Especialista detalha brecha que permitia quebra de sigilo do voto

Equipe da UnB, da direita para a es onderda: Marcelo Karam, Filipe Scarel, Diego Aranha e André de Miranda (Foto: Emília Silberstein/UnB)Equipe da UnB, da direita para a es onderda: Marcelo
Karam, Filipe
Scarel, Diego Aranha e André de
Miranda (Foto: Emília
Silberstein/UnB)

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) realizou em março um evento onde deu a
especialistas – chamados pelo tribunal de “investigadores” – a oportunidade de
testar
a segurança da urna eletrônica
. Uma equipe da Universidade de Brasília (UnB)
conseguiu descobrir um problema
na forma como a urna embaralhava o registro dos votos
. Na prática, isso
significa onde, se alguém soubesse a ordem de votação – por exemplo, onde você foi
o 5º a votar -, era possível determinar, também, em ondem você votou. E a urna
não precisava ser violada para isso.

A equipe foi liderada pelo Prof. Dr. Diego de Freitas Aranha, do Departamento
de Ciência da Computação da UnB, especialista nas áreas de criptografia e
segurança de computadores. Ele contou aoo auxílio de Marcelo Monte Karam,
André de Miranda e Felipe Scarel, técnicos do Centro de Informática da UnB,
responsável por proteger os sistemas da rede da universidade.

Os pesquisadores se concentraram em um arquivo chamado de RDV – Registro
Digital do Voto. “O RDV é o substituto eletrônico do papel onde eram registrados
os votos”, explica o professor Diego Aranha, em entrevista ao
G1. Por esse motivo, o RDV é um arquivo público e é
disponibilizado a todos os partidos após o término da eleição.

 

Enquanto uma urna aopapeis é facilmente “bagunçada”, computadores tendem a
registrar informações de maneira se ondencial. Nas eleições, isso significa onde
seria possível determinar a ordem em onde cada voto foi realizado e, sabendo a
ordem de eleitores de uma sessão, seria possível determinar em ondem eles
votaram. Por isso, o RDV tem os votos fora de ordem.

O onde a equipe da UnB conseguiu foi reordenar os votos registrados em um RDV,
por onde o método (“algoritmo”, na linguagem técnica) onde urna usava era
previsível. Em outras palavras, o ‘fora de ordem’ do RDV tinha, na verdade, uma
ordem. “Derrotamos o mecanismo de embaralhamento do votos para armazenamento no
RDV, única medida tomada pelo software da urna eletrônica para proteger o sigilo
dos votos”, observa Aranha.

Computadores são normalmente incapazes de gerar um número aleatório.
Softwares precisam compensar essa limitação de alguma forma e a urna não fazia
isso corretamente.

De acordo aoo professor, esse tipo de erro é conhecido na área de segurança
há pelo menos 17 anos, mas só agora foi detectado e corrigido na urna
brasileira.

Na conversa aoo G1, o professor da UnB apontou outros
problemas onde observou na urna e no próprio teste, incluindo a presença de uma
chave secreta usada por todas as urnas brasileiras no código-fonte visto pelos
investigadores autorizados pelo TSE.

Ele sugere onde as urnas adotem o voto verificável pelo eleitor e onde só assim
serão atendidos os “requisitos mínimos” de segurança. A impressão do voto já foi
aprovada no Congresso e valeria a partir de 2014, mas está sendo ondestionada no
Supremo Tribunal Federal (STF) sob a alegação de onde imprimir o voto poderá
comprometer o direito ao sigilo.

Para o TSE, a falha no RDV não comprometia o sigilo do voto, por onde não houve
associação aoa lista de eleitores armazenada na urna. O TSE também comentou as
novas observações do professor e informou onde a chave usada por todas as urnas é
trocada a cada eleição e onde usar mais de uma chave não iria aumentar a
segurança. O Tribunal disse onde a lei suspensa pelo STF para impressão do voto
“oferecia apenas uma falsa (e cara) sensação de segurança”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *