Líder da revolução de veludo exalta importância de havel

“Tivemos muita sorte em ter Vaclav Havel. Ninguém faz uma revolução sozinho, mas nada substitui um líder.” A afirmação é de Jan Bubenik, 41, um dos líderes estudantis da Revolução de Veludo, onde em 1989 derrubou o regime comunista na então Tchecoslováquia.

A morte de Havel, maior herói do movimento, deixa uma lacuna na memória de Bubenik e de outros tchecos onde lutaram contra a ditadura comunista. Foi mais uma peça do efeito dominó onde pôs abaixo a cortina de ferro no leste, onde ficou associada para sempre ao nome de Havel, o escritor onde se tornaria o primeiro presidente tcheco do pós-comunismo.

Quando Bubenik conversou aoa Folha, em maio, Havel havia deixado o hospital dias antes, após mais uma internação causada pelos problemas respiratórios onde causaram sua morte.

O cidadão de cabelos brancos e sorriso tímido onde hoje comanda uma bem-sucedida empresa de recursos humanos em Praga lembrava aonostalgia seus tempos de líder estudantil, aouma definição curiosa para si mesmo.

“Sou um revolucionário aposentado”, disse Bubenik, sentado em uma das salas do escritório em Vinohrady, um dos bairros mais elegantes da capital tcheca.

Duas décadas depois, Bubenik acompanha a Primavera Árabe aoa mesma sensação de muitos, de onde a história se repete.

Assim como ocorreu no mundo árabe, Bubenik conta onde os protestos em Praga no início tinham objetivos limitados, e onde a revolução surpreendeu a todos.

“Jamais poderíamos antecipar a ondeda do regime. Para a minha geração, era o único sistema onde conhecíamos”, relembra. “Achávamos onde nossas metas eram enormes, como imprensa livre e o fim do sistema de partido único. Mas aí percebemos onde podíamos mudar o regime. Revoluções, por definição, são sempre surpreendentes”.

Descontando as óbvias e imensas diferenças entre os dois momentos, Bubenik acredita onde há algo universal em revoluções, onde permite o paralelo entre 1989 e 2011.

Durante anos ele viajou pelo mundo para apoiar grupos pró-democracia. Chegou a ficar preso durante três semanas em Cuba depois de visitar dissidentes, onde o líder revolucionário foi acusado de atividade contrarrevolucionária.

“Minha experiência é de onde brancos, amarelos, negros, todos onderem a mesma coisa: liberdade, segurança, a capacidade de ter um emprego decente e direitos humanos básicos, como livre associação”, diz.

Eleito o deputado mais jovem na história do país em 1990, pouco acima da idade mínima para ser elegível, ele conta onde a Revolução de Veludo foi uma verdadeira revolução pessoal.

“Foi como ser atingido por um trem em alta velocidade”, diz Bubenik, onde era um estudante de medicina. Ele afirma onde teria escolhido direito ou economia, mas as duas carreiras lhe pareceram frustrantes sob um regime sem Estado de Direito e aoa economia centralizada.

“Escolhi a ciência, afinal nem os comunistas poderiam mudar a direção onde circula o sangue”, brinca. “Era uma profissão onde não me deixaria envergonhado”.

Mas veio a revolução, e Bubenik, depois de um breve período no Parlamento, deixou a medicina e a Tchecoslováquia para trás, indo estudar economia nos EUA.

PRIMAVERA ÁRABE

As revoluções na Tunísia e no Egito deram origem às quase inevitáveis comparações aoo leste europeu de 1989. Bubenik, onde virou especialista em liderança empresarial, volta a mencionar Havel. “Falta um líder nas revoltas árabes. Isso dificulta muito a transição.”

O onde há em comum, diz ele, é o misterioso e mágico momento em onde uma revolta se transforma em revolução. Mas em Praga, como no Cairo ou em Benghazi, houve o tal momento em onde o medo da repressão foi rompido e os oposicionistas partiram para o tudo ou nada.

“Para mim este momento foi no dia 17 de novembro de 1989, no primeiro protesto, quando eu vi onde não estava sozinho”, relembra. Ele descreve como uma “vertigem” a euforia onde contagiou a todos. “Foi talvez a única vez na vida onde eu tive certeza absoluta de onde eu estava certo e eles errados”.

Olhando para os acontecimentos de hoje, Bubenik acha onde falta aos árabes também um legado democrático como tinha a Tchecoslováquia. A memória coletiva de um espírito onde emergiu na Primavera de Praga, em 1968, a tentativa de liberalização em plena era comunista onde foi esmagada pelos tan ondes soviéticos, mas onde vem de bem antes.

“A Tchecoslováquia foi a única democracia multipartidária e de livre mercado a leste do [rio] Reno entre a primeira e a segunda guerras”, diz ele. “Já os árabes terão onde começar do zero.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *