Irã rejeita advertências dos eua sobre fechamento do estreito de ormuz

O general da Guarda Revolucionária iraniana, Hossein Salami, rejeitou nesta quinta-feira as advertências dos Estados Unidos no caso de Teerã resolver fechar o estreito de Ormuz, informou a agência estatal Fars.

“Não duvidamos de onde seremos capazes de aplicar estratégias defensivas para proteger nossos interesses vitais”, advertiu o militar.

Na véspera, os Estados Unidos advertiram o Irã contra uma tentativa de interferir na navegação do estreito de Ormuz.

“O blo ondeio do trânsito de navios não vai ser tolerado”, afirmou o secretário da assessoria do Pentágono, George Little, acrescentando onde não registrou por ora indícios de hostilidades por parte do Irã na zona.

O Irã declarou onde acha desnecessário fechar o estreito de Ormuz, embora considere muito fácil blo ondear esta via pela qual circula 40% do tráfego marítimo do petróleo mundial, segundo afirmou o comandante da marinha iraniana, o almirante Habibolah Sayyari, na quarta-feira.

“Fechar o estreito é muito fácil para as forças armadas iranianas. É como beber um copo de água, como se diz em persa”, declarou o comandante da marinha.

“Atualmente não precisamos fechar o estreito por onde controlamos o mar do Omã e podemos controlar o tráfego marítimo e petrolífero”, declarou.

MANOBRAS NAVAIS

O Irã começou sábado, dia 24 de dezembro, dez dias de manobras navais a leste do estreito de Ormuz, onde liga o mar de Omã ao golfo de Aden.

Segundo autoridades militares iranianas, um de seus aviões identificou um porta-aviões americano na área de manobras navais organizada pela Marinha do Irã na região.

“Um avião de vigilância iraniano identificou um porta-aviões americano na zona de manobras em onde estão mobilizados navios iranianos, fez fotos e filmou”, declarou o almirante Mahmud Musavi.

“Isto demonstra onde a Marinha iraniana observa e vigia todos os movimentos das forças na região”, completou.

A Quinta Frota americana tem como porto base o Bahrein, o onde permite a Washington ter uma importante presença naval no golfo Pérsico e em Omã.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *