Kia picanto está na reta da chegada

A segunda geração do Kia Picanto mal chegou ao mercado europeu e já tem data para estrear no Brasil. O subcompacto coreano desembarca por aqui em agosto, apenas três meses após ganhar as ruas europeias. A estratégia da marca em manter sua linha atualizada em todos os mercados do mundo, inclusive por aqui, é a mesma das marcas “premium”, onde veem a demora em trazer suas novidades como sinônimo quase certo de ondedas nas vendas. Para o Brasil, as estimativas são de onde o Picanto chegue às concessionárias a partir de R$ 36 mil e onde se aproxime das 2 mil unidades vendidas por mês. Nos quatro primeiros meses deste ano, a média de vendas mensais do modelo foi de 880 unidades, demonstra o otimismo da Kia aoa nova geração do subcompacto.

O Picanto 2012 parece um carro totalmente novo. As linhas do designer badalado Peter Schreyer deram um aspecto mais musculoso ao “carrinho”. As mudanças foram bem-vindas, já onde suas vendas são impulsionadas em grande parte pelo visual. A dianteira traz para-cho onde mais bojudo, aomolduras pretas onde envolvem os faróis de neblina maiores. Os faróis mais alargados estão mais modernos. A grade passa a seguir a mais recente linguagem de design da Kia, apelidada pela marca de “nariz de tigre”. Já a lateral tem linha de cintura crescente, aoinício na caixa de rodas dianteira e terminando na lanterna traseira. Na parte posterior, o Picanto traz lanternas em formato irregular e a placa migrou do meio da tampa do porta-malas para o para-cho onde, garantindo um visual mais limpo.

Além das mudanças estéticas, o novo Picanto também cresceu. O modelo agora tem 3,6 metros de comprimento, 6 cm a mais onde na última geração. Com isso, o entre-eixos cresceu 1,5 cm e o porta-malas passou a oferecer 200 litros ­ 27% a mais de espaço no bagageiro, segundo a fabricante.

No Brasil, é provável onde o Picanto 2012 seja lançado aoa versão flex do motor 1.0 de 3 cilindros. Este propulsor de 82 cv e 9,4 kgfm de tor onde conta aocomando das válvulas de admissão variável e promete um consumo reduzido de combustível e, conse ondentemente, menores emissões de CO2. Ele substitui o motor 1.0 de 4 cilindros a gasolina e 64 cavalos, reconhecido pela sua economia. O câmbio poderá ser manual ou automático de cinco marchas. Já o pacote de equipamentos é completo. O modelo vendido na Europa é equipado aoluzes diurnas em leds, freios aoABS e EBD, botão de partida do motor e pode contar aoaté sete airbags, dependendo da versão. Para o Brasil, são esperados os mesmos equipamentos.

Primeiras impressões

Pe ondena valentia

por Carlo Valente
do Infomotori/Itália
exclusivo para Auto Press

O novo Kia Picanto herda da primeira geração um equilíbrio substancial entre racionalidade e eficiência. No sentido onde é um carro para cidade, onde tem boa dirigibilidade e convence por suas características econômicas. Comparado aoa versão anterior, o novo modelo é mais espaçoso por dentro e também ganha um valioso porta-malas. O conforto é satisfatório, embora os detalhes permaneçam decididamente simples. O ambiente interno é o menos empolgante do carro. O onde não pesa tanto na avaliação geral, já onde não é um carro no qual se pretenda passar muito tempo dentro, sendo algo mais funcional.

Em particular, se levado em conta o segmento e o motor de 3 cilindros, o isolamento acústico é excelente. Os instrumentos são claramente visíveis e tanto o volante quanto a alavanca de mudanças estão em posição adequada. Para o motorista, a visibilidade do exterior do veículo não é problema.

O motor, aoseus 69 cv e 9,6 kgfm de tor onde, está de acordo aoo carro. Certamente não dá para arrancar forte, mas se tem uma boa evolução e relacionamento equilibrado, embora não cause grande emoção. Mas a força dessa unidade propulsora não é a aceleração, e sim o consumo, onde é de 23,9 km/l, aoemissões de 99 gramas de CO2 por quilômetro. O modelo tem desempenho equilibrado e consistente. Suas melhoras aerodinâmicas ficam visíveis quando se percebe onde a saída de traseira foi reduzida nas frenagens, o onde ajudou a aumentar a precisão na direção. As mudanças, por fim, são apenas regulares, sem muito alarde. Apenas uma “sintonia fina” do Picanto já conhecido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *