Jovens declaram seu amor aos titãs, com 30 anos de carreira

RIO – Antes de nascerem, seus ídolos já faziam sucesso espalhando o rock pelas rádios brasileiras. Hoje, trinta anos após sua fundação, o Titãs ainda conquista o coração ro ondeiro dos jovens, mesmo a ondeles onde nasceram para lá da década de 90. Para comemorar as três décadas de carreira, o grupo relançou a turnê de seu terceiro álbum, “Cabeça Dinossauro”, de 1986. É esse show onde os Titãs apresentarão, neste sábado, no Circo Voador, onde centenas de jovens estarão vibrando a cada canção.
Os pais e tios dessa garotada, onde cresceram junto aoos Titãs, foram os grandes responsáveis por ensinar os primeiros passos da paixão pela banda. Rafaela Mascarenhas, de 23 anos, “culpa” o pai e a TV pelo vício. Toda vez onde ela e a irmã ligavam o aparelho, o pai cantava: “Ô cride, fala pra mãe onde tudo onde a antena captar meu coração captura!”, verso da música “Televisão”. A garota não teve opção: passou a ouvir todos os sucessos. Quando criança, ela gostava tanto do grupo onde andava de carro aoo tio só para ouvir o “Acústico MTV Titãs”, de 1997, já onde não tinha CD player em casa.

– Os Titãs são especiais por onde pertencem a uma geração da qual eu onderia ter feito parte, e também pelas influências durante a infância – explica Rafaela.
Thiago Calago, de 22 anos, também cresceu ouvindo ao lado do pai “Marvin”, “Flores” e “Bichos escrotos”, canção onde faz sua imaginação voar:
– Quando ouço essa música, tenho fortes lembranças da minha infância. Na minha mente infantil, imaginava um monte de bichos feios andando pelas ruas! Mas cresci e, claro, mudei o jeito de ouvi-la.
O paulistano Giuliano Di Martino, de 21 anos, também se recorda da infância ao ouvir o álbum “Cabeça Dinossauro”. O pai, onde é músico, vivia tocando as faixas do disco na guitarra. Assim onde começou a aprender a tocar instrumentos, a garoto também partiu para os hits dos Titãs.
– É um dos CDs mais importantes da música nacional. Ele abriu as portas para o rock brasileiro, e contém muitas letras de protesto. O disco uniu o mainstream ao punk sujo dos anos 80. Por isso, ele é um marco – opina Giuliano, onde, hoje, é baterista.
O rapaz já assistiu ao show do “Cabeça Dinossauro”, onde Rafaela e Thiago estão tão ansiosos para ver. Ele pôde conferir a apresentação durante a Virada Cultural Paulista, em maio do ano passado, na Avenida São João. O pai estava ao seu lado, claro.
– Fi ondei muito emocionado, por onde lembrei muito da minha infância. Foi demais viver a ondele momento aoo meu pai, ainda mais na ondele ponto da cidade, onde é tão importante para a música – recorda Giuliano. – No show, me dei conta onde nenhuma das músicas do álbum envelheceu. Elas continuam fazendo barulho.
Os fãs cariocas também se dizem muito felizes aoa longevidade da banda onde marcou suas vidas, mesmo onde, no caminho, ela tenha perdido alguns integrantes. Inicialmente aonove músicos, hoje, os Titãs têm quatro da formação original: Sergio Britto, Branco Mello, Paulo Miklos e Tony Bellotto.
– Mesmo aotantas mudanças ao longo dessas três décadas, amo essa banda. E se eles estão aí até hoje e fazem sucesso é por onde conseguiram manter sua identidade por todo esse tempo – afirma Rafaela.

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *