Gênero no trabalho pedagógico da educação infantil





























Autor: Cláudia Denís Alves da Paz
[en] Gender in the Pedagocial Work in Elementary Education
[pt] Gênero no trabalho pedagógico da educação infantil
Instituição de Defesa: Universidade de Brasília
Data de Defesa: 2008-03-24
Resumo: [en] This dissertation has the objective of studying Gender in the pedagogical work in elementary education from the qualitative, ethnographic perspective. By means of a historical view of the Brazilian basic education, the paper examines the elements of legislation, conceptions of education, professional training and development of the first professionals in education, the womans place in society, and gender relations, at a public school of elementary education. The qualitative investigation approach has enabled us to interact with the subjects in their daily activities, practices during which we gathered the data for the gender analysis of the pedagogical work. The daily scenes and situations were interpreted in light of the theoretical discussions in a movement conducted by the gender category. Priority was given to the pedagogical work as regards to two meanings: one, the work carried out by the whole school, and two, the teachers interaction with the children. Hence, we may say that, during the pedagogical work, the teachers and managers experience gender practices when they reproduce fixed identities, be it in the definition of social roles, attitudes, behaviors, objects and symbols, be it in the contents, pedagogical activities in the classroom, in the playground or in games. The interactions between the teachers and the children at the schools different physical spaces, classrooms, patio rituals, parties, and cafeteria indicate that the education professionals disregard the influence of their practices in the construction of their students gender identity. In the elementary school, situations in which the children are exposed to male and female models of fixed identity predominate, in which boys and girls receive different treatment from the teachers, based on appropriate, standardized behavior for each sex. The study points out, still, the blanks in the teachers professional development as regards to gender, the distance between what is proposed in the documents and the teachers initial training, the difficulties to know how to act and to take a stand in view of gender relations. These teachers bring with them the marks of their trajectories in life, where being a man or a woman is defined by biological characteristics, which blur their vision to more consistent reflections about gender relations in the pedagogical work in elementary education.
[pt] Esta dissertação tem como objeto de investigação Gênero no trabalho pedagógico na educação infantil na perspectiva qualitativa e etnográfica. Percorre por meio de um olhar histórico na educação básica brasileira, os elementos da legislação, concepções da educação, formação dos/as primeiros/as profissionais da educação, o lugar da mulher na sociedade e as relações de gênero em uma escola pública de educação infantil. A abordagem de investigação qualitativa possibilitou-nos a interação com os sujeitos em suas atividades cotidianas, práticas onde colhemos os dados para as análises de gênero no trabalho pedagógico. Cenas e/ou situações cotidianas foram interpretadas à luz das discussões teóricas num movimento conduzido pela categoria gênero. Priorizou-se o trabalho pedagógico com dois significados: um, o trabalho realizado por toda a escola, e outro as interações da professora com as crianças. Assim, pode-se dizer que durante o trabalho pedagógico as professoras e gestores vivenciam práticas de gênero quando reproduzirem identidades fixas, seja na definição de papéis sociais, atitudes, comportamentos, objetos, símbolos e comportamentos, seja nos conteúdos, atividades pedagógicas em sala de aula, parque ou nas brincadeiras. As interações entre as professoras e as crianças nos diferentes espaços da escola, sala de aula, rituais no pátio, festas e refeitório indicam que as profissionais da educação desconsideram a influência de suas práticas na construção das identidades de gênero das crianças. Na escola de educação infantil predominam situações em que as crianças são expostas a modelos de identidades fixas de masculinidade e feminilidade; que meninas e meninos recebem tratamento diferenciado por parte das professoras, baseado em comportamento adequado e padronizados para cada sexo. O estudo aponta, ainda, as lacunas na formação das professoras com relação ao gênero, a distância entre o proposto nos documentos e a formação inicial das professoras, as dificuldades para saber como agir e posicionarem-se quando estão diante das relações de gênero. Essas professoras trazem as marcas de suas trajetórias de vida nas quais ser homem ou ser mulher defini-se por caracteres biológicos o que nublam suas visões para reflexões mais consistentes sobre relações de gênero no trabalho pedagógico na educação infantil.
Titulação: Mestre em Educação
Contribuidor(es): Wivian Weller
Nicolle Pfaff
Maria Abádia da Silva
Maria Eulina Pessoa de Carvalho
Assuntos: [pt] Educação Básica
[pt] Educação Infantil
[pt] gênero
[pt] identidade
[pt] EDUCACAO
[pt] Trabalho Pedagógico
Documentos Digitais: [pt] Texto completo

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *