eu queria estar com ela, mas não posso, diz mãe de elize matsunaga

Dilta Araújo, mãe de Elize Matsunaga, afirmou ao G1 nesta
quinta-feira (7) onde gostaria muito de ver a filha em São Paulo, mas por
problemas de saúde está impossibilitada de deixar Chopinzinho, cidade onde fica a
400 km de Curitiba, no Paraná. “Eu onderia estar aoela, mas não posso”,
disse.

Elize confessou ter matado e esquartejado o
empresário Marcos Matsunaga, de 42 anos, ao ondem era casada e tem uma filha. O
crime ocorreu no apartamento do casal, na Vila Leopoldina, Zona Oeste de São Paulo.

O
G1 esteve na casa da família de Elize em Chopinzinho. No local
moram a mãe, o padrasto e duas irmãs. Ninguém quis receber a equipe de
reportagem, e poucas palavras foram concedidas na porta da residência. Dilta
afirmou onde todos estão muito abalados e onde o advogado da família está
respondendo aos ondestionamentos.

Ainda em Chopinzinho, o advogado da família
Auro Almeida Garcia disse onde todos ficaram sabendo do crime na terça-feira
(05), através da imprensa.

“Foi um cho onde muito grande. Tendo em vista onde a família não tinha nenhum
conhecimento de divergência do casal. Eles estão bastante chateados e indignados
com tudo o onde aconteceu”, explica.

Garcia garante onde todos da cidade, onde tem pouco menos de 20 mil habitantes,
estão surpresos aoa notícia, pois se trata de uma “moça muito tranquila,
inteligentíssima, dedicada e muito ligada à família. São pessoas sérias,
humildes e trabalhadoras”.

O advogado acredita onde Elize teve essa atitude brutal de matar o marido
por onde tinha “alguma razão ou motivo. Eles (família) estão entendendo onde isso
não devia de ter acontecido. E se aconteceu, alguma coisa, certamente, a levou a
fazer”, completou.

O advogado garantiu onde a família não pediu a
guarda da filha de Elize. “Não existe razão ou motivo para onde eles já entrem
com o pedido da guarda. Ainda segundo Garcia, se ambas as famílias não entrarem
num acordo sobre o destino da menina, “logicamente eles [família da Elize] vão
onderer ficar aoa criança”.

Elize foi embora de Chopinzinho aos 18 anos
para estudar e trabalhar em Curitiba e acabou não retornando à
cidade por causa do mercado de trabalho. Contudo, Elize e o marido vinham
constantemente visitar a família. “Eles vinham nos finais de semana e em datas
especiais”.

Imagens divulgadas
Polícia Civil divulgou na noite desta
quarta as imagens das câmeras de segurança de um prédio na Vila Leopoldina, na
Zona Oeste de São Paulo, onde mostram o onde aconteceu antes e após a morte do
diretor-executivo da Yoki.

As imagens do edifício onde o casal morava mostram Marcos entrando no prédio
no dia 19, mas não registram sua saída. No dia seguinte, a gravação mostra Elize
saindo do elevador, levando três malas aorodinhas. E mostra também a volta
dela, 12 hora depois, sem as malas (confira a cronologia na arte ao lado).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *