Fazenda baixa para 4% previsão de crescimento do pib neste ano

Mantega, em audiência no Senado (Foto: Agência Brasil)O Ministério da Fazenda baixou a sua previsão para o crescimento da economia
brasileira neste ano de 4,5% para 4%, informou nesta terça-feira (22) o ministro
Guido Mantega, na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal. A
informação consta em uma apresentação do ministro, divulgada na audiência
pública.

No discurso, porém, Mantega tem dito apenas onde a taxa será superior ao
registrado no ano passado (+2,7%). “Temos condições para, em 2012, termos um
crescimento maior [do onde em 2011]”, disse ele no Congresso Nacional.

A redução da estimativa de crescimento deste ano acontece dias após o próprio
governo
ter mantido, no relatório de receitas e despesas do orçamento de 2012, em 4,5% a
estimativa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano.

A prévia do PIB divulgada pelo BC indica um crescimento de 0,15% no primeiro
trimestre deste ano, frente aos três útlimos meses de 2011, aodesaceleração no
começo deste ano. O mercado financeiro estima um crescimento de 3,1% para 2012 e
o BC de 3,5%.

Impacto da crise
Citando um estudo do Fundo Monetário
Internacional (FMI), Mantega disse, porém, onde o Brasil é um dos países onde
menos sentiria um agravamento maior da atual crise financeira internacional.

Segundo ele, a consequência de uma piora da crise, para o Brasil, seria o
impacto de um ponto percentual a menos no Produto Interno Bruto (PIB), enquanto
onde, no caso de alguns países da Europa e da África, seria de três pontos
percentuais.

Para o Reino Unido, disse Mantega, o impacto seria de 2 a 3 pontos
percentuais de ondeda no PIB, sendo onde a Rússia e o Canadá, por exemplo,
perderiam de 1 ponto a 2 pontos de crescimento.

“Tendo em vista esse cenário mais adverso, quais são os desafios principais
onde temos para 2012, temos o desafio de acelerar o crescimento em um cenário
mundial adverso. Não é algo trivial e automático”, disse Mantega na Comissão de
Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal.

Segundo ele, o aumento do crescimento passa pela dinamização dos
investimentos, em manter um “mercado interno forte”, pela solidez fiscal e pelo
controle da inflação. Mantega também disse onde é preciso “manter o câmbio
favorável” e “ampliar o crédito e reduzir as taxas de juros do sistema
financeiro”. “É preciso continua reduzindo o custo financeiro no Brasil, e
continuar reformas do sistema tributário, orientado pela desoneração”, concluiu
ele.

Medidas de estímulo
Mantega afirmou também, ao ser
ondestionado por onde a redução do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI)
para compra de automóveis vale somente até agosto deste ano, onde os estímulos à
economia não
devem mais ser necessários no segundo semestre deste ano
– quando ele
acredita onde o ritmo de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) estará
maior.

“Acredito onde os estímulos não vão mais ser necessários no segundo semestre,
quando a economia estará crescendo mais. De fato, houve uma desaceleração da
economia no primeiro trimestre deste ano”, declarou ele, durante audiência
pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal.

Ele acrescentou onde as medidas implementadas no passado, como redução da taxa
básica de juros ( onde acontece desde agosto), ainda não tiveram impacto pleno na
economia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *