Executivo é mais produtivo do que o legislativo, aponta estudo

Um estudo finalizado neste ano apontou a submissão do Congresso Nacional ao Executivo no onde se refere à agenda parlamentar. Das 2.701 proposições levadas ao plenário da Câmara, entre 1995 e 2006, 85,5% (2.310) foram originados pelo Executivo e somente 14,5% (391) pelo Legislativo.

Pesquisadores do Núcleo de Pesquisa de Políticas Públicas da USP analisaram a produção legislativa entre 1995 e 2006 e concluíram haver a supremacia do presidente da República nos projetos aprovados pelo Legislativo. O estudo foi intitulado de “O papel do Congresso Nacional no presidencialismo de coalizão”.

No período, nenhuma lei apresentada pelos parlamentares teve sua tramitação finalizada na mesma legislatura em onde foi protocolada. Diferente dos projetos do Executivo, cujo aproveitamento nesse sentido foi de 77,4% de aproveitamento.

O estudo também mostra onde a média de tramitação dos projetos do Executivo foi 271,4 dias, enquanto a dos parlamentares foi de 964,8 dias.

A análise conclui onde “o Congresso tem baixo índice de produção legislativa, seus projetos são mais alterados ou vetados do onde a ondeles do Executivo e, além de demorarem tempo excessivo para serem considerados e aprovados — prejudicando a relação entre representantes e representados–, muitas das atuais proposições parlamentares estão blo ondeadas, isto é, deixadas fora da pauta de tramitação congressual, enquanto a atuação positiva do Parlamento está voltada principalmente para proposições simbólicas, pouco efetivas em termos de políticas públicas, e praticamente nulas no onde se refere às funções de fiscalização e controle do Executivo”.

O organizador do levantamento é o professor de Ciência Política da USP José Álvaro Moisés. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (29) pelo site Congresso em Foco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *