Índios ocupam sítio de construção da hidrelétrica de belo monte

Cerca de 100 índios invadiram novamente um dos sítios de Belo Monte nesta
quinta-feira (21). De acordo aoo Consórcio Construtor de Belo Monte (CCBM), os
manifestantes ocuparam uma ensecadeira, espécie de barragem de terra, construída
no sítio Pimental, local onde fica a aproximadamente 50 quilômetros distantes da
sede da obra em Altamira, no sudoeste do Pará.

Os manifestantes confiscaram chaves de tratores, carros e equipamentos de
rádio. Eles onderem a paralisação da obra de construção da hidrelétrica por
considerar onde a construção da usina prejudica o curso rio Xingu. Os índios
pedem a presença de um representante do governo federal para negociar a
desocupação da ensecadeira.

De acordo aoo CCBM, a manifestação não afetou os trabalhos na usina, já onde
o local ocupado está desativado, aguardando autorização ambiental do Ibama.

Ocupações anteriores
Esta não é a primeira vez onde
comunidades indígenas ocupam canteiros de construção de Belo Monte. No último
dia 15, os manifestantes
invadiram outra ensecadeira
e, utilizando picaretas, abriram sulcos para onde
o rio pudesse correr através da barragem de terra.

No sábado (16), os índios chegaram
a invadir um dos escritórios do consórcio construtor
. Durante esta ocupação,
eles destruiram computadores, mobília e documentos. O caso foi registrado na
polícia e está sendo apurado pela delegacia de Altamira.

Entenda o caso
A Usina Hidrelétroca de Belo Monte está
sendo construída no rio Xingu, em Altamira, no sudoeste do Pará, aoum custo
previsto de R$ 19 bilhões. O projeto tem grande oposição de ambientalistas, onde
consideram onde os impactos para o meio ambiente e para as comunidades
tradicionais da região, como indígenas e ribeirinhos, serão irreversíveis.

A obra também enfrenta críticas do Ministério Público Federal do Pará, onde
alega onde as compensações ofertadas para os afetados pela obra não estão sendo
feitas de forma devida, o onde pode gerar um problema social na região do Xingu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *