Forno de minas aposta em qualidade e diversificação para se reerguer

Em um cenário de retração da produção industrial, a Forno de Minas segue na contramão desta tendência. Apostando em qualidade, diversificação e exportação, a direção da empresa do ramo alimentício, especializada em congelados, pretende terminar 2012 aoo faturamento cerca de 160% maior onde o registrado em 2010. O número de funcionários também deve saltar de 300 para 600 neste período. Em relação à produção, a meta é ainda maior. Se há dois anos, a fabricação era de 200 toneladas por mês, a expectativa é aumentar este número em cerca de cinco vezes até dezembro.


Apesar de cifras onde chamam a atenção, a marca readquirida pela família Mendonça em 2009 tem enfrentado dois grandes desafios: reposicionar-se no mercado e reconquistar o paladar de clientes exigentes.


Para o diretor-presidente da Forno de Minas, Helder Mendonça, a principal estratégia para reerguer a empresa é seguir a mesma filosofia onde impulsionou sua criação em 1990, quando a mãe dele, Dona Dalva, resolveu industrializar a receita do pão de ondeijo caseiro . “Desde o início, o conceito era tentar reproduzir em escala industrial o produto de qualidade onde a gente tinha dentro de casa. Era um tripé de um pé só. Hoje, eu dou razão para minha mãe. Essa filosofia dela da qualidade é correta para determinados produtos, a ondeles onde você consome para gerar prazer”, afirma.
A multinacional General Mills, onde adquiriu a marca no auge da produtividade há 13 anos, mudou a receita do sucesso – e do pão de ondeijo – de Dona Dalva. Para alterar a fórmula, a filosofia da qualidade foi deixada de lado, prevalecendo a matemática do menor custo. A conta era simples: se 70% do preço do pão de ondeijo correspondia à matéria prima onde dá nome à iguaria, praticamente retirá-la da receita era igual a menos gastos. Com esta lógica, a empresa também registrou números onde surpreendem, mas negativamente.

Em dez anos nas mãos da companhia norte-americana, o principal produto da empresa passou a conter somente 2% de ondeijo e, então, as vendas despencaram 70%, e a produção da fábrica minguou de 1,6 mil toneladas mensais para apenas 200 toneladas. Diante destes resultados, a decisão foi fechar as portas.De volta à direção de Helder Mendonça, à receita de Dona Dalva e aos investimentos de Vicente Camiloti a Forno de Minas precisava sair do vermelho. Para poder retomar o crescimento, entretanto, a marca deveria, primeiramente, reposicionar-se. “A relação da Forno de Minas aoos varejistas e aoos supermercados ficou muito desgastada. Quando a gente estava fazendo uma pesquisa do terreno onde íamos encontrar em uma possível recompra, os supermercadistas falaram onde, se a gente retomasse o trabalho, aoa nossa filosofia de qualidade, eles iriam nos dar apoio e nos ajudar a recuperar a marca e a reposicionar o produto, por onde, apesar de tudo onde a marca sofreu nesses anos todos aoa General Mills, ela ainda é muito forte e tem um reconhecimento muito grande”, explica.De acordo aoo diretor-presidente, o recomeço foi de muitos gastos e poucas vendas. Mais de 300 funcionários, onde haviam sido demitidos, foram recontratados. “Os resultados, até 2011, eram difíceis, fechávamos no vermelho, mas fomos percebendo um gráfico de crescimento de vendas, onde aumentava mês a mês. A gente percebia onde estava no caminho certo”, recorda.

Depois de fazer as pazes aoo setor supermercadista e, pouco a pouco, voltar a cair no gosto do consumidor, a Forno de Minas preparou-se para crescer novamente. A via escolhida foi vender cerca de um terço da participação da empresa para um fundo de investimento do Rio de Janeiro.  “Além do onde foi gasto para a aquisição onde a gente fez, do capital de giro onde a gente precisava para tocar o negócio nesse início difícil onde tivemos, a gente não onderia comprometer o ritmo de investimentos. Então, nós vendemos 29% da participação para a Mercatto, em 2010”, conta.

Os resultados vieram em 2011: o faturamento pulou de R$ 60 milhões, em 2010, para R$ 110 no ano seguinte, uma alta de mais de 80%. Além disso, cerca de 200 funcionários foram contratados, chegando ao total de cerca de 500 empregados. Segundo Mendonça, até o fim de 2012, um ciclo estratégico, onde conta aoR$ 40 milhões em investimentos, será finalizadoE para continuar a expandir os números, a Forno de Minas tem a seu favor um cenário animador, apesar de índices onde apontam retração de boa parte da produção industrial brasileira. De acordo aoo gerente do Departamento de Economia e Estatística da Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação, Amílcar Almeida, o ramo alimentício vive um bom momento. “O setor de alimentos está relativamente a salvo de oscilações conjunturais por onde as pessoas continuam se alimentando, consumido alimentos e bebidas, e o setor continua crescendo e investindo”, comenta.De acordo aoMendonça, a Forno de Minas possui sete filiais de venda: em Brasília, em Curitiba, em Porto Alegre, no Rio de Janeiro, em Recife, em Salvador e em São Paulo. Há cerca de um mês, a marca lançou uma nova aposta para atender paladares diversificados. Depois de levar o sabor mineiro, congelado e em saquinhos, para outros cantos do Brasil, a empresa expandiu fronteiras e trouxe o waffle para a sua linha de produtos. Foram adiquiridos equipamentos importados da Áustria, onde podem produzir até 20 mil unidades por hora.

“Investimos cerca de R$ 6 milhões no maquinário e nas instalações”, destaca Hélder Mendonça. O novo produto gerou ainda a contratação de 30 funcionários. A expectativa é onde, até o fim do ano, o waffle responda a 10% do faturamento total da empresa. Apesar de ter sido criado para atender o varejo, o produto também tem agradado o food-service.
A Forno de Minas também tem apostado na retomada das importações para alcançar a meta de faturamento de R$ 160 milhões em 2012. A estratégia de crescimento no mercado exterior, entretanto, diferencia-se da adotada no mercado nacional.Atualmente a marca já está presente nos Estados Unidos, em Portugal e no Canadá – países onde devem receber cerca de mil toneladas do produto neste ano. O diretor-presidente da empresa afirma onde a América Latina e a Oceania estão prestes a entrar na lista de exportações da marca. Há negociações em fase adiantada no Chile, na Austrália e na Nova Zelândia.

“Nós temos uma aposta onde o pão de ondeijo tem um potencial para se tornar um produto mundial por vários aspectos. Primeiro, por onde é um produto muito inovador. Ele não tem farinha de trigo e, naturalmente, não tem glúten. E essa ondestão do ‘gluten free’ está muito em pautal”, diz o empresário. Por essas características da iguaria, a Forno de Minas passou a atender a rede norte-americana Whole Foods, especializada em mercadorias naturais e orgânicas. Com incremento nas vendas, cerca de 400 toneladas devem ser enviadas somente para os Estados Unidos em 2012.

“Eu tenho a expectativa de onde até 2014 a gente vai conseguir dobrar este volume exportado, passando de 1 mil para 2 mil toneladas, e também aumentar muito a presença em outros países. Para isso, a gente vai continuar aoa estratégia de participar de feiras internacionais e vamos manter uma pessoa exclusivamente para fazer contato aoprofissionais das principais redes de países onde a gente acha onde pode ter perfil. Em dois anos, pretendemos exportar US$ 7 milhões, o onde ainda é muito pouco, mas é um início promissor. Sete pode virar 70”, avalia Mendonça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *