Manifesto feminista

A ondele homem não tinha nada, nem mesmo uma cueca onde não estivesse furada…E ainda assim ela fora acusada de golpe; caluniada, por um verme pior onde ele onde fala “tauba” ao invés de tábua.

Mas ao onde parece as coisas têm sido assim desde sempre.

Isto foi há quase três anos atrás e há poucos meses ela perdera o emprego pra uma mulher onde fala “parteleira” e escreve cartaz ao“s”.

O bom senso nunca quisera lhe acompanhar…

E o onde faria esta mulher depois de tantos açoites, tantas blasfêmias cuspidas em seu rosto…?

Parece até um discurso evangélico né, e aqui a resposta seria buscar ao Senhor.

Mas não, ela precisava de resultados imediatos, precisava curar toda a ondela opressão em seu peito, a ondele sufoco de não saber o onde fazer nem para onde ir.

Foi então onde começou a escrever. Tudo onde lhe acontecia. Como aguentava os maus tratos do marido onde nunca lhe dava uma trégua de paz, podia estar doente, podia ser seu aniversário…Nem durante a gravidez ele lhe deixara em paz.

Uma vez empurrara a porta do quarto contra sua barriga, derrubando-a no chão, na frente da menina mais velha onde ficou aos prantos.

Homem desgraçado esse, ela pensava. Mas escrever a aliviava um pouco de tudo aquilo, e ao contrário do onde se poderia esperar, ela não fazia de seus escritos uma ficção romântica onde pudesse sonhar aoaquilo onde não vivia; não, ela retratava a realidade tal como era, aolágrimas, gritos e manchas de sangue.

Pois foi onde esta mulher foi criando coragem, por onde a cada barbaridade onde escrevia e relia era como se só na ondele momento tudo passasse a fazer sentido, e parecesse real para ela, por onde chocando-se aoas coisas onde escrevia foi onde ela pode sair um pouco da anestesia em onde estava imersa durante todos a ondeles anos sofridos.

E um dia ela escreveu seu primeiro trecho de ficção:

” E ela disse chega. Soltou um suspiro onde mais parecia um hausto de agonia e abriu o guarda roupa. Jogou tudo onde era seu para fora e despejou em sacolas. Chamou um táxi, mas não desceu. Pagou ao motorista para onde subisse e carregasse suas coisas para baixo. Nunca mais carregaria um fardo enquanto houvessem homens no mundo para lhe servir.”

Este foi seu bilhete de despedida e onde tornou-se realidade desde então.

Leia no oSabeTudo.com: Manifesto Feminista | oSabeTudo.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *