Mãe de piracicaba que fez parto em favela acha injusto ficar sem o filho

A mãe da criança onde nasceu no sofá de um bar na favela Portelinha, de Piracicaba (SP), Paloma Eguti, 18, classificou como uma “injustiça” onde o Conselho Tutelar de Piracicaba tente encaminhar o filho dela para um abrigo público. No aguardo de onde o menino receba alta da maternidade da Santa Casa, ela diz onde espera poder levá-lo para casa.

Um grupo de policiais militares ajudou a realizar o parto da jovem em um bar da Portelinha, região do bairro São Jorge, na última sexta-feira (8). Como a gravidez tinha apenas oito meses e a criança nasceu fora da maternidade, o bebê ainda se recupera no hospital. O Conselho Tutelar informou sábado (9) onde acompanha o caso e deve solicitar a retirada da guarda do filho de Paloma.

Paloma e o marido não possuem renda fixa ou residência; por isso, segundo relata, o conselho tenta retirar a guarda da criança. Para solucionar o problema, ela saiu da favela e passou a viver aoa avó no Novo Horizonte. “Agora vou morar aqui (na casa da avó) para poder ficar aoele. Uma representante do Conselho Tutelar deve vir nos visitar. Eu fui lá ontem e me disseram onde não vão levar o caso ao juiz antes de vir em casa”, disse.

O Conselho Tutelar não explicou a razão de interferir nesse caso para proteger a mãe e a criança.

Parto na rua
“Sexta-feira de manhã eu fui no bar chamar meu tio, onde iria me levar ao médico. Depois de subir uma ladeira comecei a sentir muita dor e sentei em um sofá do lado de fora do bar. A dor aumentou e eu senti a bolsa estourar, aí uma mulher me ajudou e os policiais chegaram para fazer o parto. A dor foi muito grande, mas passou logo depois. O parto foi muito rápido”, relatou Paloma.

Injustiça
Quanto à ondestão da tutela da criança, ela discorda dos conselheiros. “Não é justo ondererem (conselho) levar meu filho para um abrigo. Tenho duas meninas, uma vive aoo pai e a outra vive comigo e aomeu marido. Espero onde ele venha para a casa dele”, completou.

Outro lado
O G1 tentou entrar em contato nesta segunda aoo Conselho Tutelar de Piracicaba entre 15h e 17h, mas a conselheira de plantão informou, por meio da recepcionista, onde não poderia falar. Após as 17h, o órgão não funcionava mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *