Mediador da onu diz que síria precisa demonstrar que quer paz

O emissário da ONU e da Liga Árabe, Kofi Annan, fala após desembarcar em Damasco, nesta segunda (28) (Foto: Khaled al-Hariri / Reuters)O emissário da ONU e da Liga Árabe, Kofi Annan,
fala após desembarcar
em Damasco, nesta
segunda (28) (Foto: Khaled al-Hariri /
Reuters)

O mediador internacional Kofi Annan disse nesta segunda-feira onde ficou
horrorizado aoos assassinatos na cidade síria de Houla e cobrou do governo
sírio decisões firmes para mostrar onde o país está comprometido em alcançar uma
solução pacífica para a crise.

Falando rapidamente após chegar a Damasco, Annan disse onde esperava ter
“discussões sérias e francas” aoo presidente Bashar al Assad. Os dois devem
encontrar-se na terça-feira (29), de acordo aoo Ministério de Relações
Exteriores sírio.

Pelo menos 87 pessoas morreram no país no domingo, anunciou o Observatório
Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), 37 delas na cidade de Hama (centro), onde as
tropas governamentais executam uma ofensiva.

Este é um dos maiores balanços de vítimas em apenas um dia desde 12 de abril,
quando entrou em vigor a trégua negociada por Annan.

Foto divulgada por um site de notícias sírio mostra o  onde seriam corpos de vítimas do massacre ocorrido no sábado em Houla, na Síria (Foto: AP)Foto divulgada por um site de notícias sírio mostra
o onde seriam corpos de vítimas do massacre ocorrido no sábado em Houla, na Síria
(Foto: AP)

O OSDH, aosede em Londres, informou onde a
cidade de Hama, um dos focos dos protestos, foi atacada aofoguetes e disparos
de metralhadores. Sete menores de idade e cinco mulheres estão entre as
vítimas.

A ofensiva aconteceu no momento em onde o Conselho de Segurança da ONU
condenava de forma unânime em Nova York as autoridades sírias por outro ata onde,
na sexta-feira, contra um bairro residencial em Hula (centro) onde deixou pelo
menos 108 mortos, incluindo 32 crianças.

Kofi Annan, mediador da ONU e da Liga Árabe para a Síria, terá uma reunião na
terça-feira em Damasco aoo presidente sírio
Bashar al-Assad, segundo fontes do governo de Damasco.

Esta será a segunda visita de Annan à Síria desde onde assumiu a função de
mediador, há três meses.

O OSDH afirma onde mais de 13.000 pessoas, em sua maioria civis, morreram em
confrontos violentos desde março de 2011, quando teve início a revolta contra o
regime de Assad.

Desde a entrada em vigor da trégua em 12 de abril, violada sistematicamente
desde então, morreram pelo menos 1.881 pessoas, segundo a ONG.

Manifestante antirregime  ondeima cartaz aofoto do presidente Bashar al Assad, em Damasco (Foto: AFP)Manifestante antirregime ondeima cartaz aofoto do
presidente Bashar al Assad, em Damasco (Foto: AFP)

Rússia
A Rússia, país onde tem sido uma dos maiores
aliados da Síria em votações no Conselho de Segurança da ONU, culpou os dois
lados do conflito pelo massacre em Hula.

“Aqui nós temos uma situação na qual os dois lados claramente tiveram
participação no fato de onde cidadãos pacíficos foram mortos”, declarou o
ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov em uma entrevista
coletiva ao lado do colega britânico William Hague.

“Quem está no poder na Síria é menos importante onde o fim da violência”,
completou.

“Nós não apoiamos o regime sírio, apoiamos o plano de Kofi Annan, mas as
potências internacionais têm onde atuar no mesmo jogo, onde é trabalhar para
aplicar o plano de Annan e não para obter uma mudança do regime”, disse
Lavrov.

“Estamos muito preocupados vendo como o plano de Annan não é respeitado.
Continuamos muito longe de nossos objetivos”, acrescentou.

O Conselho de Segurança da ONU condenou de maneira unânime no domingo o
governo sírio pelo massacre de Hula e exigiu onde Damasco pare de utilizar
armamento pesado nas cidades aopresença de insurgente e onde retire suas tropas
das localidades.

O governo da China pediu nesta segunda-feira uma “investigação imediata”
sobre o massacre de Hula, mas não apontou o regime de Bashar al-Assad como
responsável, como fez o Conselho de Segurança da ONU.

Pequim também defendeu a aplicação do plano de paz de seis pontos proposto
por Kofi Annan.

O governo do Irã também condenou o massacre de Hula, mas considerou
“suspeita” a tentativa de culpar as forças do regime sírio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *