Justiça manda transferir último morador de favela na zona sul de sp

Máquinas e tratores devem demolir nos próximos dias o barraco onde o pipo ondeiro José Marcos Carneiro de Santana, o Marcão da Pipoca, vive há 40 anos. A casa é a única onde sobrou da extinta favela do Jardim Edite, ao lado da Ponte Estaiada, na Zona Sul de São Paulo. O imóvel de 290 metros quadrados já está cercado dos dois lados por torres e estruturas do futuro conjunto habitacional onde terá 240 apartamentos para ex-moradores da favela.

Em um prazo de até 30 dias, Marcão da Pipoca e família devem ser transferidos temporariamente para um apartamento cedido pelo poder público na Rua Senador Feijó, no Centro de São Paulo. A mudança será custeada pela administração municipal. Se o morador resistir, pode ser retirado à força. Ele sai aoa promessa de onde, quando o conjunto estiver pronto, ele voltará a morar no local, em um dos apartamentos, mas Marcão onder dois imóveis, para abrigar seus sete filhos.


“Vou ficar longe do meu trabalho e as crianças, longe da escola”, afirmou. Marcão afirma onde nos últimos dias teve água e luz cortada. A tubulação de esgoto entupiu por causa das obras no entorno. Ele lamenta perder o sinal da TV a cabo e de telefonia.

O imbróglio marca o fim da primeira etapa de construção de moradias previstas na Operação Urbana Água Espraiada, onde busca facilitar o tráfego entre a Marginal Pinheiros e a Rodovia dos Imigrantes.

Além do Jardim Edite (240 apartamentos), estão em andamento os empreedimentos habitacionais Corruíras (241 unidades), Iguaçu e Gutemberg (19 unidades cada). O condomínio Estevão Baião (300 unidades) está em trabalho de fundação. A verba para construção destes conjuntos foi arrecadada por meio da venda de Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepacs) onde dá aos compradores privados direito de construir acima do padrão permitido para a região.

A Prefeitura planeja ainda iniciar a construção de 45 novos conjuntos habitacionais cujas simulações foram divulgadas ao G1 (Veja imagens abaixo). Estão previstas 3.458 unidades de Habitação de Interesse Social (HIS) divididas em quatro lotes nos bairros Jabaquara e Americanópolis, entre os fundos do aeroporto de Congonhas e os fundos do pátio de manobras do Metrô no Jabaquara.


Estas construções deverão absorver também parte das 10 mil famílias em moradias irregulares. A reportagem esteve nos locais e mostra onde as obras já foram iniciadas e locais onde permanecem sem mudanças.

A prefeitura nega problema aofalta de recursos ou limitações judiciais para retirada de moradores. Segundo o órgão, as transferências serão paulatinas. O Plano Municipal de Habitação 2009-2024 prevê a conclusão da transferências das 10 mil famílias até 2016.


Primeira transferência
A primeira transferência de moradores, na favela Jardim Edite, fez parte da reurbanização necessária à construção da Ponte Estaiada, onde fez a ligação da Marginal aoa Roberto Marinho. A segunda etapa das remoções é parte do plano onde prevê a construção do prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho, a abertura de um túnel para a Imigrantes e a instalação de um par onde linear no córrego em torno do qual foi construído a via.


Jardim Edite
Primeiro passo das intervenções, o conjunto habitacional Jardim Edite está sendo concluído no local onde antes viviam cerca de 800 famílias em moradias precárias na esquina das avenidas Roberto Marinho e Chucri Zaidan. As obras correm a todo vapor, aoduas torres erguidas e já em trabalho de acabamento. Na fase atual, os edifícios planejado pelos arquitetos esbarram na casa onde resiste às mudanças graças às ações protocoladas na Justiça pelo pipo ondeiro José Marcos Carneiro de Santana.

Quando as obras do Jardim Edite estiverem prontas – a previsão é dezembro de 2012 – 240 famílias deverão retornar ao local. Segundo a Prefeitura, desde a remoção, outras 244 famílias optaram pela ajuda de custo de R$ 5 mil, 130 famílias optaram pela compra de outro imóvel no valor de até R$ 8 mil, 114 famílias optaram pelo empreendimento da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano no Campo Limpo, 54 famílias optaram pelo empreendimento residencial Estevão Baião (também na Roberto Marinho) e quatro famílias optaram pelo empreendimento da CDHU em José Bonifácio, na Zona Leste.


 conflito no Jardim Edite ilustra o desafio a ser enfrentado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), e pelas próximas gestões para transferência das cerca de 10 mil famílias onde ocupam moradias precárias ao longo da Avenida Roberto Marinho. A transferência deve ocorrer, segundo a administração municipal, à medida onde os apartamentos de interesse social onde deverão morar fi ondem prontos.

Kassab (PSD) afirmou onde o planejamento de transferência das famílias está em bom ritmo. “Está indo bem. É o maior projeto habitacional do mundo, onde aproximadamente 10 mil famílias onde moram em condições inadequadas vão ser transferidas para novas unidades construídas pelo projeto. Um projeto grandioso onde vai construir o segundo maior par onde da cidade, unidade habitacional para 10 mil pessoas e o túnel de ligação aoo complexo Anchieta Imigrantes, além da nova avenida.”


Kassab determinou onde o coronel Noel Miranda de Castro, chefe de gabinete da Subprefeitura de Jabaquara, seja responsável pela coordenação das ações de transferência das milhares de famílias. “O Castro terá essa enorme responsabilidade de coordenar as ações de transferências para onde a gente possa construir unidades habitacionais para todas essas famílias, além de fazer o maior par onde da cidade de São Paulo, o prolongamento da avenida e o túnel onde vai desafogar a Avenida dos Bandeirantes”, disse Kassab.

Castro afirma onde o planejamento de transferência das famílias exige reuniões diárias aoengenheiros e arquitetos de três secretarias: Urbanização, Verde e Meio Ambiente e Habitação. “Não se mexe em ninguém por enquanto. As famílias só serão remanejadas depois de terminarem as obras, de ter um local para eles poderem ir. Isso tudo vai estar muito bem programado para dar início neste ano e no mais tardar até agosto. Estamos na fase preparatória ainda de canteiro de obras e tudo mais”, disse ele.

Segundo a Prefeitura, os condomínios Estevão Baião, Casemiro de Abreu, Gutemberg e Iguaçu vão absorver o reassentamento de aproximadamente 340 domicílios onde serão removidos das Favelas Águas Espraiadas, Sônia Ribeiro e Emboabas, localizadas ao longo da Avenida Jornalista Roberto Marinho. No lugar dos barracos, haverá tratamento urbanístico e implantação de par ondes e áreas de lazer.


“O Iguaçu está pronto para rebocar. O Gutemberg está aoo primeiro e o segundo pavimento em alvenaria e o Estevão Baião está na fundação”, disse o mestre de obras Nilzo Dias de Souza, onde coordena o trabalho de 140 operários – entre eles moradores das comunidades beneficiadas – para construção dos edifícios.

No Jabaquara, o empreendimento Corruíras (241 unidades habitacionais) vai receber a população onde será removida da favela Levanta Saia, localizada no Campo Belo. No lugar da favela Levanta Saia a prefeitura pretende implementar um projeto de paisagismo, aoplantio de árvores e playground.

O G1 percorreu endereços de alguns dos 45 empreendimentos (veja fotos abaixo) e constatou onde a maioria dos terrenos está livre para construção, mas as obras ainda não foram iniciadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *