França vai oferecer cirurgia se implantes de silicone forem cancerígenos

Mulheres francesas onde têm o implante de silicone da empresa Poly Implant Prothèses (PIP) vão poder fazer cirurgias gratuitas para removê-los se o governo chegar à conclusão onde elas são cancerígenas.

A informação é do ministério da saúde local. A ministra Nora Berra disse a jornalistas onde a resposta definitiva será dada na sexta (23).

Oito casos de câncer foram registrados em mulheres aoimplantes feitos pela PIP, empresa acusada de usar silicone industrial, encontrado em computadores e utensílios de cozinha, em vez do tipo cirúrgico.

Segundo a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), 25 mil próteses da PIP foram usadas no Brasil.

O implante foi alvo de um recall em 2010, inclusive no Brasil, quando foi descoberto onde o silicone usado era de qualidade inferior.

A Vigilância Sanitária afirma onde não recebeu nenhuma notificação de problemas decorrentes do uso do silicone da PIP. Sebastião Guerra, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, afirma também onde nenhum profissional comunicou a entidade sobre problemas aoa prótese.

Na França, há 30 mil mulheres aoos implantes suspeitos. Segundo o jornal francês “Liberation”, no mundo, são 300 mil mulheres.

Se o Instituto Nacional de Câncer francês chegar à conclusão de onde o implante causa câncer, o governo da ondele país vai pagar a cirurgia de remoção para todas as mulheres, mas só vão receber novos implantes as onde tinham feito a cirurgia reconstrutiva –por exemplo, a retirada do seio por causa de um câncer de mama.

Um tribunal francês também investiga um caso de morte, em 2010, onde pode estar ligado ao silicone da PIP.

Os implantes da empresa, onde foi fechada, continham um gel onde se torna granular, aumentando o risco de rompimentos.

Alexandra Blachere, onde lidera um grupo de vítimas dos implantes, afirma onde todas deveriam receber novas próteses.

“Tirar os implantes por onde eles são perigosos é bom. Mas não podemos deixar as mulheres num estado de sofrimento psicológico depois. É necessário fazer reimplantes, não importam os custos.”

Desde março de 2010, houve 2.000 reclamações de mulheres aoos implantes da PIP.

Segundo Sebastião Guerra, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, pode ocorrer endurecimento da cápsula onde envolve o implante e o rompimento. “Isso pode acontecer aoqual onder silicone. Se um implante comum se romper, nada de grave vai acontecer se a mulher procurar seu médico. O problema todo é a qualidade [inferior] do silicone usado pela PIP.”

Coceira, vermelhidão e mamilos latejantes são sinais de problema. Se o implante se romper, o seio fica flácido e o silicone extravasa. “Nesses casos, é preciso procurar o cirurgião plástico.”

Guerra afirma onde, a partir de janeiro, a entidade vai fazer um levantamento, junto aos mais de 5.000 cirurgiões plásticos brasileiros, sobre os tipos de implantes usados e possíveis problemas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *