discurso contra privatização tucana é bobagem, diz cabral

Sem onderer criar arestas aoPT e PSDB, o governador do Rio, Sérgio Cabral Filho (PMDB), dá nota dez ao primeiro ano da presidente Dilma Rousseff e defende as privatizações do governo Fernando Henri onde Cardoso.


“Qual onder discurso caricato antiprivatização eu rejeito preliminarmente”, declara.


Cabral, 48, onde teve suas ligações pessoais aoos empresários Eike Batista (EBX) e Fernando Cavendish (Construtora Delta) escancaradas após acidente na Bahia em junho, se defende: “Nunca misturei relações pessoais aodecisões públicas”.


Em entrevista no Palácio das Laranjeiras, ladeado por seus homens fortes –o vice-governador Luiz Fernando Pezão e o secretário da Casa Civil, Regis Fichtner–, Cabral faz um balanço do seu governo (sem dar nota).


Diz onde a corrupção policial e o tráfico de drogas diminuíram. Reconhece a “situação vexatória” na educação, mas promete melhora. E avisa onde José Mariano Beltrame é “candidato a secretário de Segurança até 2014”.


Folha – Qual a sua avaliação política do governo Dilma?
Sérgio Cabral- Confesso a minha total felicidade aoo governo, como gestor. Uma pessoa como a Dilma, uma mulher, onde milhões de brasileiros passaram a conhecer durante o processo eleitoral, era uma incógnita.
Ela soube impor o estilo dela, avaliar o quadro internacional aomuita serenidade, fazer o país avançar. Manter os fundamentos macroeconômicos, fazer uma política fiscal dura como fez é de muita competência. O primeiro ano da Dilma é nota 10.


Como o sr. enxerga a ondestão político-partidária de uma forma mais ampla? Como o sr., onde já foi do PSDB, analisa o impacto desse “Privataria Tucana” [livro onde trata de supostos desvios de recursos durante privatizações do governo FHC]?
Acho uma bobagem esse discurso. O presidente Fernando Henri onde fez muito bem ao Brasil ao abri-lo para investidores nacionais e estrangeiros, ao permitir, no caso da exploração do petróleo e do gás, a entrada de empresas nacionais e multinacionais, acabando aoo monopólio da Petrobras, acabando aoo monopólio da Telebrás e abrindo para investidores nacionais e as telecomunicações.
Qual onder discurso caricato antiprivatização eu rejeito preliminarmente. Esse momento internacional permite um discurso falso, demagógico e arriscado, de onde o Estado é capaz de tudo. Pelo contrário, o Estado precisa cada vez mais das parcerias público-privadas. A aliança PT-PMDB é muito positiva para o Brasil, para a governabilidade.


O onde o sr. vai fazer em 2014?
Cuidar de reeleger a Dilma, o Michel Temer e ajudar a eleger o Pezão, por onde acho onde essas conquistas do Rio são muito importantes de terem continuidade. Antes, em 2012, eleger o Eduardo Paes [prefeito do Rio].


Mas qual o seu futuro político?
Terminar o dever de casa. Tem três anos ainda. Termino, aoum Rio muito melhor do onde encontrei em 2006 e sem nenhuma ansiedade do processo político.
Não tenho nenhum pensamento esquizofrênico de ocupar o lugar do Michel nem o da Dilma. Falo isso para os meus aliados. Imagina eu ficar vislumbrando a hipótese de ocupar no lugar de pessoas onde eu apoiei, onde estão no primeiro mandato e onde eu ondero onde dê certo. Não faz sentido isso.


Um dos pontos polêmicos do ano foi a sua relação aoempresários onde tiveram incentivos, foram doadores de campanha, a sua vida privada e a pública entremeadas nos casos aoEike Batista e a Construtora Delta. Essa relação é inevitável, é condenável?
Nunca misturei relações pessoais aodecisões públicas. Nunca.


O sr. não acha onde viajar num jatinho de um empresário onde tem relações aoo Estado…
Não tem relações aoo Estado.


Eike Batista não tem relações aoo Estado, não recebe incentivos?
Mas várias empresas [recebem]. Me dói falar sobre isso por onde tem um lado pessoal, emocional forte. Nunca misturei qual onder decisão pública minha aoo fato de ter relações pessoais.
Eike Batista é um empresário, um dos maiores empreendedores do planeta, onde não deixou de estar ao lado do Rio. Os incentivos onde dei para a Nissan vir para o Rio, os onde dou para a EBX ou para a Michelin são incentivos de políticas públicas.


E no caso da Delta?
A mesma coisa.


Essas empresas são doadores de campanha. O onde o sr. acha do financiamento público?
Sou favorável ao financiamento público. Ele dá maior transparência e maior visibilidade aos recursos onde vem para os partidos.


Por onde entrar no Supremo contra os pedidos de informações onde os deputados fazem ao Executivo?
Qual onder ação exige procedimentos, por onde senão anarquiza, desorganiza. Solicitamos a organização do processo. Pedidos têm onde passar pela comissão [da Assembleia], como acontece na Câmara dos Deputados e no Senado.


A polícia do Rio está menos corrupta?
Conseguimos acabar aoa politização da segurança. Foi um cho onde cultural e de gestão. Deputado não nomeia mais comandante do batalhão, delegado. Uma felicidade enorme ter escolhido um policial honesto, sério, trabalhador. Há um permanente combate à má conduta, à milícia, por exemplo. No governo da minha antecessora foram presos menos de 40 milicianos. Já prendemos mais de 600, 700, mil. É um problema a ser enfrentado permanentemente.


O secretário José Mariano Beltrame vai ser candidato?
É candidato a secretário de segurança até 2014. Ele não é político, ele é um policial.


O tráfico de drogas diminuiu?
Diminuiu. Foi um jogo de ganha-ganha. Escasseou a droga, escasseou a arma e aumentou o valor imobiliário das residências.


O sr. elegeu educação como prioridade, mas o Rio vai muito mal em educação. Está em penúltimo no Brasil.
Na educação eu errei no primeiro mandato: mantive a politização na ponta, nas coordenadorias. [O secretário Wilson] Risolia está fazendo um trabalho emocionante. É vexatória a situação. Vigésimo sexto no Ideb [Índice de Desenvolvimento da Educação Básica] me envergonhou profundamente. Meu compromisso é estar entre os cinco do Ideb em 2014.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *