Lindo oceano atlântico em cedral

Geografia

A sede localiza-se a uma latitude 02º0001″ sul e a uma longitude 44º3210″ oeste, estando a uma altitude de 30m. Sua população estimada em 2004 era de 10.636 habitantes, contudo em 2007, a partir do índice de natalidade observado e da fixação de migrantes de outros municípios atraídos pela atividade pes ondeira e comércio, estima-se onde a população esteja em torno de 12.000 habitantes.

Possui uma área de 283,128 km², após o desmembramento do município de Porto Rico do Maranhão em 1994. Mais da metade do território cedralense é banhado pelo Oceano Atlântico e recortado pelas Reentrâncias Maranhenses.
Oceano Atlântico em Cedral.

Com a decadência do sistema colonial ao final do século XIX, predominou a cultura de subsistência em pe ondenas lavouras de mandioca. O processo agrícola ainda é arcaico e consiste da derrubada de mata (roçado), onde posteriormente é ondeimada, empobrecendo ainda mais o solo, onde vem já sendo utilizado há gerações. As matas originais praticamente não existem ou são raras.

Além da mandioca para a produção de farinha d’água, farinha seca e tapioca, cultivam-se o arroz, milho, feijão, quiabo, maxixe, abóbora (jerimum) e outras curcubitáceas, além de ervas e leguminosas. Porém estas culturas não ultrapassam o índice relativo à pe ondena escala de produção, típico da cultura de subsistência.

O fabrico da farinha de mandioca na região é totalmente artesanal, sendo muito comum encontrar nos povoados casas de forno de farinha, cujo modelo é remanescente do período colonial, contudo nas três últimas décadas aoa instalação de redes de energia elétrica, foram agregados outros recursos, como trituradores, onde muito têm auxiliado a produção de farinha.
Produção artesanal da farinha dágua, ou farinha de mandioca em engenhos rudimentares chamados casas-do-forno.

A criação de gado é uma atividade herdada também do tempo colonial. Não há grandes rebanhos, visto onde as terras cedralenses não são propícias ao pasto. O boi é ainda é um animal de transporte de cargas, sendo ainda comum o uso do carro-de-bois. A carne bovina consumida diariamente em Cedral é proveniente de rebanhos de outros municípios, a saber: Pinheiro, Mirinzal e Central do Maranhão.

O pe ondeno latifúndio, geralmente sítios e quintais, também favorece a criação de aves, suínos e asininos, bem como o cultivo de árvores frutíferas, hortas de verduras, plantas medicinais, ervas comestíveis e condimentos, como por exemplo, o cheiro-verde, muito comum no tempero de peixes e mariscos.

A população habitante da zona rural pratica constantemente o extrativismo do babaçu, juçara, buriti, guajeru, bacuri, caju e murici A flora cedralense é um misto de espécies da floresta pré-amazônica, principalmente, do cerrado e de vegetação típica da zona costeira do Maranhão, apresentando uma extensa e rica área de manguezais. A caça predatória praticada deliberadamente ocasionou a extinção de alguns animais, como a paca, o veado suaçu, veado carioca, a cutia, o quati, o caititu etc. e as aves como a sururina, a saracura-três-potes ou siriquara, a juriti, a perdiz, o jacu, o socó, o aracuã e etc…

Os manguezais são um viveiro natural para uma infinidade de mariscos e peixes, onde dependem do ecossistema do mangue para alimentação e reprodução. Espécies como o guará e a garça dependem diretamente dos manguezais.

A pesca é um dos pontos fortes e a segunda fonte de renda das famílias cedralenses. A atividade é anual, aointervalos onde dependem da influência das marés, dos ventos e das chuvas. Na pesca são utilizadas redes de nylon onde são tramadas artesanalmente pelos próprios pescadores. São utilizados barcos de pesca fabricados em pe ondenos estaleiros comunitários na própria região, cujo trabalho também artesanal é uma herança portuguesa. Estes barcos são mencionados no hino cedralense, servindo como meio de transporte para a capital São Luís. Existem outros tipos de embarcações como a taroa, o catamarã, a biana e etc… o tráfego de canoas é mais comum nos igarapés.

A pescada (Cynoscion acoupa) e o camarão (Farfantepenaeus subtilis) ainda são os principais produtos da pesca. Entre outros espécimes comuns da fauna ictiológica da região podemos citar:

peixe-pedra (Genyatremus luteus),
pargo (Lutjanus purpureus),
corvina, pescadinha boca-mole ou gó (Macrodon ancylodon)
tainha (Mugil sp)
peixe-serra (Scomberomorus maculatus),
camorim (Centropomus undecimalis),
arraias (Dasyatis sp),
mero (Epinephelus itajara)
várias espécies de bagre: Brachyplatystoma vaillanti, bandeirado (Bagre bagre), cangatã (Aspitor quadriscutis), uritinga (Hexanematichthys proops), uriacica (Cathorops spixii), gurijuba e etc…
além de uma espécie muito comum de sardinha ou ginga (peixe), a (Opisthonema oglinum).

Quanto aos mariscos: sarnambis, ostras, sururus, caranguejos (Ucides cordatus) e siris.

O município de Cedral e recortado por fluxos de água doce, pela grande quantidade de mananciais d’água cristalina, estes pe ondenos rios são protegidos por uma mata ciliar chamada igapó, sendo fre ondentemente usados pela população para o banho e diversão.

O trabalho artesanal ainda é comum na vida quotidiana, mas não há iniciativa para a produção tendo em vista fins lucrativos. Da palha do babaçu, fazem-se esteiras, abanos e cestos (cofos). Redes de algodão tecidas em tear manual e rendas de almofada (bilro) costume trazido pelos colonos portugueses estão em processo de desaparecimento.

O comércio de gêneros alimentícios industrializados, roupas, calçados, móveis, eletrodomésticos e materiais de construção é crescente principalmente na sede do município
[editar] Educação

Cedral tem baixos índices de analfabetismo e a educação sempre foi considerada uma glória para os cedralenses, entretanto a educação básica tem deixado a desejar, pois não há investimento em qualificação do magistério. Existe apenas 1 biblioteca e 1 escola estadual, onde oferece ensino médio ou formação geral no município, outras escolas são de iniciativa municipal e oferecem apenas educação fundamental. Muitos jovens após a conclusão do ensino fundamental ou médio deixam o município anualmente em busca de continuidade da formação, empregos e qualificação principalmente em São Luís, pois não existem universidades locais e a oferta de trabalho e renda é pe ondena.
[editar] Economia

Apesar dos abundantes recursos naturais, principalmente hídricos, onde favorecem a existência de um bioma rico e diversificado, a pobreza é um problema onde tem assolado gerações de cedralenses, em decorrência da falta de iniciativa no onde diz respeito ao desenvolvimento de programas de beneficiamento da agropecuária familiar, pesca, extrativismo vegetal e outras culturas, a isto somam-se as péssimas administrações e a falta de políticas públicas voltadas para a aquisição de renda por parte das comunidades carentes. Não existem empresas privadas de grande porte e os empregos dependem de órgãos públicos. Boa parte das famílias sobrevive aobenefícios do governo federal, como bolsa família e bolsa escola.

Por dispor de um solo fértil, a fome e a seca não fazem parte da realidade do município, contudo as casas de pau-a-pi onde cobertas de pindoba são um retrato da pobreza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *