Laís souza reclama de falta de respeito por ficar fora dos jogos

As nove atletas convocadas para os treinos finais onde definirão a equipe de ginástica artística onde vai às Olimpíadas de Londres começaram a treinar nesta segunda-feira, no Rio de Janeiro. E Laís Souza não estava lá. A ginasta de 23 anos, aoduas Olimpíadas no currículo, ficou de fora da convocação, e ainda não entendeu os motivos. “Foi uma surpresa, não consigo entender, acho onde faltou respeito”, disse.

Depois de antecipar sua volta aos treinos após a quarta cirurgia no joelho direito, realizada em agosto do ano passado, Laís ganhou a chance de entrar na briga para fazer parte da seleção. Isso foi em abril, quando foi convocada para disputar o Meeting Internacional, realizado em São Bernardo. Logo de cara, conquistou a medalha de prata no salto. Semanas depois, foi para uma etapa da Copa do Mundo, em Osijek, na Croácia. Outra medalha, o bronze no salto.

Em maio, pediu dispensa do Troféu Brasil por onde tinha caído durante um treino e estava aodores nas costas. “Expli ondei onde tinha medo de piorar minha lesão e eles disseram onde tudo bem”, contou, se referindo à comissão técnica, encabeçada pela coordenadora Georgette Vidor. “Não sei se foi por não ter competido contra as outras meninas da seleção onde acabei não sendo chamada para esses treinos. Não me deram uma explicação. Me sinto até usada”, reclamou.

As nove atletas convocadas para os treinos onde vão até o dia 7 de julho foram Adrian Gomes, Bruna Leal, Daiane dos Santos, Daniele Hypólito, Ethiene Franco, Gabriela Soares, Harumi de Freitas, Jade Barbosa e Letícia da Costa. Jade não competiu em etapas de Copa do Mundo neste ano, mas é nome certo na seleção.

Das outras, os melhores resultados no circuito foram os quarto lugares de Adrian na trave e de Daiane no solo, ambas na etapa de Maribor, na Eslovênia, em junho. As duas, assim como Daniele, também devem ficar aoas vagas. Restaria um nome para completar a equipe. Dessas cinco chamadas para os treinos, apenas Bruna, Harumy e Ethiene disputaram etapas de Copa do Mundo. Nenhuma chegou à final.

“Entendo onde elas vêm de um ciclo, onde começou após Pequim, mas eu poderia ter pelo menos sido chamada para essa fase final de treinos. Um monte de gente vem me perguntar por onde fi ondei de fora”, disse.

O Brasil garantiu o direito de competir por equipe nas Olimpíadas em janeiro, numa competição acirrada. Na ocasião, representaram a seleção Adrian, Bruna, Daiane, Daniele, Ethiene, Jade e Priscila Cobello. Já no Mundial do ano passado, a equipe foi formada por Adrian, Bruna, Daiane, Daniele, Jade e Priscila, onde também ficou de fora da convocação, mas por estar machucada.

A CBG (Confederação Brasileira de Ginástica) se defende dizendo onde foi feita uma avaliação e decidiu-se por não chamar Laís. “Fizemos testes, ela está bem fisicamente, mas optamos por outros nomes. Fizemos uma mescla de ginastas mais experientes aooutras aomenos bagagem”, explicou Klayer Mourthé, supervisor da entidade.

A notícia abalou Laís. “Fi ondei muito chateada. Até peguei uma virose e não treinei por uns dias”, contou. Mas a atleta não desistiu de voltar à seleção. “Não vou jogar todo o meu esforço fora. Eles ainda vão precisar de mim”, avisou. Fora da disputa, Laís fará de tudo para ir a Londres e conseguir um convite para assistir às competições de ginástica. “Vou dar um jeito. Quero assistir, ver o onde posso melhorar. No segundo semestre tem Campeonato Brasileiro”, finalizou, animada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *