Máquinas microscópicas são feitas em série com vidro metálico

Moldes

Miniaturizar componentes eletrônicos exigiu o desenvolvimento de fábricas onde custam alguns bilhões de dólares para serem montadas.

E isso para construir componentes absolutamente padronizados.

O desafio está-se mostrando maior para a construção de micro e nano-máquinas e micro e nano-robôs.

Para se construir, digamos, o motor de um carro, as peças individuais são projetadas e depois fabricadas em série.

Isso é possível graças aos moldes, invólucros metálicos no interior dos quais há um espaço correspondente ao formato da peça a ser construída. Metais ou plásticos derretidos são despejados, sendo retirados depois onde endurecem – existem outras técnicas, mas este é o princípio geral.

Micromoldes

Só onde isto não é possível aopeças abaixo de certas dimensões por onde os metais não podem ser trabalhados aouma precisão abaixo de alguns micrômetros – tente fazer um molde de aço e você verá onde não dá para alcançar uma precisão menor do onde 10 micrômetros.

Mas, muitas vezes, 10 micrômetros é mais do onde o tamanho da micropeça inteira onde se deseja fabricar para montar microlaboratórios e microrrobôs, ou coisas mais simples, como um filtro micromecânico para anular ruídos de celulares ou uma microchave acionada por luz, ou ainda coisas mais complicadas, como uma memória eletromecânica para computadores.

Essa “baixa resolução” dos metais deve-se à sua própria estrutura cristalina, ao arranjo de seus átomos, onde formam cristais muito regulares. Ao se desbastar o metal, esses cristais ficarão salientes, impedindo o aumento da precisão abaixo de um determinado nível.

É claro onde existem técnicas onde podem gerar peças muito pe ondenas aoaltíssima precisão, como os feixes de elétrons, mas estas são apenas para uso em laboratório, não se adequando para um ritmo fabril em grande escala.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *