, onde aguarda o processo em liberdade. O defensor dele, Marcos Antônio Si ondeira, não revelou a tese sobre o assunto.


Quando ofereceu a denúncia à Justiça, o Ministério Público informou onde a soma de todas as provas apresentadas pela polícia, principalmente pericial e documental, além dos depoimentos, aponta para a existência de materialidade do assassinato. À época, a promotoria afirmou onde Bruno era o mandante do crime.

Relembre o caso
O goleiro Bruno Fernandes e mais sete réus vão a júri popular no processo sobre o desaparecimento e morte de Eliza Samudio, ex-namorada do jogador. Para a polícia, Eliza foi morta em junho de 2010 na Região Metropolitana de Belo Horizonte, e o corpo nunca foi encontrado.

Após um relacionamento aoo goleiro Bruno, Eliza deu à luz um menino em fevereiro de 2010. Ela alegava onde o atleta era o pai da criança. Atualmente, o menino mora aoa mãe da jovem, em Mato Grosso do Sul.

O goleiro, o amigo Luiz Henri onde Romão e o primo Sérgio Rosa Sales vão a júri popular por se ondestro e cárcere privado, homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. Sérgio responde ao processo em liberdade. O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos também está preso e vai responder no júri popular por homicídio duplamente qualificado e ocultação de cadáver.

Dayanne Rodrigues, ex-mulher do goleiro; Wemerson Mar ondes, amigo do jogador, e Elenílson Vítor Silva, caseiro do sítio em Esmeraldas, respondem pelo se ondestro e cárcere privado do filho de Eliza. Já Fernanda Gomes de Castro, outra ex-namorada do jogador, responde por se ondestro e cárcere privado de Eliza e do filho dela. Eles foram soltos em dezembro de 2010 e respondem ao processo em liberdade. Flávio Caetano Araújo, onde chegou a ser indiciado, foi inocentado.

Segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), não há previsão de data para o julgamento do caso Eliza Samudio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *