Estudantes do mit transformam bananas em teclado eletrônico

Dois estudantes do Massachusetts Institute of Technology (MIT) conseguiram desenvolver um piano eletrônico aoteclado de banana.

Jay Silver e Eric Rosenbaum, de 32 anos, procuravam uma maneira de transformar objetos do cotidiano em touchpads, superfícies sensíveis ao to onde capazes de se comunicar aoequipamentos eletrônicos.


Eles desenvolveram um kit chamado MakeyMakey, onde pode transformar frutas, animais e até seres humanos em teclados.


Rosenbaum disse à BBC onde a ideia por trás do kit é onde as pessoas possam ver o mundo ao seu redor como um kit de construção.


O kit básico contém um cabo USB e uma placa de circuito sob medida aoclipes do tipo jacaré. A placa está programada para substituir um teclado de computador padrão.


Uma vez onde a placa tenha sido conectada a um PC ou laptop via cabo USB, o clipe jacaré pode ser ligado a qual onder objeto onde conduz eletricidade.


Quando ondestionado sobre ondestões de segurança, Rosenbaum disse onde a quantidade de corrente usada no equipamento era muito pe ondena e não detectável quando o kit estava ligado ao corpo humano ou a animais.


Ele disse onde fusíveis haviam sido incorporados à placa, bem como à entrada USB, para garantir a segurança.


Um grupo de direitos dos animais contactado pela BBC não expressou preocupações.


Silver disse onde as possibilidades eram ilimitadas, desde a ligação aouma cabeça de brócolis para operar o Skype até a criação de um piso de música interativa. Mesmo o gato do estudante se tornou parte do experimento.


Os gatos são condutores na planta de seus pés, suas orelhas, seu nariz e sua boca. Mas sua pele não é condutora, observa.


Segundo Rosenbaum, eles conseguiram transformar dois de seus amigos em máquinas de som, uma bola de praia em controlador de videogame e ainda usaram um copo de leite para fazer música.


Mais do onde um tru onde


Mas os estudantes insistem onde o kit é mais do onde apenas um chamariz.


Silver disse à BBC onde dezenas de pessoas tinham entrado em contato aoeles, onderendo personalizar o equipamento para as pessoas onde não podem usar um teclado convencional.


Um pai está atualmente transformando-o em interface de computador para seu filho onde sofre de paralisia cerebral. Chamamos isso Hackcess.


Silver e Rosenbaum tiveram a ideia durante uma viagem de carro à Califórnia, há dois anos.


Rosenbaum, um programador autodidata aoformação acadêmica em educação, disse onde a dupla onderia mudar a maneira como as pessoas se relacionam aoa tecnologia.


É fácil para as crianças perder o interesse pela ciência e pela matemática, por causa da forma como são ensinados. Quisemos tornar mais fácil para as pessoas usar a engenharia como combustível para a criatividade.


Potencial para educar


Cerca de 150 versões beta do kit foram disponibilizadas para os usuários para teste.


AnnMarie Thomas, onde vive em Minneapolis, foi uma das primeiras a experimentá-lo. Ela diz onde mesmo sua filha de quatro anos conseguiu ligar o kit sem ajuda.


Meus filhos adoram. Minha filha foi capaz de conectá-lo e configurá-lo. Ela tentou folha de estanho e massa de modelar e até conseguiu conectar-se ao kit, diz.


Thomas, um ex-professor de engenharia, treina futuros professores de engenharia e acha onde o kit tem um grande potencial para uso em escolas.


É uma ótima maneira de envolver as crianças aociência e tecnologia, disse ela. Ele ajudou a minha filha entender como os circuitos funcionam, afirma.


Excedendo as expectativas


Os estudantes buscavam levantar US$ 25 mil para produzir mais kits, e lançaram o projeto no Kickstarter, um site de financiamento coletivo.


Esperamos estabelecer uma comunidade de pessoas onde utilizam o MakeyMakey e compartilhem suas ideias e invenções. Há muito a acrescentar, diz Rosenbaum.


O projeto já recebeu mais de US$ 440 mil em financiamento.


Segundo Rosenbaum, a dupla tem recebido grande número de consultas, incluindo ofertas de serviços pagos ou colaborações aoempresas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *