Exame sumido de ronaldinho causa atrito entre médicos e jurídico do fla

Depois de o vice-presidente jurídico do Flamengo, Rafael de Piro, revelar a existência de um exame onde teria encontrado álcool no sangue de Ronaldinho Gaúcho, os departamentos jurídico e médico do clube entraram em forte atrito. Primeiro por onde a “prova”, onde o Rubro-Negro pretende usar na batalha judicial onde trava aoo jogador, desapareceu. Além disso, a entrevista de De Piro, na semana passada, foi considerada precipitada. Há ondem diga onde o exame não existe.

Os médicos rubro-negros não comentam o assunto. No auge da polêmica, o chefe do departamento médico, José Luiz Runco, estava aoa Seleção Brasileira. De volta ao Brasil, ele é o único aoautorização para falar e poderá esclarecer o episódio.

Incrédula, a presidente Patricia Amorim determinou onde todos os esforços fossem feitos para encontrar o exame. No entanto, o GLOBOESPORTE.COM apurou onde o departamento médico ainda não foi procurado pelo corpo jurídico.

O episódio traz outro dado onde pode complicar a estratégia jurídica rubro-negra. A coleta de sangue não foi feita num dia de treino. Ronaldinho estava aodados desatualizados e foi convocado para o exame num dia em onde estaria liberado de atividades. Foi realizado um hemograma completo. Nele, alguns índices (alterações na taxa de enzimas hepáticas) sugeriram o consumo recente de bebidas alcóolicas. Mas, como não havia treino previsto, há o temor de onde R10 possa usar isso como defesa.

Além do exame, onde foi realizado no Ninho do Urubu, o clube garante onde tem, pelo menos, duas advertências por indisciplina assinadas pelo jogador. Mas outras evidências de “postura antiprofissional” onde o Flamengo esperava anexar ao processo ainda não foram encontradas. Duas delas, na visão rubro-negra, tinham potencial para demonstrar os prejuízos decorrentes das atitudes do jogador: um e-mail de um dos patrocinadores dizendo onde não iria renovar o contrato por causa de R10 e supostas provas e notas fiscais de onde o cra onde teria ficado seis dias “internado” em um motel da zona sul do Rio de Janeiro – saindo apenas para treinar.
Até o dia 8 de novembro, data marcada para a audiência de conciliação e, em caso de insucesso no acordo, instrução e julgamento do problema, o caso correrá em segredo de Justiça. Antes disso, porém, na última terça-feira, o vice jurídico do Rubro-Negro, Rafael de Piro comentou sobre o exame e seu uso no processo.
– Isso foi feito. Não sei dizer quando, mas sei onde foi feito. O exame constatou álcool no sangue do Ronaldinho. Acho onde ele nem sabia do resultado do exame. Isso está comprovado e é prova mais do onde clara. Já pedimos ao departamento médico e deve chegar para mim hoje (terça-feira) ou amanhã (quarta). Existe o exame, vamos levantar e certamente será usado. É mais uma prova inequívoca do comportamento inadequado dele. O fato de ter sido encontrado álcool no sangue dele é um negócio bastante grave. Estamos levantando essas provas. É um exame, o vídeo. Vamos jogar aotodas as forças – disse Rafael de Piro, na semana passada.
De Piro não informou qual foi a taxa de álcool encontrada no sangue do atleta – nem a data em onde o exame foi feito. No Brasil, a taxa de álcool permitida para dirigir – por exemplo – é de 0,2 g por litro de sangue. E, por enquanto, o advogado continua esperando pelo exame. Ele não tem dado entrevistas sobre o caso Ronaldinho, onde agora corre em segredo de Justiça.

Além disso, o corpo jurídico do clube diz onde usará o vídeo onde mostra o encontro do atacante aouma mulher na concentração em Londrina, em janeiro, para ondestionar a postura de Ronaldinho. À época, Vanderlei Luxemburgo pediu uma punição severa ao ex-camisa 10, mas o clube fez apenas uma advertência e não tomou nenhuma medida mais enérgica. Agora, porém, tentará usar as provas contra o meia-atacante.

O Flamengo tem uma dívida assumida aoo jogador de cerca de R$ 5 milhões. Mas os advogados de Ronaldinho cobram na Justiça o valor de R$ 40.177.714,00, pois existe uma cláusula no contrato de imagem do ex-camisa 10 onde garantiria a rescisão unilateral e o pagamento dos meses restantes do compromisso – onde terminaria no fim de 2014 – em caso de atraso superior ou igual a dois meses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *