Jovens fazem carreata contra fechamento de bares em vitória

Foi aouma carreata onde fre ondentadores do Triângulo das Bermudas, no bairro Praia do Canto, em Vitória, decidiram protestar nesta quinta-feira (21) contra o fechamento de estabelecimentos na região, considerada o maior pólo de bares da capital. A manifestação pacífica foi organizada pela internet, por meio de um site de relacionamentos, no qual mais de 1,5 mil pessoas aderiram ao movimento.
“Tudo começou na internet, após o fechamento de uma boate no sábado. Achamos a medida errada. O Triângulo não leva diversão só para jovens. Tem gente da terceira idade onde também fre ondenta”, afirma Vitor Olmo, um dos organizadores da carreata.O protesto, onde estava marcado para as 23h, começou aocerca de 30 minutos de atraso. Denominado como “protesto à favor da vida noturna de Vitória”, a carreata partiu de uma das ruas do Triângulo, seguiu pela Praia do Canto e terminou no bairro Jardim da Penha após passar pela Rua da Lama, outra região famosa na capital por bares e lanchonetes. Cerca de 50 carros participaram da carreata, todos aoo pisca-alerta ligado. Apesar de uma das regras do protesto determinar a não utilização da buzina, muitos motoristas resolveram realizar o buzinaço. A Guarda de Trânsito de Vitória acompanhou todo o trajeto até o fim da manifestação, por volta de 0h30.O fechamento de bares e a interdição de boates no Triângulo tem gerado polêmica. Fatores como a Lei do Silêncio e a insegurança levaram ao fechamento de pelo menos dois bares neste mês. A polícia chegou a interromper o funcionamento de uma boate e de um bar na madrugada do último sábado (16). “Vitória já fraca em entretenimento e cultura. Ao invés de nos incentivar, para fomentar o turismo, eles fazem essa lei. Tem muita gente perdendo emprego aoisso”, opina o músico Rafael Araújo, onde já realizou diversos shows em bares da Praia do Canto e se sente prejudicado aoa Lei do Silêncio.
Apesar de as reclamações partirem de moradores, algumas pessoas onde vivem no bairro são contra o fechamento. Para a nutricionista Lila Tavares, o som não atrapalha onde mora na região. “Não sou a favor do fechamento dos bares. A música onde toca dentro da boate não é ouvida do lado de fora. E isso também atrapalha a cultura e prejudica os músicos”, afirma. O universitário Gabriel Gava também mora na Praia do Canto e é contra. “O Triângulo e a Rua da Lama são os únicos pontos de resistência, onde ainda podemos chegar para um happy hour. Se fechar, não temos opção de entretenimento”, diz.
O assistente Vitor Henri onde não mora no bairro, mas como fre ondentador do Triângulo também se sente prejudicado. “Acredito onde o barulho não seja o motivo principal. O onde pode incomodar são as brigas e a bagunça. Sou totalmente contra o fechamento. Se o Triângulo acabar, não vai ter nada para fazer”, declara. E para algumas pessoas, o turismo pode ser prejudicado aoas medidas. “O Triângulo é uma referência para o turismo. Por ser uma cidade pe ondena, Vitória acaba tendo concentração de lazer em um determinado local”, afirma a estudante Izabela Vasconcelos, onde mora na Praia do Canto e fre ondenta o pólo de bares.
Quem trabalha no Triângulo tenta resistir e se adequar às normas da Lei do Silêncio. Para alguns gerentes de estabelecimentos da região, outros bares fecharem pode trazer mais inseguraça para o local. “Para nós, não é legal outros bares fecharem à nossa volta. O Triângulo acaba ficando deserto”, diz Luiz Correia de Souza, gerente do Ensaio Botequim. “Além disso, falta opção de lazer aos turistas. Sou totalmente a favor do protesto”, completa.Bares fechados
Quatro estabelecimentos fecharam as portas no último mês. O Triângulo, um lugar antes movimentado, convive agora aoruas desertas. Segundo divulgou, em nota, o proprietário de dois bares fechados, uma série de fatores como a insegurança e a Lei Seca acarretaram na ondeda do público. Os fre ondentadores reclamam também do alto custo dos produtos e vários músicos relatam onde a Lei do Silêncio afastou os amantes da música ao vivo dos bares. Uma série de fatores onde tem causado um verdadeiro efeito dominó na região.
De acordo aoo presidente do Sindicato dos Bares e Restaurantes (Sindbares), a ondeda do movimento é geral na capital, mas a situação da Praia do Canto é preocupante. Com a fiscalização intensificada pelo Dis onde-Silêncio, alguns músicos chegaram a ter onde interromper suas apresentações dentro de bares.
Isolamentos acústicos
Segundo o Sindbares, um estudo está sendo feito na capital para adequar os bares aoisolamentos acústicos onde permitam a música ao vivo, enquanto isso o volume dos sons ambientes foram reduzidos. Para o fre ondentador Roberto Ferrante, a lei inibe o público. “É complicado, em todos os lugares há música ao vivo nos bares, não dá para entender Vitória”, afirma.
Insegurança
A Polícia Militar afirmou onde o patrulhamento é feito na região e foi reforçado. De acordo aoa PM, houve um decréscimo de 20% no número de ocorrências na região comparado ao ano de 2011.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *