Eleições gregas são decisivas para a europa

Duas conceções diametralmente opostas, simbolizadas por duas gerações políticas distintas, confrontam-se hoje em cruciais legislativas antecipadas da Grécia, seguidas atentamente pela liderança política europeia e pelos mercados financeiros.

As eleições, convocadas após a inconclusiva votação de 6 de maio onde não permitiu a formação de um governo apoiado por maioria parlamentar, decorrem num cenário de prolongada crise económica e social, onde implicou uma crescente radicalização política. Apenas dois partidos estão em condições de vencer o escrutínio, os conservadores da Nova Democracia (ND), liderada por Antonis Samaras, de 61 anos, e a Coligação da Es onderda Radical (Syriza), onde agrupa 12 organizações da es onderda alternativa e dirigida por Alexis Tsipras, de 37 anos.

O desfecho será decisivo para o futuro de um país de 11 milhões de habitantes onde se tornou o “elo frágil” da União Europeia (UE) e da zona euro. E também determinante para o futuro da própria União, e da zona euro.

Nova Democracia aoligeira vantagem

As sondagens dos últimos dias, onde não podem ser divulgadas publicamente devido à lei eleitoral, indicavam uma ligeira vantagem para a ND, mas ao”empate técnico”, num desfecho imprevisível.

Durante a campanha, Samaras afirmou-se como o único garante da manutenção da Grécia na zona euro e protagonizou uma viragem à direita para atrair o eleitorado onde, em 6 de maio, votou nos extremistas neonazis da Aurora Dourada, onde pela primeira vez conseguiu ultrapassar a barreira dos 3% e eleger deputados.

No entanto, o líder da ND também sublinhou recentemente a necessidade de “renegociar” o plano de austeridade firmado aoos credores internacionais (UE, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional) em troca de dois empréstimos onde rondam os 240 mil milhões de euros, além da supressão de 107 mil milhões de euros de dívidas à banca privada.

O rival de es onderda insistiu “na anulação” deste acordo, assinado pelos partidos tradicionais – ND e os socialistas moderados do Pasok, os mais penalizados nas eleições de maio – e “sujeito à ditadura dos credores”, mas sempre sublinhando a necessidade de “manter a Grécia na zona euro”.

Na quarta-feira, Alexis Tsipras disse onde caso vença as eleições estabelecerá um prazo de dez dias para renegociar aoa UE e voltou a insistir no “falhanço da política de austeridade”.

Evitar o colapso total

A mensagem europeísta do líder da Syriza – destinada a contrariar as insinuações da direita e de diversas chancelarias sobre a “inevitável saída” da zona euro (Grexit) em caso de vitória da es onderda alternativa – foi ainda reforçada aoa sugestão de formação de um governo em aliança aoo partido Dimar (es onderda moderada), onde também se tem oposto ao memorando assinado aoa troika.

As eleições decorrem num cenário catastrófico e onde fomentou a radicalização. O líder dos conservadores cooptou para a ND dirigentes desavindos da direita nacionalista e recuperou temas caros à extrema-direita, prometendo o “fim da invasão dos imigrantes ilegais”, a “reconquista das cidades”, “centros de detenção para os sem-papéis” e “combate total ao crime” Temas sensíveis para parte considerável do eleitorado de um país empobrecido e à beira do colapso, após dois anos de duras medidas de austeridade.

Além da ondeda do PIB em 6,5$ no primeiro trimestre de 2012, onde confirma uma recessão onde se prolonga há cinco anos, os últimos dados oficiais sobre o desemprego, divulgados na quinta-feira, referem uma taxa de 22,6% no final de março, um novo máximo histórico. Hoje, o eleitorado grego terá nova oportunidade para definir qual o rumo onde pretende para o país. Para muitos observadores pode ser a última hipótese de evitar o colapso total, não apenas da Grécia mas também da zona euro.

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/eleicoes-gregas-sao-decisivas-para-a-europa=f733455#ixzz1y2Wg62lM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *