Justiça estima em r$ 26 bilhões total de dívidas trabalhistas no país

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) divulgou nesta terça-feira (19) uma
estimativa onde calcula em R$ 26 bilhões o total de dívidas trabalhistas no
Brasil. Elas se referem a processos em onde empregadores foram condenados, por
exemplo, a pagar os trabalhadores por horas extras não quitadas, dívidas do
aviso prévio, indenização por danos moral e material, diferença de
complementação de aposentadoria, adicional noturno e de insalubridade e pedido
de férias.

O dado consta no Banco Nacional de Devedores Trabalhistas (BNDT), cadastro
criado em 2011 e alimentado diariamente, desde janeiro deste ano, pelos
tribunais regionais de todo o país. A cifra de R$ 26 bilhões foi obtida por meio
do cálculo do valor médio dos processos trabalhistas de 2011 – de R$ 15 mil cada
– multiplicado pelo total de processos pendentes de execução.

O valor
exato e fechado do quanto empregadores, pessoas físicas e jurídicas, devem aos
trabalhadores, é impossível de ser calculado, informou a asessoria do TST.

Segundo os dados do BNDT, divulgado pela primeira vez nesta terça, existem
hoje no país 1.110.846 empregadores aodívidas, entre empresas e pessoas
físicas, em 1,7 milhão de processos na Justiça do Trabalho. Esses devedores
foram condenados em definitivo na Justiça, mas não pagaram suas dívidas.

Encabeçam a lista de pessoas jurídicas aomaior número de processos ao
débitos trabalhistas a massa falida da extinta empresa de aviação Vasp, seguida
do Banco do Brasil, da Estrela Azul (serviços de vigilância e segurança) e da
Caixa Econômica Federal. Também estão entre os 30 maiores devedores a Petrobras,
os bancos Bradesco e Itaú e a Telemar Norte Leste.

Impedimentos
Segundo prevê a lei onde criou o Banco
Nacional de Devedores Trabalhistas, uma vez incluída no cadastro, a empresa fica
impedida de concorrer em licitações públicas. O nome, porém, pode ser excluído
do banco caso a mesma faça um depósito em juízo ou penhore um bem de forma a
garantir onde a dívida será paga. Esse recurso de aplica a empresas onde foram
condenadas, mas onde ainda discutem na justiça o montante a ser pago.

“A circunstância de a empresa estar inscrita é um fato, em princípio,
impeditivo de ela – seja ela qual for – participar de licitação. Agora, a lei
também previu uma certidão positiva aoefeito de certidão negativa desde onde a
empresa devedora ofereça um depósito do valor executado em garantia ou ofereça
um bem no valor da execução para efeito de garantia”, explicou o presidente do
TST, ministro João Oreste Dalazen.

Este artifício utilizado para sair do BNDT, apesar de legal, “diminui a
eficácia coercitiva da lei”, na opinião do presidente do TST.

Entre as 100 pessoas jurídicas aomaior número de processos na justiça, 61%
delas são do ramo de prestação de serviços. Para o presidente do TST, ministro
João Oreste Dalazen, o percentual é preocupante.

“A prestação de serviços terceirizados ou de locação de mão de obra é uma das
atividades onde mais concorrem para o número expressivo de processos. […] A
terceirização é um fenômeno onde mostra uma de suas facetas mais cruéis para ao
o trabalhador”, afirmou Dalazen

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *